Prólogo

352 66 47


Em meio á bruma podia ver o céu de um azul diferente, um azul brilhante e chamativo que tirava o brilho das estrelas e as faziam apenas existir. Braços pequenos e estranhamente muito fortes seguravam os meus, puxando-me sob aquele céu.

- Pare! Não deixarei que faça uma loucura dessas. – gritou o rosto angelical que segurava meu braço com tanta força.

Havia sons de lutas não muito distantes, parecia em meio a uma guerra. Espadas tilintando umas contra as outras. Gritos de feridos, gritos de vitória, gritos de otimismo. O desespero toma conta de mim, a agonia sufocando minha garganta e uma preocupação fora do normal.

Com uma força sobre-humana e que eu sabia não existir realmente em mim, livrei-me dos braços que me seguravam e empunhei a espada que se encontrava a minha frente, enquanto a vi balançar a cabeça freneticamente em negativa.

- Me desculpe! – sussurrei para ela, fechando os olhos apertados logo em seguida. Cheia de coragem fiz a espada atravessar-me num só golpe.

A dor aguda me fez cair em terra ajoelhada, meus cabelos castanhos quase cobrindo meu rosto. Pude erguer os olhos uma ultima vez para avista-lo ao longe me fitando atônito. A luz cegou minha visão por um instante e no momento seguinte a bruma se tornou densa e palpável. Até restar somente os olhos negros antes de tudo terminar.

De um sobre salto na cama, acordei com o suor escorrendo por entre alguns fios de cabelo, colando-os a minha testa. O mesmo sonho que me intrigava desde que começara. A pequena loira de rosto angelical me detendo, os olhos negros bonitos e fascinantes tão irreconhecíveis dentro das imagens espessas.

Passo a mão pelo rosto, afastando os cabelos dos olhos, e respiro fundo levantando-me da cama. Caminho até o banheiro me obrigando a esquecer tudo durante o dia, sabendo que seria lembrada novamente quando voltasse a dormir.

IntermédioLeia esta história GRATUITAMENTE!