- Prólogo -

171 11 0


Todos nós temos um propósito, uns nascem para governar outros para serem governados, o estranho de tudo isso é que não me encaixo em nenhum desses propósitos, estar entre os seres humanos e sentir o calor da emoção, sentir a alegria, tristeza, dor, alivio, paixão, ódio entre inúmeros sentimentos do corpo humano sempre me deixou confuso, a poucos dias de completar o décimo oitavo aniversário o meu corpo me revelava o que eu já sabia, o momento de estar livre da sentença como castigo pelos bons pensamentos, cultivar o ódio era a única coisa permitida de onde venho, o inferno para muitos na terra consiste em um lugar com chamas, abafado e com cheiro de enxofre, um demônio avermelhado com chifres reinando em seu trono o submundo, mas o que o inferno simboliza realmente é a mente humana.

Muitos acreditam que bruxos e demônios são totalmente distintos, o que poucos sabem é que todo demônio possui um bruxo dentro de si, sou Horion o filho bastardo do demônio terrestre Demon, os demônios, bruxos e anjos vivem e travam batalhas intermináveis em busca de almas. Eu fui enviado para encontrar a maldade humana e marca-los para a morte. Minha forma terrestre não foi das piores, dizem que o pecado e a perdição são acompanhados pela beleza e desta vez não foi diferente e muitas garotas estaria disposta a fazer o que eu sussurrasse em seus ouvidos por tão pouco, mas nossa única restrição era o toque entre um demônio e um ser terrestre.

A cidade de Alpatina era conhecida por acontecimentos estranhos jamais revelados, parte destes acontecimentos estava relacionado a mim, meu dever é de recrutar os "Stray" para se juntar a horda de Demon para vencer os Light Angel, pois na última batalha Pacem destruiu o filho legitimo de Demon e agora sou o único capaz de escolher os piores entre os humanos para se tornarem os súditos da guerra.

Restava apenas cinco dias para minha estadia chegar ao fim, Alpatina estava dominada pelas almas que vagueavam sem destino, como alguns mortais diria, estavam esperando o seu julgamento final, pobres insolentes não percebem que a morte é o julgamento final, o que acontecem nessa transição é apenas uma nova luta entre o bem e o mal. Escolher um lado não estava em seu alcance, aqueles que foram marcados pela morte serão sempre demônios ou bruxos que ao fim de sua existência se transformam em nada, uma poeira na imensidão da guerra.

O apartamento era estratégico, eu estava no único edifício da cidade e estava no último andar, o centro da cidade ficava a pouco mais de cem metros, daquele ponto da janela via-se a cidade toda e todos os acontecimentos, fui para o terraço e o vento tocou meu rosto, não nego que as vezes o meu trabalho contraria tudo que aprendi com os mortais ao longe uma aglomeração se formou em volta de um corpo esticado, minha vantagem era que os humanos só conseguia me ver quando eu estava na forma humana, me aproximei e observei daquela distância e sabia que eu deveria estar ao seu lado, pois era um dos marcados pela morte.

Meu corpo se enrijeceu, eu sabia que estava na hora de descer até aquele corpo, retirei minha camiseta preta colocando-a de lado, duas asas cor de chumbo se abriram em formato circular, agora eu realmente estava livre. O fim veio logo que cheguei ao local, seus lábios ainda se moviam desesperadamente a procura dos últimos resquícios de vida, o local estava com um odor fúnebre e a morte já havia chegado, o sofrimento era apenas parte do ensaio de despedida, o homem é um ser cruel, dizer que são racionais é um insulto no que tange os pensamentos dogmáticos de uma vida sociável, os últimos suspiros se findaram e seus olhos se fecharam.

Tudo estava correndo normalmente,sua alma já estava marcada e tudo que ela precisava era passar pelo processo detreinamento realizado por Demon, mas o que me deixou intrigado é aquela jovemde cabelos loiros que me encarava secamente, pensei estar louco ou ela nãoseria uma humana, seus olhos azuis e pele branca com marcas rosadas pelo calor,me virei para me certificar que ela não poderia me ver, mas seus olhos estavamfixos nos meus, dei dois passos para trás e decidi sair dali o quanto antes, omeu trabalho já havia terminado, senti seus olhos me seguir até o terraço.&{rnZ

HÓRION - Os dois lados de um anjoLeia esta história GRATUITAMENTE!