Capítulo 5.4

2.9K 344 71

Christopher e Ramona teriam um longo trabalho pela frente. Precisavam ir ao hospital entrevistar Samuel e posteriormente a família da vítima. A presença dos jornalistas no perímetro dava-lhes a certeza de que seriam pressionados nesse caso, isso sem contar que alguns detalhes seriam expostos, prejudicando a investigação. Já não havia o que fazer quanto a isso, afinal, chegaram bem depois deles.

Entre os detalhes que iam discutindo, se demoraram mais nos possíveis significados da escarificação, pois concordavam que de todas as estranhezas daquela tragédia, aquela marca "Mt 13 39" era a mais curiosa, mas não chegaram à nenhuma conclusão.

Antes que chegassem ao hospital, o celular de Christopher tocou, Ramona atendeu ligando o viva voz:

— Ainda na floresta? — perguntou o capitão logo que foi atendido.

— Estamos indo para o hospital, mais vinte minutos chegamos — respondeu o detetive.

— Cheguem em dez. Samuel Murray já está ciente do que aconteceu com a namorada, soube pela televisão. Os pais dela também já sabem, estão aqui no departamento, Ralph e Timothy estão recolhendo os seus depoimentos, mas quero que vocês conversem com eles também — disse Jeremy, desligando em seguida.

Christopher acelerou.

Vincent acordou cedo, pois combinou com a namorada de que passariam o sábado juntos, a começar pelo café da manhã, que ele preparou antes mesmo dela chegar,que foi logo, pois ansiava por mais um dia agradável ao lado do namorado.

Eles também haviam programado um almoço na casa dele, para o qual convidaram a melhor amiga do casal, Adelle Potts Mercer, de forma que Donna ficou de ajudar o namorado a preparar o almoço para a amiga.

Ao chegar, Donna encontrou mesa posta, como sempre muito bem arrumada e abundante, tudo bastante apetitoso. Não se demoraram tomando café, pois Vincent mostrou urgência em tirar o vestido estampado de flores que ela usava, que embora cobrissem os seus joelhos, marcava sua silhueta perfeita, e que mesmo tendo um decote mínimo, seus seios chamavam muita atenção.

O clima esquentou enquanto ainda estavam à mesa. Vincent a pegou no colo e subiu as escadas, levando-a para o seu quarto. A colocou na cama com cuidado, sem esperar qualquer ajuda da parte dela, tirou a camiseta, a bermuda e os chinelos, subindo em seguida sobre seu corpo, amando-a com urgência.

Passaram a maior parte da manhã na cama, ora namorando, ora conversando. Donna estava deitada com a cabeça apoiada no ombro do namorado, quando ele abriu a gaveta do criado-mudo e apanhou o controle da TV, ligando-a. Procurou algum programa que interessasse aos dois.

Parou em um noticiário, pois reconheceu na reportagem a cabana no meio da Floresta Nacional de Angeles. A matéria não era ao vivo, dando a entender que tinha sido gravada horas atrás. O repórter informava a morte trágica e misteriosa de Christine Vonda Carter, além do ataque ao seu noivo, a extração do feto, que afirmavam ter sido feita por um profissional, e a marca deixada pelo assassino, Mt 13 39, que ninguém sabia o que significava.

Vincent se surpreendeu com os detalhes vazados na mídia, aquilo não devia ser nada bom para a polícia. Riu em pensamento ao lembrar do convite de Jaime Carter. Com certeza ele não vai mais querer uma reunião com ninguém na cabana, que pena, o lugar é mesmo o paraíso! — pensou.

— Que horror! Que monstro faria isso com uma mulher grávida? — indagou Donna desapoiando-se do ombro e do corpo de Vincent, se ajeitando. Sentou, prestando atenção na matéria.

— Notícia sensacionalista — comentou ele, sorrindo para ela.

— Acho que não, Today Los Angeles é um telejornal sério.

O Ceifador de Anjos: A Coleção de FetosLeia esta história GRATUITAMENTE!