LUNA

Ficar trancafiada dentro de casa é uma merda. Você passa horas e horas fazendo um milhão de coisas, mas mesmo assim o tempo parece não passar. Noah saiu logo cedo e me proibiu de sair de seu apartamento. Entendo seus motivos, mas eu precisava trabalhar hoje.

Tenho milhares de encomendas para finalizar e, pelo menos, cinco modelos que precisavam de acabamento. Liguei para Cris e avisei que não iria, mas não queria ter feito isso. Hoje poderia ter sido um dia normal de folga, se não fosse pelo fato de alguém me querer morta e que agora preciso me esconder dentro de casa.

Faz dias e mais dias que não entro na minha verdadeira casa. Desde que voltei de Paris, dormi algumas noites na casa de meus pais e logo depois Noah e eu já começamos a namorar. Amo passar as noites ao lado do meu moreno, mas também preciso ficar um pouco na minha própria casa. O problema é que Noah não aceita que eu vá embora de seu apartamento.

Ele diz que o lugar é grande demais só pra ele e que se sente muito sozinho quando não estou aqui. Há momentos que eu tenho vontade de dizer "e por que você comprou um lugar tão grande, então?", mas tenho medo que Noah me entenda mal. Então literalmente vivo aqui desde então. Não que eu possa reclamar, afinal o apartamento é lindo e extremamente espaçoso. A decoração moderna é o que mais me chama atenção. O apartamento de Noah é mais bem decorado que minha própria casa e quase me envergonho por isso.

Estou deitada na cama, observando seu quarto. As paredes cinza claro são bem mais altas que as comuns e os móveis são todos pretos. A TV é maior do que eu e seu closet com certeza pegaria uma esquina inteira. É tão grande que Noah separou cinco partes, só para mim, e ainda sobra um espaço imenso para ele fazer o que quiser.

Perto da janela ampla, há uma estante moderna, abarrotada de livros. Sorrio ao pensar em como meu namorado é inteligente. Em um dos nossos primeiros encontros, estávamos conversando sobre assuntos banais. Até que começamos a falar sobre meu trabalho e Noah pareceu maravilhado enquanto eu tagarelava sobre vestidos e tecidos.

Pensei que ele fosse me mandar ficar quieta ou apenas fingir que prestava atenção, como meus irmãos fazem o tempo comigo, mas Noah me escutou por horas a fio. Ele me encarava totalmente vidrado e interagia comigo. Finalmente notei que eu não calava a boca, então pedi para ele contar um pouco sobre ele.

Noah me falou sobre sua família e percebi o quanto ele ama o pai e a mãe, que moram no Rio. Instantes depois, ele começou a me contar sobre sua empresa e comecei a babar. Não de tédio, mas de admiração. Sabia que ele comandava uma empresa, mas não sabia que era tão trabalhoso assim. Mesmo assim Noah falava de seu trabalho com amor, principalmente por ter herdado aquilo tudo de seu pai. Acho que foi naquela noite que percebi que gostava dele. Mal sabia eu que me apaixonaria muito mais depois daquilo...

A campainha me tira de minhas lembranças felizes. Levanto da cama bufando e bato os pés até a porta.

-Já vai! -resmungo quando escuto o maldito barulho de novo. A TPM realmente é a pior coisa desse mundo.

Abro a porta e congelo quando vejo meus irmãos parados bem ali, me encarando com uma cara nada boa.

-Lorenzo? Heitor? -franzo a testa, completamente confusa.
-Não. Patati e Patatá -Lorenzo rebate, com seu mal humor de sempre. Heitor prende uma risada e reviro os olhos.

-O que estão fazendo aqui, seus doidos?
-Eu to querendo entrar, mas pelo visto tá difícil -Heitor olha pra minha mão, que ainda segura a porta.

-Concordo com o bastardo. Estou quase criando raiz aqui -Lorenzo completa, erguendo uma sobrancelha. É quando percebo que algo não está certo. Primeiro por que os dois estão aqui. Segundo por que Lorenzo nunca faz gracinhas. Esse é o trabalho oficial de Heitor.

A Paixão Acontece - Trilogia SchneiderLeia esta história GRATUITAMENTE!