Capítulo - 7

Começar do início

A batida da música entrava em suas entranhas fazendo-a dançar como se o mundo necessitasse daquela energia, seus corpos se moviam de forma lenta e sensual - efeito da bebida. Nathalie sabia como esquecer-se dos problemas. Assim que a música acabou o DJ não perdeu tempo e começou outra embalando aquela energia vital que fazia os corpos se moverem de forma enfurecida no centro da boate. Eve sentiu uma mão pousar em seu ombro fazendo-a se virar, um homem alto e visivelmente bêbado a interrompeu, a morena fez pouco caso de sua presença, segurou no braço de Nathalie e a arrastou na direção de um canto escuro.

- Preciso encher a cara. - Resmungou Eve aflita.

Nathalie caiu na risada e balançou a cabeça, sabia muito bem do que sua velha amiga necessitava, caminhou na direção do balcão, encurvou-se sobre ele e cochichou no ouvido do barman que em questão de segundos preparou duas bebidas e com uma expressão sarcástica no rosto estendeu para ambas.

- A vida! - disse a loura erguendo o copo com o líquido avermelhado.

Eve franziu o cenho, nunca fora santinha em sua vida. Mas afinal, quem se importa? A loura brindou e em apenas um gole tomou a bebida.

- Posso estar casada, mas céus estou viva! - comemorou Nathalie erguendo-se e desaparecendo na escuridão do lugar.

Enquanto Eve permaneceu sentada sobre o banco, apertou suas mãos contra o acento macio, podia ouvir a pulsação de seu coração na orelha e sua respiração ficar pesada. Quando se deu conta estava novamente no centro da pista dançando de forma frenética envolvida pela música. Nathalie enlaçou seu pescoço e ambas começaram a dançar, era como se o mundo não existisse naquele momento.

Ao se afastarem uma encarou a outra e caíram na risada, naquele momento, o lábio superior de Eve repuxou-se para cima de um jeito discretíssimo, caminharam em direção dos divãs que ficavam no canto próximo à saída de emergência. A loura sentia os músculos de suas pernas repuxarem.

- Estava mesmo precisando da energia deste lugar. - Confessou fazendo uma careta divertida para Nathalie. - Me sinto tão bem.

Nathalie pendeu a cabeça para trás e caiu na gargalhada, a noite apenas estava começando.

- Agora me fale, não está chateada por que ainda, sei lá, sente algo por Michael Bolton? - perguntou Nathalie distraída.

Eve fez uma careta de espanto, era óbvio que não sentia absolutamente nada por aquele cretino, apenas não queria estar no mesmo lugar que ele ou seu padrasto.

- Está louca?! - exclamou com uma expressão de espanto no rosto. - O que sinto por aquele desgraçado é ódio e apenas isso. - Respondeu com desdém.

- Okay, não está mais aqui quem perguntou. - Disse Nathalie erguendo ambas as mãos para o alto. - Só não vá matá-lo. - Concluiu caindo na risada.

- Engraçadinha. - Resmungou.

Nathalie franziu o cenho e mordeu os lábios. Eve arqueou a sobrancelha e praticamente engoliu o uísque que estava no copo.

- Só acho errado querer usar o pobre irmão do noivo como um motivo para causar ciúmes desnecessários em Michael, já que não gosta mais dele. - Apontou Nathalie.

- Quero vê-lo se autodestruir por dentro como fez comigo. - Resmungou a morena enquanto fazia uma careta. - Devemos dançar conforme a música e ninguém precisa saber desse fato, apenas você está sabendo, não vejo mal nisso.

Nathalie moveu a cabeça de forma lenta e virou o copo bebendo o restante de seu uísque.

- Ainda acho que tem que tomar cuidado. -Balbuciou Nathalie. - Pois esse seu joguinho não envolve apenas você e sabe que sou totalmente contra.

Amor  Por AcasoLeia esta história GRATUITAMENTE!