2- Falando grego

4K 325 9

Na correria aqui, o que significa que o capítulo não foi revisado. Peço desculpa desde já por qualquer erro... Prometo corrigir assim que der. Beijão 💋💋💕

NOAH NARRANDO

Completamente ferrado. Essa é minha definição há vários meses já. Aquela bandida loira me atraiu de uma tal forma, que me tornei um idiota total. Ela pirou na primeira vez que transamos. Na verdade, ela piorou só no dia seguinte, pois não lembrava de nada. Ficou puta comigo, espumando pela boca. Não tive culpa, ela sugeriu que começássemos a beber, eu só segui o fluxo. Luna estava pra lá de bêbada, mas eu não estava tão mamado assim. Lógico que eu enxergava as coisas meio duplicadas, mas tinha um pouco de noção do que estava fazendo.

Eu sei, sou um tremendo babaca. Sei disso agora. Mas em minha defesa, não tive como resistir ao beijo daquela loirinha. Sim, foi Luna que me beijou da primeira vez. Aposto que ela não lembra desse detalhe, mas é a verdade. Aconteceu logo depois que começamos a dançar como loucos, no gramado do jardim da casa de praia. Ríamos como dois retardados e dançávamos uma música imaginária. Certo momento, ela puxou minha gravata e depositou um beijo calmo em meus lábios. Fiquei meio sem reação no começo, afinal estava surpreso e também bastante alterado, mas logo correspondi.

Agarrei sua fina cintura e aprofundei a merda daquele beijo. A partir daí, vocês já sabem o que aconteceu. Seguimos para o meu quarto, nos despimos em tempo recorde e rolou. Mesmo não lembrando 100%, posso dizer que foi bom pra cacete. Fiquei louco quando botei minhas mãos em sua pele quente e macia. O cheiro de seus cabelos me embriagavam ainda mais e o gosto de sua boca era melhor que já provei. Não foi apressado como vocês imaginam. Foi calmo, um ritmo perfeito. Quando terminamos, ela me olhava estranho. Meio fora de foco, mas profundamente.

Os olhos azuis de Luna me prenderam e eu me aproximei um pouco. Pensei ter visto algo mais ali, mas ela apagou meio segundo depois. Fiquei remoendo o que aconteceu por um tempo, mas a bebedeira e o cansaço falaram mais alto e também desmaiei. Acordei com os berros dela, logo de manhã. Obviamente não se lembrava de nada, e mesmo não sendo culpa dela, aquilo me incomodou. Tomou um banho de dois minutos e fugiu do quarto, de toalha mesmo. Naquele momento percebi que nem havia me apresentado ainda e gritei meu nome. Nada.

De madrugada antes de dormirmos, consegui pegar o celular dela e salvei meu número nele. Ainda com o aparelho na mão, liguei para mim mesmo, salvando o número dela. Ainda bem que fiz isso, por que a filha da mãe sumiu depois do que rolou. Passou um tempo, acabamos nos encontrando numa balada e rolou de novo. Dessa vez, ambos estávamos bem sóbrios. Na terceira vez, me surpreendi ao receber uma mensagem dela. Luna queria me encontrar num lugar e fui. Acabamos na cama novamente.

Dessa vez foi ainda melhor do que as outras duas. Foi mais carnal, mais desejoso. Durante todo o tempo, mantive meus olhos grudados nos dela. Ela foi embora logo depois e tive vontade de vê-la novamente. Certo dia, liguei pra ela, com o intuito de marcar alguma coisa. Luna negou. Quando perguntei por que, simplesmente me respondeu que estava indo para Paris e que não sabia quando voltava.

Fiquei extremamente confuso e frustrado. Como assim ela iria embora assim? Como alguém programa uma viagem grande como essa e não conta? Minha frustração aumentou quando mandei uma mensagem e Luna disse que já estava lá. Consegui manter a pose por algumas semanas, mas não sei por que, um sentimento de saudade começou a bater. Tinha vontade de vê-la de novo, tê-la em minha cama.

Sabia que ela não voltaria tão cedo, então comecei a ir atrás dela através de mensagens, e-mails e até redes sociais. Ridículo, né? Mas encontrei seu facebook sem querer. Micaela acabou criando um e me mandou solicitação. Aceitei, obviamente e vi a loira em seus amigos. Achei humilhação demais enviar uma solicitação de amizade, então aproveitei que sua página não era privada, podia ver suas fotos normalmente. Maldita hora. Luna postava coisas quase que diariamente, para minha tortura. Havia fotos de desfiles, eventos variados e puta merda...Selfies.

A Paixão Acontece - Trilogia SchneiderLeia esta história GRATUITAMENTE!