Capítulo seis

677 64 0

Rodrigo

Quando ela abriu aquela porta senti meu coração bater igual um garoto de 12 anos que se apaixona pela primeira vez.

E quando ela me cumprimentou dando um lindo sorriso,minha única vontade era beija-lá, não estava mas aguentando ficar por perto e ter que agir naturalmente. E pelo oque percebi ela ainda não tinha me reconhecido,mas por pouco eu não me entrego, quase à chamei de Cissa mas me corrigi a tempo dela perceber.

Depois que Cecilia disse que Bel teria alta fiquei aliviado, mas um pouco triste pois não à veria tão cedo. Mas oque eu menos esperava era que Edu apareceria aqui. Depois de tantas coincidências eu já estava achando que isso era realmente coisa do destino. E sem esperar outra coisa ele me reconheceu, só fiquei surpreso que Cecilia não esboçou nenhuma reação quando ele disse quem eu era. Acho que apenas eu ainda sentia alguma coisa, e também não era de se esperar já que faz tanto tempo, com certeza ela já tem alguém.

Depois que Edu se foi com a promessa de nós nos encontramos para relembrar os velhos tempos, fui ver se Bel já estava pronta. Fiquei sem reação ao ver Cissa abraçada a Bel,e percebi o quanto as duas são parecidas, quem as vissem juntas diriam que era mãe e filha .

Talvez isso poderia ser verdade se eu não tivesse ido à aquela maldita festa. Deixei meus arrependimentos de lado e chamei Bel para irmos embora,pois ficar ali só aumentaria toda essa confusão em minha cabeça. Antes de ir pensei em dizer algo para ela, mas as palavras não saíram,apenas me despedi dela dizendo seu apelido e ela fez o mesmo, mas antes de cruzar a porta de saída Bel parou para acenar para Cecilia.

Então vi aqueles olhos esverdeadas cheios de lágrimas,da mesma forma que estavam na última vez que à vi, fazendo minha confusão em relação a ela só aumentar.

********

Os dias foram passando mas as lembranças de Cecilia não deixavam minha mente,era difícil entender oque realmente eu estava sentindo, achava que era apenas gratidão mas não,nem estando longe eu não conseguiu deixar de sentir algo por ela. Será que eu sempre há amei e só agora tomei conta disso?.

Pelo menos Bel estava cada dia melhor, nem parecia que esteve doente, tudo isso graças às recomendações de Cecilia, devia muito a ela e pelo menos os gastos que ela teve com minha filha iria pagar,nem que para isso tivesse que varar a noite trabalhando na oficina do qual era social com meu pai .

_ Rodrigo venha até aqui um estante! Meu pai disse me tirando dos meus pensamento.

_ Algum problema pai? Perguntei limpando minhas mãos sujas de graxa.

_ Sua mãe me disse,que você está tentando arrumar dinheiro para pagar a doutora que atendeu Bel.. então meu filho você não precisa se preocupar mas ta aqui o dinheiro!._ Meu pai disse me deixando surpreso.

_ Pai não posso aceitar seu dinheiro!

_ Esse dinheiro não é só meu filho, você também ajudou a ganhar...não é grande coisa,mas dá para pagar uma parte,aceita.

_ Tudo bem senhor Joaquim! Mas é só um empréstimo! falei abraçando meu pai.

Apesar de tantas reviravoltas que minha vida teve, sou uma pessoa sortuda por ter uma família tão maravilhosa,que sempre está disposta a ajudar um ao outro quando precisa Depois da conversa com meu pai, decidi ir até o hospital para entregar o dinheiro a Cecilia. Sei que vê-lá novamente não será nada fácil, mas devo fazer o que é certo.

Quando cheguei me dirigi a recepção,e estar ali me fez sentir todas aquelas sensações novamente.

_ Por favor eu queria falar com a doutora Cecilia Albuquerque. Disse a secretaria.

_ Desculpe senhor mas a doutora Cecilia não trabalha mas aqui!

