Capitulo Cinquenta e Três

62K 4.4K 467

Musica Tema: Monstros Internos (Hérica Ribeiro)

Emily

Abri os olhos lentamente, encontrando Luke sentado ao meu lado.

Ele brincava com meu cabelo, enquanto parecia estar a quilômetros de distância. Observei-o sorrir levemente, antes de se virar:

–É estranho ficar encarando alguém sem dizer nada, Em's. –

–Sério? –Perguntei debochada.

–Demais, porém, abro uma exceção para que você aprecie minha beleza! –Disse ele se virando para ficar de frente comigo.

–Sua cara de pau já está perdendo o brilho. –Disse rindo.

–Não sei do que está falando. –Disse ele empinando o nariz.

–Claro que não. –Revirei os olhos.

–Vamos? – Chamou se levantando.

–Para onde? –Perguntei.

–Para o infinito e além, Buzz Lightyear. –Disse com um sorriso.

–Para o infinito e além! –Disse me levantando.

Luke e eu havíamos criado uma espécie de código, onde "Para o infinito e além" era um rumo indeterminado.

Diversas vezes acabamos perdidos no meio de New York, odiando profundamente um ao outro por ter inventado toda essa coisa de "Para o infinito e além", mas rendia boas historias que eram marcantes e mais profundas que qualquer cicatriz.

Entrelacei nossos dedos e o vi sorrir, éramos uma dupla. Maluca e sem sentido, mas ainda sim uma dupla.

–Acho que por mais egoísta que isso soe, eu devo muito a seus amigos por ter te magoado. Sabe? Eu sei que foi um momento horrível, mas se não fossem eles, eu ainda estaria perdido, porque eu só me encontrei em você Emily. Uma garota maluca e irritante de cabelos azuis. –Disse ele enquanto caminhávamos pelo corredor.

Mas minha mente girava em palavras que contradiziam tudo de bom que eu ouvia sobre mim.

–Egoísmo talvez seja a palavra certa, mas você se encontrou sozinho, eu só te dei a mão e mostrei um caminho que você não tinha visto. Um caminho de volta para si mesmo. –Falei.

–Não. Você está sempre destruindo o que faz de bom pelos outros, arrumando desculpas para isso. Você precisa saber que no fim Emily, você acaba salvando meio mundo, mas nem percebe. Ou não se permite perceber. –Disse ele segurando meu rosto entre suas mãos.

Seus olhos azuis fixos aos meus, como os de Miguel, quando tentava me fazer entender que algo estava errado.

Miguel está morto.

Miguel está morto e nada vai mudar o fato de que a culpa é minha.

Quem vai ser o próximo? Luke? Math?

Afastei-me dele.

–Eu não sei dizer como seria minha vida agora sem você! –Disse ele.

–Normal. Sem problemas, sem abismos se abrindo debaixo de seus pés a todo instante. –Disse me afastando cada vez mais. –Eu não posso fazer isso com você. Com nenhum de vocês. Não posso permitir que acabem como ele. –

"–Ela matou o próprio irmão! Mas ela quem devia ter morrido!" –

–A verdade Emily, é que no fim, todo mundo que você ama morre, e veja, a culpa na maioria é sua. –

S.O.S Internato: A Marrenta tá na área!!!-EM REVISÃO ||LIVRO ÚNICO||Leia esta história GRATUITAMENTE!