HEITOR

Como assim Luna e Noah estão namorando? Primeiro descubro que o desgraçado é ex de Catarina e agora ele namora minha irmã? Mas que caralho está acontecendo?
-Você sabia dessa palhaçada? -pergunto a Lorenzo enquanto esperamos na recepção.
-Sobre Noah e Luna? -faço que sim. -Desconfiava.
-E você não me fala nada? -pergunto indignado.

-Os dois são maiores de idade, Heitor. Que eu saiba, Noah não é nenhum homem casado e é muito bem de vida. Qual é o problema nisso?
-Você endoidou, Lorenzo? Ele não serve para nossa irmã!
-Por que? Por que ele namorou Catarina? -não respondo. -Diga uma coisa que ele fez além de ter namorado a garota que você ama!
-Ele...Ele -tento dizer algo, mas não consigo. Não há nada para falar.

-O que você sente é ciúmes, Heitor. E sem sentido, para ser bem sincero. Agora cabe a você decidir se vai deixar esse ciúmes atrapalhar a vida de nossa irmã ou seguir em frente e acabar com essa besteira -meu irmão está certo, como sempre. Lorenzo sempre foi mais racional do que eu e mais uma vez vejo isso.
-Vou comprar alguma coisa na cantina -levanto para não admitir que estou errado.

Compro apenas um café e ando sem destino pelo hospital. Quando vejo, estou em um dos corredores e me surpreendo quando descubro o quarto de Luna. A cortina do quarto está levantada, então consigo ver minha irmã do corredor. Ela conversa com Noah e vejo a porta do quarto entreaberta. Não quero ouvir, mas a curiosidade fala mais alto:

-Não precisa se desculpar, loirinha. Eu te entendo completamente agora. Olhe pra mim. Eu nunca te olharia com outros olhos, minha linda. Você sempre foi e sempre será única e maravilhosa para mim. E daí que você precisa de uma bombinha de vez em quando? A culpa não é sua e você não deve se culpar por isso. Você continua sendo incrivelmente perfeita para mim -escuto minha irmã soluçar. -Agora pare de chorar. Odeio te ver assim.

Os dois ficam em silêncio por uns segundos e olho entre o pequeno vão da porta.
-Eu te amo, Luna - a confissão me pega de surpresa e ela aumenta ainda mais quando minha irmã responde:
-Eu também te amo, Noah.

As palavras de Noah soaram estranhamente sinceras e o que Lorenzo me disse a poucos minutos me vem à mente. Eu fui egoísta e estava deixando  meu ciúmes por Catarina interferir na vida de todo mundo, principalmente na minha. Minha irmã disse que ama Noah e uma lembrança me vem à cabeça:

Luna tinha 18 anos e a encontrei chorando em seu quarto. Me assustei em vê-la daquele jeito e perguntei o que tinha acontecido. Ela me olhou envergonhada e disse que havia terminado tudo com o namoradinho. Eu perguntei o motivo e ela me disse que era por que não o amava e não conseguia dizer as famosas três palavrinhas "eu te amo". Confesso que tive vontade de rir, mas a vontade passou quando minha irmã me perguntou como saber quando se ama alguém de verdade.

O que dizer quando alguém te pergunta isso? Talvez as mulheres possuam uma resposta coerente para tal pergunta, mas é complicado pra cacete para, nós homens, respondermos. Eu nunca fui exemplo nenhum de cara certinho ou apaixonado romântico, então o que responderia? Pra acabar de ferrar, nunca havia me apaixonado até então.
Respirei fundo e disse à minha irmã que quando a hora chegasse, ela saberia e as palavras sairiam sem nem mesmo ela notar. Mas que teria plena certeza dos seus sentimentos. A pouca idade fez com que ela me olhasse um pouco confusa, mas concordou com a cabeça e me abraçou.

Quando a lembrança me atinge, sinto uma mistura de sentimentos. Se Luna disse a ele que o ama, então ela realmente deve amá-lo. Ela sempre levou essa coisa de sentimento a sério. Tanto que evitou ao máximo namorar, pois dizia que namoro é algo sagrado e não brincadeira.
Agora que sei que minha irmã realmente gosta do sujeito, mais do que nunca preciso conversar com ele.

Ainda no corredor, espero Noah sair do quarto. Ele se assusta ao me ver ali e faço um gesto, o chamando para um canto.

-Heitor, não estou com cabeça pra brigar agora. Então se você puder  esperar até...
-Não quero brigar, Noah -respondo incrivelmente calmo.
-Não?
-Não. Eu ouvi o que você disse à minha irmã agora -ele parece se irritar um pouco. -Desculpe me intrometer, mas foi bom eu fazer isso.
-Como assim, cara?

-Eu finalmente percebi que você é um cara decente e que falou a verdade quando disse que não tinha mais nada com Catarina. Vi que minha irmã te ama, Noah. Agora a pergunta é: você também a ama?
-Sim, eu a amo -responde e vejo que foi sincero.

-Ótimo -uma parte de mim se acalma mais ao ouvir isso. -Quero começar as coisas do zero, Noah. Então me desculpe por te julgar e pelas porradas que te dei aquele dia. Quero deixar claro que eu não gostava de você, por que achava que você ainda tinha algo com Catarina e senti ciúmes. Mas vejo que estava errado -ele suspira.
-Você gosta dela pra caramba, não é?
-Mais do que você possa imaginar- meu peito dói quando me lembro que faz mais de um mês que não a vejo e não escuto sua voz.

-Espero que as coisas deem certo pra vocês, Heitor.
-Obrigado, cara. Eu também espero -apertamos as mãos. -Recomeçamos as coisas do zero, mas não se engane, Noah: machuque minha irmã e eu te caço até o inferno. Me ouviu bem?
-Ouvi, sim senhor -ele ri e eu fecho a cara. -Ouvi.
-Certo, espero que tenha ouvido mesmo. Não se esqueça que tenho uma arma -ele arregala um pouco os olhos e dou risada. -Vaza logo daqui e vai ficar com a minha irmã!

-Obrigado, Heitor.
-Faça ela feliz, Noah. É o único jeito de você me agradecer.
-Eu farei -ele se vira e caminha de volta ao quarto.

Ainda não gosto 100% do cara, mas se minha irmã deseja ficar com ele, o mínimo que posso fazer é apoiar.

Volto a recepção mais calmo e Lorenzo vem em minha direção.
-Demorou por que? -bastardo desconfiado.
-Bati um papo com Noah.
-Caralho, Heitor. Briga aqui no hospital, inferno? Você não ouviu nada do que eu falei?
-Não brigamos, maninho.
-Se mataram, então? -dou risada.
-Nos acertamos, irmão.
-O que?
-Isso mesmo que ouviu, emburrado da minha vida.

-Você tá falando sério?
-Estou, irmão.
-E o que aconteceu pra você mudar de ideia tão rápido em relação a ele?
-Talvez um dia eu te conte, morena dos olhos azuis -pisco.
-Bastardo infeliz -ganho um dedo do meio como resposta e caímos na risada.

Mesmo a noite começando trágica, tudo se resolveu e o que importa é que Luna está bem. Espero que as coisas finalmente se encaixem agora.

#####################
Dois capítulos seguidos que terminam fofinhos!!!  Mereço ou não mereço uma estrelinha por isso? Aperta a ⭐️ aí, vai? HAHAHA
Beijinhos ❤️💋💋

A Paixão Acontece - Trilogia SchneiderLeia esta história GRATUITAMENTE!