Capítulo 21

28.5K 2.2K 74




  A porta estava encostada, tornando mais fácil escutar a conversa. Eu não sabia em certo com quem minha mãe estava falando, mas suas palavras eram curtas e grossa.

— Sabia que é feio escutar conversas - Matt sorri de um jeito diabólico que me dá calafrios.

— Ah... Eu.. não que isso, não faço isso.

Caminho até a cozinha e volto a despejar água quente, para preparar o café. Matthew abre o armário para pegar as xícaras, que por azar nenhuma tinha par. Era xícara de um tipo e pratinho de outro.

— Isso é muito hospitaleiro.

— Ah fala sério, não é legal rir dos outros -  afirmo enquanto pego a garrafa.

— Sério, minha mãe ficava louca quando não tinha suas combinações exatas. Isso de modo me irritava, pois quando minha irmã quebrava alguma lavando, eu era obrigado a ir comprar o par.

— Não vejo nada de hospitaleiro nisso.

— Você não entende!

— Nem quero - resmungo.

—  Pode ajeitar para mim? - Savannah pede, enquanto estica seu braço para mostrar a touca de tricô que minha vó havia feito para mim, antes de vender a casa do lago.

Fecho a garrafa depois de despejar o café, pego sua touca e coloco em sua cabeça brilhante.

— Eu já disse que te acho linda? - pergunto enquanto ela sorri, timidamente.

A tarde passa normalmente todos os momentos Matt está perto de mim, enquanto Savannah fica brincando de  boneca. Mamãe está fazendo faxina fora de casa para ganhar uns trocados.. Eu percebo o quanto Matt fica apreensivo quando está sozinho, como se estivesse com receio de algo. Até Savannah é mais corajosa que ele, não entendo o que aconteceu ao certo mas, tudo está tão confuso.

A noite quando mamãe chega, eu e Matt decidimos ir em uma boate. Frida concordou já que estávamos há alguns dias enfiados dentro de casa.

— Forever Young - ele diz o nome, enquanto estacionamos o carro num lugar lotado.

— Eu já vim aqui, com Michele - digo enquanto Matt fecha a porta.

— Eu sempre vinha aqui quando era solteiro - ele ri.

— Por que não é mais? - pergunto esperançosa querendo saber de algo, que talvez poderia ser verdade e..

— Antes da Sofia - ele diz, mas seu sorriso não deixa seus lábios.

Ah Sofia.. Eu sabia que era ela..

Ah música alta ecoava por de fora do estabelecimento, eu já estava me sentindo descontraída percebi que tava até dando uma tipo de dança ao andar. Eu me embalava conforme a música, vi Matt dando um sorriso de leve.

O segurança nem pediu identidades, simplesmente abriu passagens para entrarmos. Havia tanta gente bonita, que eu parecia uma mendiga quando vê esmola, toda boba.

— Gostaria de beber algumas coisa? - Matt estende a mão para que eu possa sentar em um banquinho mas eu nego.

— Gostaria de uma Margarita - falo para o garçom, que imediatamente já está me trazendo.

— Boa noite senhor McVay, gostaria de beber algo?

— Martelinho, por favor.

Eu viro o copo, bebendo todo o líquido enquanto vejo uma mulher chegar perto de Matthew.

— Matthew quanto tempo - sua voz me é tão fina, que chega a irritar.

— Megan, o que está fazendo aqui? - ele sorri, enquanto ela se ajeita ao seu lado.

— O mesmo que você, me divertindo.

— Hmm.. - ele parece sem querer conversar. Tento não ser intrometida, então apenas fico na minha.

— .. se bem que para você aqui não é um lugar tão bom, não vejo nenhuma mulher ao seu nível.

Me corrói por dentro, uma raiva tão grande enche meu peito de ódio e irá.
Como essas mulheres conseguem-me rebaixar em tão poucas palavras.

— Eu vim com minha namorada - um sorriso inesperado surge nos meus lábios, enquanto vejo Matt me abraçar na cintura.

— Megan essa é minha namorada Emmanuela Tunner - sua voz, sai em uma perfeita sintonia.

— Olá senhorita Tunner meu nome é Megan Fisher - ela estende a mão e eu apenas sorrio.

Pela primeira vez me sinto tão bem em ignorar alguém, como se eu estivesse no topo da cadeia alimentar.

— Vamos dançar amor? - pergunto para Matt que já está andando em direção ao Dj.

— Eu adoro essa música! - Matt grita, mas mal consigo o ouvir de tão alto que está.

Começo á dançar, deixando a música fluir em meus pensamentos. Esqueço de todos os meus problemas, por algum tempo. Matt dança de um jeito tão atraente, move seus quadris com um molejo. Como se fizesse aula de dança para aquilo, ele me olha toda hora enquanto passa a mão na testa que está quase suada. Várias outras mulheres estão em nossa volta, só esperando o momento certo para atacar Matthew. Mas dessa vez ele era meu, eu tinha certeza disso.

Eu me aproximo mais dele, enquanto o vejo morder seus lábios, meu vestido bege com listras marrons vai até acima do joelho, tenho que cuidar para não subir demais. Estamos dançando grudados um no outro, seus movimentos são extremamente sexy. Viro me de costas e começo a dançar encostando em seu corpo, suas mãos estão na minha cintura e eu começo a perder o ar. Ele está me controlando na dança, como se estivesse me guiando.

Ele faz eu rebolar encostada em seu quadril, sinto seu volume na calça mais não vou protestar. Suas mãos estão grudadas ao lado da minha cintura, vejo que meu vestido está subindo, tento abaixa-lo mas ele não deixa..

Sinto sua respiração agitada em meu pescoço, seus lábios estão beijando o lóbulo da minha orelha me levando a loucura. Era uma sensação maravilhosa, queria que o tempo parasse. Ele me virá bruscamente e agarra minha bunda, ninguém parece ver o que está acontecendo. Ele inclina o rosto e me beija com vontade. Ele era tão fodidamente perfeito que eu o queria só para mim, será que isso seria pedir demais?

Querida BabáOnde as histórias ganham vida. Descobre agora