19 - Reabilitação

53 5 0


- Sabe o que é que a gente está precisando? – Ele me pergunta lambendo os dedos por conta da pizza.

- Não... A gente precisa de quê? – Repito o gesto dele, só que estava triste por ter comido as minhas fatias rápido demais. A única coisa que pensava era que deveria estar comendo coisas gostosas todos os dias, mas acredito que ele estava falando em relação à nós dois. Parecíamos um casal de namorados em crise, só que o namoro era completamente unilateral.

- A gente precisa ter uma festinha, ou então a gente precisa ter um tempo para nós dois mesmo. – Lembrei da última festa que nós fomos. Aquilo havia sido o começo do nosso desastre. Tudo bem que eu já estava estragando tudo entre nós dois bem antes da festa, mas aquela noite havia sido realmente onde eu tinha colocado o pé na jaca. E, se isso fosse literalmente, seria uma sensação estranha. Acho que a sensação estranha da situação está comigo, pois eu ainda não sei como agir.

- Não quero uma festa...

- Ah, mas iria ser uma festa só comigo e com você – ele se levanta e vai lavar as mãos na pia da cozinha. Eu faço o mesmo, pois a minha mão estava ficando grudenta.

- Como?

- Quase como se fosse hoje. Eu, você, bebidas e uma música legal. A gente vai poder se embebedar sem medo e ainda por cima a gente vai poder conversar e rir sobre muitas coisas.

- Isso ainda é você tentando se desculpar comigo?

- Encare isso como uma reabilitação para nós dois.

- Certo.

Fui para o sofá e sentei. Olhei para ele e não consegui dizer não. Queria muito acreditar que isso iria ser a solução de tudo, mas uma parte lá no meu íntimo sabia que aquilo me dava esperança. Esperança de conseguir dizer o que estava sentindo por conta de todo o álcool que iria inundar a minha consciência. Lógico que isso também tinha tudo para dar errado, mas eu queria tentar. Acho que já fui longe demais com isso. A nossa amizade deveria ser mais forte e importante que todo esse sentimento desastroso. Ele sentou do meu lado e ficou esperando a minha resposta final.

- A gente precisa beber um pouco mesmo.

- Você aceita?

Essa pergunta quando aparecia nos contos de fadas ou um filme/livro de romance era sempre uma pergunta feliz. O cara perguntava para a sortuda se ela queria casar ou namorar com ele. Imagine a cena! Pássaros voam entoando canções de amor, o vento passa por eles trazendo o perfume das rosas e ela pula nos braços dele, dizendo que sim. Ela aceitava, pois eles estavam destinados a ficar juntos. Eles terminam a cena com um beijo desentupidor de pia, ou um bem água com açúcar – dependendo da classe etária.

Na vida real, o cara vai perguntar se você aceita beber com ele até que os dois fiquem bêbados e tudo termine em vômito.

Aí depois perguntam o motivo das pessoas não quererem encarar a realidade.

Entre um beijo e vômito, o que você escolheria?

Pois é.

- Aceito.

- Ótimo! A gente vai comprar as coisas já já – ele se deitou no sofá e colocou a cabeça no meu colo.

Continuamos a conversar enquanto eu passava as mãos nos seus cabelos.

Achoque podia encarar a realidade final. 

Como Deixar de Amar o Seu Melhor AmigoLeia esta história GRATUITAMENTE!