_ Você ter certeza, pois só faz duas semanas que minha filha esteve aqui sendo tratada por ela! Falei surpreso.

Ela apenas confirmou, então resolvi ligar para Edu, ele poderia me esclarecer tudo oque havia acontecido. Depois de ligar para ele combinamos de nos encontrar numa lanchonete perto de sua casa, já que hoje ele estava de folga.

_ E aí Rodrigo,tudo bem? Edu me cumprimentando.

_ Eu estaria melhor se não fosse a notícia que acabei de saber. Falei me sentando.

_ E do que se trata? Talvez posso ajudar você amigo!

_ E pra isso que ti chamei aqui!...fui até o hospital procurar Cecilia, e fiquei sabendo que ela não trabalha mas lá, queria saber se foi por ela ter me ajudado. Falei vendo a expressão de Edu mudar.

_ Como posso dizer isso pra você amigo!...infelizmente sim, o idiota do diretor administrativo não deu nem chance dela se explicar...e a demitiu. Edu disse,fazendo com que eu soca-se a mesa de raiva, chamando a atenção de algumas pessoas.


_ Calma cara, se exaltar não vai adiantar nada...e além do mas Cissa já arrumou outro emprego, vai atender e lecionar no hospital da Universidade que estudamos. Edu disse me deixando aliviado.

_ Pelo menos isso!...acho que eu só trouxe problemas para ela dês de que nós nos encontramos!

_ Eu acho que não amigo! Cecilia sempre foi assim, gosta de ajudar e não se importa se isso irá lhe prejudicar...se não fosse com vocês, seria qualquer outro pessoa.

_ É, e isso que me faz achar ela um mistério,...por um lado ela é tão tímida e do outro tão forte e determinada. Falei rindo.

_ E pelo que vejo você ainda gosto dela,ou estou enganado? Pergunta Edu.

_ Pois é, com o tempo eu achei que era apenas uma paixão de adolescente, mas agora mesmo depois de oito anos, vê-lá de novo...vez tudo voltar mas forte ainda!

_ É oque você está esperando para ir atrás dela?...você não vê que a vida está ti dando uma segunda chance Rodrigo!

_ Não, não posso!...oque tenho pra oferecer pra ela!...enquanto ela é uma grande médica com um belo futuro profissional, eu sou um mecânico de fundo de quintal e ainda pai solteiro!...e acho que ela não senti e nunca sentiu nada por mim! Falei triste.

_ Pois eu acho você está enganado!...eu acho sim que ela senti algo por você! Edu disse tentando me convencer.

_ Mesmo assim, acho melhor deixar como está!...mas mudando de assunto,eu queria ti pedir um favor, poderia entregar isso pra Cecilia. Falei entregando o envelope.

_ E do que se trata?

_ E uma parte do dinheiro pela internação da Bel, antes de sair do hospital eu me informei o quanto havia ficado.

_ Conhecendo a Cissa como conheço, ela não irá aceitar esse dinheiro, e bem capaz de ficar ofendida por isso!

_ Bom mas isso é o certo a se fazer, não quero dever nada pra ela, e assim que eu penso!

_ Tudo bem amigo, só espera que eu sobreviva depois de entregar isso à ela! Edu disse me fazendo rir.

_ Então até logo Edu, infelizmente a oficina me espera. Disse apertando a mão de Edu.

_ Até logo Rodrigo,e vê se não some! Edu disse retribuindo o gesto.

Depois da conversa com Eduardo voltei para casa, e retornei ao meu trabalho na oficina. Isso era a única coisa que me fazia esquecer meus problemas,talvez agora minha vida retorne oque era antes. Depois que terminar de pagar Cecilia, não terei mas nenhuma ligação com ela,e tudo ficará no passado.

Mas acho que nem assim esquecerei aqueles olhos esverdeados e aquela boca que nunca beijei! ....................................

Destinos Traçados (completo) Leia esta história GRATUITAMENTE!