29.

707 53 17


            Eu só me lembro de ver os médicos a chegarem, na ambulância a tentarem acalmar-me e estarem sempre a dizer para se apressarem. Lembro-me do rosto preocupado do Harry que insistia em agarrar-me a mão e dizer que estava tudo bem, apesar de não estar, e eu a tentar processar o que ocorria em meu redor.

"Desculpa..." Eu consegui ouvir um murmúrio, enquanto as minhas pálpebras lutavam para se abrirem.

Lentamente começava a ver o meu redor desfocado, apenas uma senhora que desconhecia ao meu lado e com um copo com água na sua mão.

"Mrs.Perez, como se sente?" Ela perguntou, segundos depois, quando se apercebeu que eu já estava mais consciente.

Ajeito-me naquela 'cama' e consigo ler no uniforme da senhora que há poucos era A Desconhecida "Dr.ª Layla Kai". Cerro os meus olhos com força, com as dores de cabeça que me atacavam, e memórias de algumas horas.

"Confusa." Acabei por responder, agarrando no copo de vidro que ela me entregara. Bebo a água fresca lá dentro e suspiro.

O sol, eu conseguia ver pela janela, começava a nascer o que indicava que eu já estava neste estabelecimento há algumas horas. E isso significa que algo mau aconteceu.

"Mrs.Perez, lamento imenso, mas teve um aborto espontâneo. É sempre complicado dizer isto a uma mãe, no entanto é impossível esconder." A doutora proferiu, com uma expressão bastante séria.

Senti-me atacada com aquelas palavras, o meu mundo desabou. O meu filho acabou de morrer dentro de mim, e um sentimento de culpa acaba por tomar conta do meu corpo.

"Entretanto, tem aqui umas pessoas que estiveram à espera que a anestesia terminasse. Já sabem da notícia, também."

Queria recusar a entrada de alguém, fosse quem fosse, no meu quarto neste momento apoderado de tristeza e mágoa; mas estaria a ser egoísta, alguém gastou o seu tempo comigo – com certeza que o Harry foi uma dessas pessoas – e eu tenho que pelo menos, agradecer, por mais complicado que de momento seja.

As minhas mãos enfraquecidas cobrem o meu rosto, impedindo que vissem as minhas lágrimas e o meu mau estado.

Eu pensava que estava a correr tudo na perfeição, quer dizer, a primeira ecografia indicou isso mesmo, e sendo ela a mais importante eu não me preocupei. Não fiz esforços, nem nada... Odeio esta sensação.

"Luanna!" A voz da Christine fez-se ouvir e os seus braços vieram logo abraçar-me. "Tem calma, anjo!"

Ela calmamente afastou-se, dando-me uma vista perfeita para a minha mãe e... o Niall. Mas o Harry? Onde é que ele está?

A minha mãe e o rapaz loiro aproximaram-se e abraçaram-me, lamentando-se por isto ter acontecido e dizendo que eu precisava de apoio.

Só preciso de um pouco de silêncio, um momento sozinha para pôr em ordem as ideias que me passam pela cabeça. Tudo o que eu tinha planeado desapareceu num ápice. Meras palavras estragaram metade do meu futuro. Serei sempre marcada com isto.

O Niall agarrou a minha mão e com o polegar acaricia-a.

"Onde está o Harry?" Atrevi-me a murmurar, despertando a atenção dos três. "E a Felicity?"

"Hm, querida... O Harry reagiu muito mal à notícia, então eu pedi para ele ir para casa com a menina, só lhe faz mal estar neste ambiente a ver bebés a passarem de um lado para o outro." A minha mãe respondeu-me, deixando-me um pouco magoada. Eu pensei que ele fosse estar aqui... Independentemente de tudo...

Teen(ager) - h.s {sequela TM}Leia esta história GRATUITAMENTE!