02 - Os Olhos Brancos - Parte 4

979 98 5

  Todas querem entender o que está acontecendo. E, principalmente, acima de tudo, claro: onde estão e porque estão.
– Ó, meu Deus... O que-que aconteceu comi–comigo? – Anne diz entre engasgos e tosses que buscam por ar. Ela procura no rosto das outras mulheres ali presentes, alguma expressão que sinalize o alívio de uma resposta.
Micaela começa a chorar de forma escandalosa. Ruth bufa, vai até ela com passos irados e aperta o seu braço.
– Minha filha, não é só você que tá assustada! Ninguém aqui entende o que está acontecendo. Desmaiamos e acordamos com uma velha nos dizendo que não estamos mais na Terra e que não somos da Terra, ou seja, que somos aliens. Hmpf. E alguém vem e explode aquele hospital esquisito que estava num lugar que já foi chamado de Galo... Galo-alguma-coisa-infeliz. Essa daí – aponta para Anne – tem um transe e fica com os olhos de alguém possuído e desmaia. E tem mais: uma nave cai na areia... AAAAAH! Tem muito mais! Tem mais esta: tem a areia desse deserto maldito! Só não tivemos os nossos pés torrados porque rasgamos pedaços de nossos vestidinhos – segura as bordas do vestido e faz um plié – e cobrimos os nossos pés. Talvez isso tudo seja um reality show. Imagina! Talvez seja um experimento do governo. Foi o que eu sempre sonhei mesmo. Melhor do que a aposentadoria que eu estava atrás de conseguir. Talvez, eu esteja tendo alucinações num hospício e vocês e tudo isso sejam frutos dos meus delírios. Sempre tive a cabeça meio quebrada mesmo. Independente de todas as opções, Micaela, todas nós estamos cansadas, confusas e preocupadas com as pessoas que deixamos para trás. Será que estão bem? Será que também não foram trazidas para esta porcaria de lugar? Então, pare de agir como se só você tivesse problemas, menina! – depois de dar essa bronca, Ruth, a exímia vendedora de automóveis de Boston, volta para o seu lugar e Micaela engole o seu pranto. Devido ao que Ruth falou, todas começam a pensar em seus familiares e amados. Olívia olha para a sua mão e se lembra do quão longe pode estar o seu noivo e de que, talvez, não volte a achar o seu anel.
– Calma, Ruth – Alice repreende ponderada, com seus olhos consternados e braços cruzados.
– Ah... Agora, vocês já sabem os nomes umas das outras? Já são amiguinhas? – Anne brinca mesmo estando com a voz fraca e sentada com a ajuda de Martha e, agora, de Olívia. Algo dentro das outras seis diz que a hacker está quase completamente recuperada da convulsão que teve. Ela já voltou a soar mais com o pouco que as outras conhecem dela.

***

FACEBOOK: Sete - A Série
INSTAGRAM: ikkaiam
SPOTIFY: Sete - Volume I

SETE - Volume I [COMPLETO]Leia esta história GRATUITAMENTE!