Já fazia uma semana da festa na casa da praia, Claire suspirou, deixando claro que aquela sugestão feita por George, seu noivo, não estava lhe agradando nem um pouco. Eve estava terminando de arrumar o cabelo, mas a observava com o canto dos olhos através do reflexo do imenso espelho.

— Está chovendo, acho uma péssima ideia saírem. E creio que não vai gostar da companhia do Charles.

Eve mostrou-lhe um sorriso lento e malicioso, terminou de ajeitar os cabelos em um perfeito penteado, girou sobre os calcanhares e se aproximou de Claire.

— Não vou devorá-lo, fique tranquila. – Sussurrou Eve e por fim depositou um beijo na face rosada de sua irmã.

Claire fechou os olhos tentando relaxar, − o que seria impossível − porém a seguiu calada, Eve trajava um vestido cavado de tom vermelho, com corpete justo e saia rodada, e usava saltos de 15 cm pretos. Assim que ambas chegaram ao topo da escadaria, Charles praguejou em silêncio enquanto aguardavam, elas desceram os degraus de forma lenta.

Atravessaram o saguão e pararam, George fora o único a dizer alguma palavra, enquanto seu irmão permanecia calado a encarando, sem demonstrar nem uma reação.

Eve estendeu a mão na direção dele, - o pegando de surpresa - mas ao contrário do que ele aguardava, ela o entregou seu casaco de couro legítimo e continuou seus passos em direção à porta da frente, George segurou uma risada.

Assim que abriu a porta pôde notar o céu de cor âmbar escura, estava nublado, e trovões ribombavam a distância. Byron já estava os aguardando há quase meia hora, caminharam na direção da Mercedes, mas assim que os viu, abriu a porta do carro para que ambos entrassem.

Ele sentou-se de frente para ela, fazendo-a parecer ainda menor, permaneceram a metade do trajeto em silêncio, Eve cruzou ambas as pernas, notou um pequeno olhar, que fez surgir um sorriso espontâneo em seus lábios perfeitamente pintados.

— Você curte ópera? − perguntou Eve quebrando o silêncio.

Charles ajeitou-se sobre o macio banco de couro, desviando seus olhos para a janela.

— De forma moderada. − Respondeu em um tom sutil.

Únicas palavras que conseguiram trocar durante o trajeto, mas assim que Byron estacionou em frente ao belo teatro municipal de Boston, Eve sentiu um alívio. Não demorou para que o motorista abrisse a porta para ambos saírem. Charles fora o primeiro a sair do veículo, logo se virou e estendeu sua mão na direção dela, - que não recusou - Eve segurou-a, não pôde deixar de notar o quanto a mão dele era imensa e tão macia perto da sua.

Sorriu em forma de agradecimento, mas assim que avistou Michael parado junto à entrada em companhia de uma moça alta e de cabelos louros, rapidamente desfez o sorriso. Seria inevitável passar despercebida, rapidamente agarrou a mão de Charles, - que mesmo relutante aceitou - ambos caminharam na direção da entrada, ela mostrou um sorriso ácido e acenou, porém não fez menção de parar para cumprimentá-lo da forma devida.

Eve tinha comprado ingressos para os melhores acentos, os que ficavam no andar superior à direita do palco, Charles abriu a porta que dava acesso aos lugares e ela soltou um longo suspiro ao sentar-se.

— Mas que cretino, como pode estar aqui se nem gosta de teatro e quem dirá ópera? – resmungou ela ajeitando-se — Realmente não sei o que há com vocês homens, um dia são prestativos e no outro são tão cretinos.

Charles a encarou por alguns segundos, não disse uma palavra sequer, apenas deixou-a falar, – descontroladamente – balançou a cabeça e voltou seus olhos para frente na direção do palco. Alguns segundos depois ele sentiu a mão dela apertar a sua, fazendo-o se virar em sua direção.

Amor  Por AcasoLeia esta história GRATUITAMENTE!