25.

866 48 3


            "Luanna!" Ouço um grito a meio da noite que me arrepia, me faz acordar e levantar assustada. Reconheço a voz da Kate e de imediato acordo o Harry, que (vá se lá saber como) não acordara.

"Harry, levanta-te, vem comigo ter com a Kate-"

"Eu ouvi, Luanna, simplesmente não me quero levantar." Ele murmurou, virando-se na cama, ainda com os olhos fechados.

Apresso-me a chegar ao quarto da adolescente assim que o Harry me responde com a sua ignorância: é como se soubesse que ela estava a gritar por um pesadelo, como uma criança, e não por algo realmente grave.

Abro a porta do seu quarto, com algum nervosismo, e num ápice sou abraçada por ela. Arqueio a sobrancelha com o ato carinhoso dela e olho em redor, procurando o seu filho com o olhar – ele está deitado num berço, a dormir angelicalmente.

"O que se passa?!" Pergunto, afastando-a, uns segundos depois quando o ambiente começa a ficar pesado.

"Eu... Eu preciso de sair."

"O que queres dizer com isso? Tens de ir aonde? O que se passa?" Profiro, num tom baixo para não incomodar quem estava a dormir.

O Harry, as crianças, a Molly e o seu marido estão a dormir. Quer dizer, não sei se a minha irmã inevitavelmente acordou com o susto que eu apanhei mas com o sono pesado que ela tem, com certeza que neste momento continua presa no seu próprio sonho. O meu companheiro, ontem, quando os convidados foram embora, informou-me que ela iria ficar cá a dormir, pelo menos enquanto não regressasse a França – obviamente, não me importei nem um pouco!

"Sinto-me tão fraca e frágil, como uma boneca de porcelana." Ela murmura perto do meu ouvido, mostrando-me de seguida o seu braço, cheio de picadas que eu tão bem reconheço.

"Kate, tu não penses que eu vou sair contigo para ir a um bairro qualquer comprar-te porcaria. Tens que largar isso ou a bem ou a mal."

"Só hoje, Luanna. Largar os vícios é muito complicado, eu sei que tu tens noção disso. Vem comigo."

"Se eu te acompanhar, não te irei deixar consumir nada." Murmuro, para não incomodar os que continuavam a dormir e cubro o braço dela com a manga puxada da sua camisola quente.

Ela deixa-se cair na cama e cobre o seu rosto com as mãos, provavelmente envergonhada com a sua situação perante mim, que sou tão contra a autodestruições e apoio totalmente os direitos civis.

Aproximo-me dela e suspiro, encarando a sua figura, tão frágil e tão nervosa, como se tivesse sido (e acreditem, não é nenhuma hipérbole) abusada.

"Pensei que fosse mais fácil, pensei que o meu corpo fosse resistir à tentação de uma simples picada. Serei tão fraca assim, ao ponto de não conseguir desautorizar uma dose ao meu corpo? Não terei iniciativa? Pondero isso tantas vezes. E não sabes, o quão grata estou, se não fosses tu, talvez já nem o Jacob tivesse comigo. Eu irei conseguir, quer dizer, tenho que conseguir. Mas necessito de só mais uma. E não posso ir eu, eles já me conhecem, e juraram não me vender mais nada. Preciso de alguém."

Após alguns momentos de desnecessária reflexão, apercebi-me do erro que estava a cometer em manter esta rapariga em minha casa – não estou de todo arrependida, mas começo a dar razão ao Harry, ela vai dar-me bastantes problemas; problemas que eu não estou habituada a lidar, e tenho medo que isto separe a minha família.

"Não irei, Kate. É a minha última palavra." Profiro e caminho lentamente até à saída do quarto, sem esperar que ela fosse dizer mais qualquer coisa.

Para minha surpresa, o contrário ocorreu. "Mas eu preciso de ir. Fica com o Jacob enquanto estou fora." Assim que ouço as suas palavras, abafo um suspiro e um monte de palavrões que em conjunto iam e pego no menino dentro do berço.

Levo-o no meu colo até ao meu quarto onde Harry estava a ver televisão, aparentemente.

"Para quem estava cansado..." Ironizo e sento-me ao lado dele, com o pequeno menino ainda no meu colo a dormir sossegadamente.

A Felicity não era assim tão calma. Céus, eu lembro-me das minhas noites horríveis, do choro que me sufocava a alma e da ajuda preciosa da minha mãe. Talvez os meus pensamentos fossem diferentes de agora porque já tive uma experiência perfeita e incrível; e mal posso esperar para ver a criança dentro de mim sorrir pela primeira vez e conhecer a sua irmã.

"Tomaste uma boa posição perante a rapariga." O meu subconsciente é interrompido pelo meu noivo que continuava a fazer zapping, enquanto eu apenas o encarava, duvidando do que ele poderia estar a referir-se.

"Ouviste a minha conversa com ela?" Pergunto, acariciando o rosto do Jacob.

Ele assentiu e por fim desligou a televisão, bufando de seguida – provavelmente em frustração pois a esta hora nada de jeito está a dar. "Deixa-me lá ver o menino." Pronuncia, depois de ligar a luz do pequeno candeeiro pousado em cima da mesa-de-cabeceira. Passo a criança para os seus braços, sem parar de acariciar as suas bochechas gordinhas e adoráveis.

Amo a forma como o Harry olha para o bebé como se fosse um filho dele e reconhece o seu próprio brilho no olhar.

"Imagina só, minha Luanna, quando for o nosso próximo filho." Arregalo os olhos ao ouvir as palavras doces do meu companheiro que continuava a sorrir para o pequeno. "Eu gosto de os ver crescer, e arrependo-me tanto de não ter acompanhado o parto e os três primeiros meses de vida da Felicity. Porém, fico feliz por vos ter recuperado e por ser um homem tão bem concretizado a nível profissional e familiar. Este é o planeamento familiar que eu nunca pensei que fosse concretizar-se tão rápido mas olha, eu estou feliz, de tal maneira que tenho estado para te perguntar algo há muito tempo..." Encaro-o, surpreendida com o gesto carinhoso. "Quando vamos casar?"

"Oh, Harry... Provavelmente quando regressares da tour. Vai ser rápido, eu sei."

"E se até lá o nosso compromisso amoroso quebrar?"

"Eu prometo que isso não irá acontecer."

"Prometes?"

"Prometo."

\\\///

SAUDADES DA FANFIC??? EU SEI, EU SEI, TAMBÉM TIVE SAUDADES DE ESCREVÊ-LA! PORÉM, school stuff \\\:

no entanto, cá estou eu novamente, pronta para continuar a jornada da Teen(ager). BTW, tysfm pelas +100K visualizações na Teen Mom! isto é um sonho!

ADICIONEM A AGLIOPHOBIA À VOSSA BIBLIOTECA, VAI SER EXTRAORDINÁRIA!

vote, comment and follow me, please darling.

Dear Me

HANNA.

Teen(ager) - h.s {sequela TM}Leia esta história GRATUITAMENTE!