Amor Vampiro - 4 de 4

245 21 0
                                                  



Acordei na noite seguinte com algumas batidas leves na porta de meu quarto, Suellen ainda estava dormindo ao meu lado e também se acordou com o barulho. Então apenas coloquei as calças e fui atender. Era apenas uma empregada avisando que Marie estava querendo ir embora e estava à espera de Suellen.

Nos arrumamos e já na sala, mesmo com cara de quem recém havia acordado, foi difícil esconder a expressão de felicidade. Georg estava junto de Marie que ao nos ver, foi novamente gentil e apenas me perguntou se estávamos com muito sono. Acabei lhe respondendo que meu sono era pesado e que precisava de mais alguns instantes para voltar à realidade. Depois ela apenas sorriu, agradeceu a Georg pela hospitalidade, pela rápida resolução de seus problemas e as duas partiram. Pensei em dar um beijo em Suellen, mas lembrei das formalidades e apenas beijei a sua mão desejando uma ótima noite. Ela agiu formalmente da mesma forma e apenas consentiu com a cabeça.

Depois que elas saíram, Georg comentou rapidamente, pois também estava de saída:

- Meu filho precisamos conversar sobre esse seu romance inesperado. Por hora estou de saída, mas vá para teu trabalho e nos falamos quando voltardes.

O barão estava com a expressão tranquila, mas mesmo assim havia me deixado com um pé atrás diante de suas palavras. No fim acabei não dando tanta importância para o que ele havia me dito, arrumei-me e fui para o trabalho, afinal naquela noite eu teria uma reunião importante com alguns fornecedores.

Passei a noite resolvendo os problemas dos fornecedores, que além de tudo reclamavam do horário da reunião. "Tão tarde da noite", diziam eles. Nestes momentos era sempre difícil arrumar desculpa, porém como eu estava acima deles e pagava bem, tudo era resolvido. Mal tive tempo de pensar em Suellen, porém na volta para o castelo eu estava decidido a me aproximar mais daquela bela jovem, que além de tudo havia capturado meu coração como nenhuma outra havia feito antes. Ok, Helga havia mexido muito comido, mas sempre foi mais amiga, que amante.

Chegando ao castelo, quando já estava próximo o amanhecer, fui avisado por um dos empregados que Franz e Georg me aguardavam na sala de reuniões principal. Mesmo antes de encontrá-los eu já ouvi ao longe as risadas e pelo visto as notícias seriam boas. Tanto que ao perceberem minha presença, Georg foi logo dizendo:

- Quer dizer que temos um Wampir apaixonado rondando o castelo? Sabes meu jovem, já passei muitas vezes por isto que estais passando, e por hora só tenho a te dizer para aproveitar ao máximo aquela beldade!

Franz mal deixou Georg terminar de falar e já emendou mais um de seus gracejos:

- Isso mesmo "maninho", aproveite as doçuras que somente uma filha da casa de Marie pode te oferecer!

Achei graça do que me disseram, porém tratei de me defender como pude.

- Calma, calma eu confesso que gostei muito de Suellen, mas vamos devagar senhores. Preciso saber mais do tal Achaïkos, antes de qualquer piada infame.

Então Georg se prontificou a me acalmar:

- Mancebo aquele velho é muito sábio, possui muitos poderes, mas todos sabem que ele é apenas um ranzinza mal-amado. Se quiserdes converso com ele sobre vós, o que achas?

Era o que eu precisava para ficar livre de tal criatura tenebrosa. Então consenti e agradeci tal ajuda e continuamos a conversa. Ambos estavam felizes aquela noite, pois Georg finalmente havia conquistado Marie e com isso ganhara muitos aliados à sua causa. Aliás, foi sobre essa causa de Georg que conversamos aquela noite.

Joseph e Eleonor, que estavam caçando, chegaram logo em seguida e o papo foi até boa parte do dia. Onde Georg nos falou sobre os planos de espalhar ao mundo a existência dos Wampir e fora a primeira vez que havia pensado de uma forma diferente, sobre o que ele julgava ser algo bom.

Naquele momento eu me lembrei de Suellen e fiquei imaginando se os humanos não seriam agressivos diante de nossa aparição. Se os Wairwulf ou até mesmo as bruxas e outros seres que tivessem ligações com as forças malignas entenderiam também. Então argumentei isso com eles.

Joseph apoiou minha preocupação, mas pela primeira vez vi Georg bravo comigo:

- Mancebo, tu estás há pouco tempo conosco, ainda tens muito a aprender sobre tudo e por hora não quero que opines sobre isso, apenas nos escute e atenda aos meus comandos.

Naquele momento não entendi por que Georg havia ficado tão bravo e então me contive. Eleonor me olhou com cara de pena e Franz ficou bravo, como se estivesse apoiando o empolgadíssimo Georg.

Mais tarde amanheceu, eu estava sem muito sono em meu quarto e fazia aquele procedimento chato de "apontar" as penas de ganso, com a intenção de escrever meus pensamentos em algumas folhas soltas. Quando suavemente e sem bater Eleonor entrou e se aproximou de mim. Como estava concentrado, apenas aguardei sua entrada e deixei que ela tomasse a iniciativa da conversa.

- Ferdinand querido. Fiquei muito triste ao ver a forma no qual o Barão te tratou hoje. Eu passei pela mesma situação anos atrás, quando deixei claro que não queria apoiar tais procedimentos. Acredita que até hoje ele me deixa de fora de alguns negócios? Além disso, eu preciso te confessar... tenho muito medo do que possa acontecer conosco, se todos souberem quem somos, como somos e principalmente onde estamos.

Compreendendo melhor o que ela dizia e vendo que eu partilhava de ideias muito parecida, eu parei a escrita e lhe confidenciei meus pensamentos.

- Confesso também, que até hoje eu estava muito empolgado e apoiando todas as ideias do Barão, mas quando ele me mostrou os próximos planos de ação... (refleti por um tempo) eu me lembrei das conversas que tive nas últimas noites com Suellen e fiquei preocupado...

Então ela me interrompeu dizendo:

- Está gostando mesmo daquela Wampir?

- De alguma forma ela mexeu comigo, sabes? Quando estamos juntos o mundo inteiro parece diferente e desde o momento em que os nossos olhares se cruzaram, eu tenho muita vontade de passar todo o meu tempo com ela. Talvez por isso esteja preocupado com as ideias de Georg e hoje resolvi pensar nisto tudo de uma forma nova, talvez com mais atenção aos detalhes

- Bom Fê, acho que vais arrumar para tua cabeça e tome cuidado com a forma que irás falar isto para ele, pois talvez te entenda de forma errada. Ou te deixe de lado como faz comigo....

- Obrigado pela preocupação. Tu és também muito importante para mim e saibas. Já faz um tempo que a considero mais que apenas uma amiga...

Então ela me interrompeu dizendo:

- Hey, tudo a seu tempo! Nunca esqueças que leio pensamentos...

Entãoela me deu um beijo no rosto, deu bom dia e foi para o seu quarto. Fiqueipensando, escrevendo e refletindo por mais algum tempo, até que o sono não me deixavamais pensar e fui para cama.X

Leia este e outros relatos, contos e histórias em meu site: http://www.vampir.com.br
Caso tenha curtido, por favor clique na estrela aqui em baixo 👇
Du bist mein Herz!

Ilha da MagiaOnde as histórias ganham vida. Descobre agora