Capítulo 9

28.9K 2.3K 44




Quando chegamos na mansão dos McVay, caminhei para meu quarto. Eu estava completamente envergonhada com o que havia acontecido. Nós nos beijamos, eu beijei de volta, aquele estúpido. Mas que na hora estava carinhoso, sincero e bem comovido.

Não poderia acontecer novamente.. poderia?

Escutei o barulho de porta sendo fechada, deduzi que era Matt. Fui até a cozinha para comer alguma coisa, eu estava com uma fome de leão. Preparei um macarrão com carne para comer, depois de comer fui para a piscina.

***

  O vento fresco, deixava minha pele molhada refrescante. O sol me deixava quente o suficiente para não tremer do frio. A piscina estava deliciosa, Savannah iria adorar se estivesse aqui, imagino ela correr e saltar, como se a diversão fosse aproveitar o momento. Eu não poderia proporcionar uma vida melhor para ela, mas podia faze-la feliz com poucas coisas.

Sinto tanto pela minha mãe, por ela não ter tantas condições para faze-la uma princesa. Mas realmente era o que eu queria tanto para ela.

Judith apareceu com toalhas, sorrindo para mim.

— Não sei o que aconteceu mais o senhor McVay está tremendamente feliz - ela sorri e chega mais perto da borda da piscina. — Acredita que me trouxe as toalhas para lavar, em vez de joga-las no chão do corredor.

O que? Ele joga as toalhas no chão do corredor, que tipo de idiota faria isso? Bem parece que essa pergunta tem uma resposta óbvia. Matthew.

Sai da piscina e visto um roupão, Judith tenta me impedir, mas ele ouviria umas boas palavras! Subo as escadas, tão depressa que tenho que cuidar para não cair. Bato em sua porta, agressivamente, escuto um 'vai embora'.

Mas logo consigo abri-la, Matthew está sentado na varanda lendo um livro.

— O que você tem em mente? - pergunto derrubando o livro de sua mão.

— Na verdade eu queria ler, mas isso é impossível nessa casa - ele diz sem se importar com o que eu tinha feito.

— Não acredito, que você joga as toalhas no chão para que Dona Judith que é uma senhora, uma senhora Matthew, pegue para lavar - digo enquanto ele levanta da cadeira e começa a andar no quarto.

— e.. - ele ri diabolicamente.. — Não acredito que você entrou só de roupão no meu quarto.

Querida BabáOnde as histórias ganham vida. Descobre agora