Imai Infinito - parte 3

33 3 0

007

Imai Infinito - parte 3


          Em uma situação normal, eu não teria nenhum problema em dormir dentro de uma escola abandonada. Na verdade, eu não me importo muito onde durmo, contanto que eu durma bem.

          Mas.

          Nesta situação, na situação onde eu e Koa ficamos presos em um ciclo infinito ao redor de uma escola caída aos pedaços e que, por um ato que desconheço, voltou a ficar como nova em um instante é uma loucura.

          — Ei! Você é Hamada Hasumaru? — perguntou Koa, enquanto movia sua mão na minha frente.

          —... O quê?

          — Consegue me ouvir? Oi, sou eu, o cara mais simpático do mundo.

          — Chega. Posso estar sonolento, mas não com amnésia.

          — Para mim são a mesma coisa.

          — Por que você quer comparar duas coisas como se comparasse banana e maçã?

          — E ambas não são frutas?

          — Sim. Não. Digo, são frutas, mas são distintas.

          — Não vejo diferença alguma, apenas possuem nomes diferentes e cores diferentes, mas estão catalogadas no mesmo grupo.

          — Está ouvindo o que está falando?

          — Perfeitamente.

          — Está dizendo então que uma banana possui o mesmo valor que uma maçã?

          — Exatamente. Ambas são frutas, não é?

          — Não totalmente, uma é rica em potássio, e a outra possui excesso de vitamina A. Isso já é o suficiente.

          — Novamente. É a mesma coisa, ambas são frutas, blá, blá, blá. Ambas possuem vitaminas, blá, blá.

          — Esqueça. É inútil. Você realmente é um idiota.

          — Hey! Que porcaria você acabou de falar de mim?!

          Droga.

          — Que mudança de atitude foi essa?

          — Você já usou esse adjetivo. Seja mais criativo.

          Então era isso? Pensei que ele ia socar meu rosto até sair por aquela janela, o quão surreal esse cara pode chegar a ser? Há diversas formas corretas de acordar pela manhã, mas sem dúvidas essa não é uma delas.

          Claro. Isso se você dormiu para início.

          — Então? Você não dormiu, não é?

          — Acha mesmo que eu conseguiria dormir aqui?

          — Eu consegui.

          — Você é estranho.

          — Não sou estranho! Enfim. Você teria dormido bem se tivesse conseguido algum dinheiro.

          — Prostituição de novo? E você, por que não tenta em vez de mim?

          — Eu?! Não, eu não...

          — Ah, vamos! Você seria uma bela pros-ti-tu-ta.

Zokugatari: ExodusLeia esta história GRATUITAMENTE!