Capítulo 10

215 33 20

Dedicado a Amberbey

Alice continuou a me fitar, sem dizer absolutamente nada. O clima entre nós era extremamente desconfortável.

- Nunca quis te magoar, eu juro - digo, tentando iniciar algum diálogo entre nós.

- Tá tudo bem Rick, não se preocupa - respondeu passando as mãos pelos cabelos, enquanto encarava o nada.

- Por que ficou tão calada de repente?

- Desculpa, mas tudo isso é estranho, entende?

- Como assim?

- Você gostar da sua madrasta assim, sabe... não entendo porque me escondeu isso. Desde quando gosta dela?

- Foi algo que aconteceu sem que percebesse, Alice. A única coisa que eu realmente sei é que o que sinto por ela só vem crescendo com esse tempo que convivemos, mas é difícil explicar - contei.

- Não é que te ache maluco por gostar da Lana, mas sabe, isso é uma loucura! Você não acha que pode estar confundindo as coisas?

Suspirei, controlando minha inquietação. Sempre soube o que as pessoas pensariam a respeito do que sinto, mas não imaginava que Alice pensaria isso também.

- É o que todos diriam, porque acha que nunca contei a ninguém? - falei, desapontado.

Ela suspirou, contendo suas próximas palavras.

- Desculpe-me, não quis te ofender. Acho melhor eu ir embora, depois conversamos.

- Tudo bem. Se cuida, tá?

Ela olhou para mim entreabrindo os lábios em um leve sorriso, assentiu e saiu em seguida.

***

Como era de se esperar, no dia seguinte, Alice não foi na minha casa para ir a faculdade. Durante todo o intervalo das aulas me evitou, tentando ao máximo fingir que não estava com raiva, porém, eu sabia muito bem o quanto estava chateada. Dividimos nossa mesa com o Augusto e alguns amigos dele no refeitório, durante todo esse tempo ela se manteve dinstante. Comentava apenas uma ou duas palavras quando falávamos de um assunto qualquer. Eu sabia que ela precisava de um tempo, por isso achei melhor aceitar.

Logo após a aula, segui a correria da minha rotina habitual. Me arrumei no vestuário da faculdade e peguei uma condução direto para o trabalho.
Não consegui parar de pensar na Lana um só momento. Confessar meus sentimentos fez com que me sentisse mais forte em relação ao que sentia. Eu queria me aproximar dela, mesmo que isso fosse uma loucura, mesmo que não tivesse a mínima chance, eu queria estar perto da Lana. Precisava arranjar qualquer desculpa para vê-la ao final do expediente e foi exatamente o que eu fiz.

Cheguei em casa por volta das sete horas, tomei um banho rápido e subi até o andar onde ela morava. Bati a porta e ela veio atender, parecia bem melhor desde os últimos dias. Usava uma calça jeans não muito justa e uma camiseta azul, simples. Seus longos cabelos estavam soltos e jogados nos ombros e em seu rosto não tinha nenhum vestígio de maquiagem. Não importa como estivesse, ela sempre ficava incrivelmente linda.

- Oi, Rick - falou assim que me viu, sorrindo gentilmente. - Precisava mesmo falar com você.

- Oi, bem... eu só vim saber como está.

ARCANOLeia esta história GRATUITAMENTE!