SENTENÇA CORRETA - CENA 10: CONVITE SIM

2.4K 76 1

Engolindo todo o ar que podia para ver se conseguia arquitetar uma resposta, ela contentou-se em balançar a cabeça afirmativamente. 

Alex sorriu para ela, capturando sua mão com a dele e arrastando-a pela boate, por entre as pessoas que dançavam e se pegavam na pista de dança. Juliana achava que estava sendo guiada até a saída, quando Alex pegou um desvio e entrou com ela no banheiro masculino. 

Juliana segurou uma expressão de horror e uma de admiração, curiosa ao reparar os mictórios, mas isso foi apenas por um segundo antes que ele a enfiasse em um boxe junto com ela, trancando-o e atacando seus lábios em um beijo fervoroso. 

O banheiro não estava silencioso – pelo barulho, outros casais haviam tido a mesma ideia que eles -, mas isso não os atrapalhava. Na verdade, para Alex, ter outros casais transando logo ali do lado apenas o excitava ainda mais. 

Eles estavam ligeiramente com pressa, já que haviam passado um bom tempo em preliminares vestidas em um canto escuro da boate, então Alex nem se deu o trabalho de despí-la, apertando-lhe os seios descaradamente por cima do vestido e puxando-os para fora, mordendo sem dó. 

Percebendo sua pressa e espelhando seu desejo, ela abriu o zíper dele e isso foi a gota para fora do copo. 

Juliana viu-se sendo deitada sobre a tampa do vaso, suas pulsos unidos e presos em uma das mãos de Alex, enquanto ele se ocupada em colocar seu membro para fora, sem nem se dar o trabalho de retirar a calça ou a cueca. Feito isso, colocou a calcinha dela para o lado e, encaixando o polegar no encontro de seus grandes lábios, penetrou em uma só vez, fazendo-a arquear as costas e lutar contra sua mão para que a soltasse. 

Ele continuou investindo, uma mão segurando seus pulsos e a outra na cintura da garota, forçando-a cada vez mais forte de encontro ao seu membro. Ela não estava confortável; A posição, o impedimento e o zíper da calça roçando em sua vagina de momentos em momentos, o que ela estava preocupada que acabasse causando algum ferimento que ela teria que colocar pomadas por um dia.
Não estava satisfeita, longe disso. Era uma foda de boate, algo apenas carnal e insatisfatório, mas ela decidira ir até ali, então era bom que aproveitasse um pouquinho mais. 

A garota, decidida em ter um pouco de prazer, apoiou seus pés na porta, sustentando um pouco seu corpo e deixando com que ela fizesse alguns movimentos contra o garoto, que imprensou a com mais força, fazendo com que sua cabeça batesse na parede e ela acabasse em uma posição ainda mais desconfortável que antes. 

Ela bateu com os pés na porta do box, fazendo barulhos suficientes para que Alex parasse o que estava fazendo. 

- Você está maluca? – Ele perguntou-a. Ela arqueou as sobrancelhas e, só então, ele percebeu a posição que ela estava e puxou-a de encontro a ele, soltando suas mãos e equilibrando-a em seu colo. – Desculpe. As vezes, eu me empolgo um pouco. 

Ela riu, aliviada, beijando os lábios dele por alguns segundos, apertando suas unhas contra a camisa fina dele e sentindo suas mãos em sua cintura, guiando-a em uma movimentação mais confortável e deliciosa. 

Ela gemeu, levemente, contra os lábios dele e ele mordeu-lhe o lábio inferior, sugando e puxando para si. 

- Espere – Ela sussurrou. – Escorregou suas mãos pelo peito dele e abriu-lhe o botão da calça, fazendo com que ela deslizasse para o chão. – Bem melhor. 

Ele riu, beijando-a mais uma vez. Girou com ela, encostando-a na porta e voltou a se movimentar com força contra ela, fazendo-a gritar. Alguém, no box do lado, bateu na parede e gritou algo como "manda a ver!" que os fez rir por um segundo, mas juntaram seus lábios em urgência, logo a seguir, concentrando-se em movimentos e sensações muito mais importantes naquele segundo. 

Devido a situação, a garota acabou não alcançando seu orgasmo antes que Alex esgotasse em prazer e gozo, mas fora prazeroso e delicioso mesmo assim. 

E mesmo depois de cansados e terminados, Alex se sentou no vaso com ela em seu colo, ainda encaixada nele, e eles ficaram assim por minuts a fim, se beijando e se curtindo até que o guarda passasse pelo banheiro para expulsá-los ao fim da balada.  

Contos Eróticos... Ou quaseLeia esta história GRATUITAMENTE!