(Baby Caio na foto acima)    

             BÔNUS - LORENZO

É sábado e faz um sol de rachar. Tenho dezenas de contratos para revisar, mas tirei o dia para ficar com minha esposa e filho. Com toda essa merda que vem acontecendo com minha irmã, tenho parado para refletir e decidi que tenho que ser um pai e marido mais presente.

Meu casamento com Micaela é maravilhoso e não perco uma apresentação de Caio na escolinha, mas acho que falta mais. Pra começar, tenho que trabalhar menos. Micaela e eu perdemos o dia no escritório e quando chegamos em casa, a babá já buscou Caio na escola e o botou para dormir. Os únicos dias que posso realmente brincar com meu filho, é nos finais de semana e isso tem que parar.

Estou deitado na rede de nosso quintal, com Micaela debruçada sobre mim. Sorrimos, enquanto tomo minha cerveja e ela sua limonada. Caio gargalha, enquanto corre como um louco pelo enorme jardim.

-Vá devagar, filho! -chamo sua atenção pela milésima vez. Correndo desse jeito, ele pode cair e se ma...

-Ele está bem, amor. Ele é criança, deixe-o brincar enquanto pode -Micaela interrompe meus pensamentos de pai paranóico.  Sua voz doce me acalma um pouco, como sempre.

Ela sorri largamente, enquanto olha nosso pequeno atentamente. O sol agora reflete em seu cabelo castanho e seus olhos ficam alguns tons mais claros, devido à luz natural. Seu rosto está sem maquiagem alguma, mostrando algumas de suas poucas sardas, quase que invisíveis. Os lábios carnudos roubam minha atenção por vários segundos e sinto aquele famoso frio na barriga.

Ainda sinto isso toda vez que olho pra ela. A esse ponto, já percebi que a sensação é inevitável. Perfeita. Micaela é simplesmente perfeita. Caio corre até nós sorrindo e deixa um beijo nos lábios da mãe rapidamente, voltando a aprontar logo em seguida. Micaela fica toda boba com o gesto e seus olhos parecem dois diamantes, de tanto que brilham.

Ela nasceu para ser mãe e noto isso todos os dias. A cada segundo que Micaela cuida e se preocupa com Caio, parece que me apaixono mais por ela. Um pensamento invade minha mente sem que eu perceba:

-Quero mais -digo sério. Ela me olha e se levanta, pegando a garrafa de cerveja das minhas mãos.

-Vou buscar -antes que ela me deixe, puxo sua mão delicada.

-Não me refiro à cerveja -seu rosto adquire uma expressão adorável de confusão e sorrio. -Quero mais filhos, Micaela.

A surpresa em sua feição é palpável e me preocupo por um segundo. Será que ela não quer mais?

-Pensei que estivesse satisfeito com Caio -ela se senta na rede, mas a coloco sentada em meu colo.

-E estou -afirmo. -É por isso que quero mais, meu amor. Ser filho único é ter uma vida solitária e não quero isso para ele.

-Também não quero -responde olhando-o. -Mas a gente trabalha tanto, meu amor. Mal temos tempo pra um único filho, quem dirá para dois!

-Eu sei, linda -aliso seu rosto impecável. -Estamos fazendo do trabalho a nossa prioridade e isso é errado. A partir de agora, isso irá mudar. A família deve vir em primeiro lugar. Sempre. Além disso, preciso passar por aquilo de novo.

-Aquilo o quê?

-Ver sua barriga crescer diariamente, sabendo que há uma vida ali, um pedaço de nós dois -paro um segundo, sentindo um nó ser formado em minha garganta. -Também não podemos esquecer de seus desejos, que me deixavam completamente maluco, mas feliz.

A Paixão Acontece - Trilogia SchneiderLeia esta história GRATUITAMENTE!