capítulo Dezesseis

543 51 0

Rodrigo

Sinto que Cecilia está um tanto estranho, depois que Carol voltou. E não era de se esperar outra coisa,já que ela faz de tudo para provocar Cissa, não me sinto bem com isso, pois tudo que eu mais queria era fazê-lá feliz, retribuir tudo de bom que ela me dá. Vou tentar ficar mas próximo dela durante essa semana.

Enfim chego em casa,depois de passar uma tarde maravilhosa na companhia das minhas duas paixões. Mas logo vejo o carro de Carol estacionado em frente de casa!

_ Bel sua mãe está aí,....então promete para mim, que vai tratá- lá bem.falei,vendo minha pequena mudar a expressão.

_ Papai,eu não gosto daquela mulher, ela foi embora quando eu era bebé!.

_ Eu sei pequena,mas agora ela quer estar perto de você,...então seja boazinha!.falei então entramos.

Assim que nos vio, Carol não perdeu tempo, e veio abraçar Bel. Depois veio até mim,tentando dar um beijo no meu rosto,mas me desviei da sua tentativa de aproximação. Não sou idiota pra cair no joguinho dela.

_Olha só querida, eu trouxe um presente para você,...e também não esqueci do seu pai. Carol disse.

Bel apenas abriu o pacote, e não deu muito importância para a boneca,enquanto eu não abri o presente que ela me deu,pois sabia que por traz dele havia segundas intenções.

_ Obrigada! Bel disse,seguindo minhas recomendações.

_ Você não quer brincar comigo,e com sua boneca nova? Carol disse.

_ Não!,...estou cansada, brinquei muito com a vovó Marina e com a tia Cissa, agora vou descansar!.Bel disse,e saiu correndo para seu quarto, deixando o presente no sofá.

_ Estou vendo,que essa tal de tia Cissa, está querendo tomar meu lugar!. Carol disse,cuspindo fogo.

_ Na verdade,foi você que abandonou seu lugar,...então agora não venha culpar ninguém pelo seus próprios erros!...,pegue isso, eu já disse que não quero nada que venha de você!.falei, entregando o presente que ela havia me dado.

Ela apenas me encarrou,pegou o presente e saiu sem dizer nada.

_ Meu filho, alguma coisa me diz, que Carol ainda vai nos causar muito dor de cabeça!. Minha mãe me diz, assim que entra na sala.

_ Eu concordo com você mãe!.falei,passando as mãos pelo rosto.

Eu sei que ela queria, mas eu nunca voltaria pra ela, mesmo que Cecilia não existisse em minha vida. Na verdade,nunca amei Carol, era mais uma relação de amizade e atração física, nada mas que isso. Meu erro foi ter continuado com essa relação,por muito tempo!,a única coisa boa que ela me trouxe foi minha filha.

********

Nos dias seguintes,tentei me manter mas próximo de Cecilia,sempre que saia do meu serviço passava no hospital para vê-lá. Agora faltando apenas um mês para nosso casamento, aluguel uma casa aqui mesmo no bairro aonde moro,e também aos poucos estou comprando os móveis. Não vejo à hora poder me casar, e ter Cecilia para sempre na minha vida.

Como no dia seguinte seria feriado e meus pais e Bel iriam para casa dos meus avós, resolvi praticamente raptar Cecilia para minha casa,queria ficar um pouco a sós com ela.

_ Rodrigo aonde está todo mundo?. Cecilia pergunta,assim que chegamos em minha casa.

_ Bom,o Lucas saiu com sua amiga!,...e meus pais e Bel foram pra casa dos meus avós.falei,enquanto à abraçava por traz.

_ Há!...esse convite para vir aqui,está com cara de segundas intenções!.

_ Nunca!...as minhas intenções em relações a você são as melhores possíveis!...e além do mais, daqui um mês a gente se casa, e até agora você não me mostrou seus dotes culinários,...como vou saber se você será boa dona de casa.

Destinos Traçados (completo) Leia esta história GRATUITAMENTE!