Vinte

5.8K 470 111

Naquela manhã, Lívia acordou mais tarde do que de costume. Estava com frio, mesmo sabendo que lá fora, o sol brilhava como nunca. Seu corpo todo ardia e agora, ela tinha certeza que realmente estava com ensolação. Se levantou, relutante, e foi até a cozinha.

— Alguém? - Ela perguntou, vendo que a casa estava completamente silenciosa.

— Eles sairam, querida - Lúcia apareceu na porta da cozinha, fazendo Lívia pular de susto.

— Onde eles foram?

— Levar o Rafael até o aeroporto.

Lívia sentiu seu coração palpitar. Como ele tinha tido a coragem de ir sem nem falar 'tchau' pra ela?

A menina saiu correndo, batendo os pés e foi até seu quarto. Pegou seu celular e começou a digitar:

"Então é assim? Você fuça na minha vida toda em uma semana, me leva pra sair, lê o meu diário, diz que sente o mesmo, tem coragem até de ficar com ciuminho de mim, e vai embora sem dar nenhuma satisfação? Por que diabos você não me avisou que iria embora hoje quando me falou que sua mãe tinha comprado sua passagem?

Quer saber Rafael, foi bom mesmo que você tenha ido, assim quem sabe eu aprendo que vocês, no fundo, são todos iguais."

Ficou um pouco arrependida por ter falado de maneira tão grosseira com ele, mas tratou de  tirar esses pensamentos da cabeça, e no calor do momento, bloqueou Rafael. Não queria que ele inventasse qualquer desculpinha, pois sabia que ela iria ceder.

❄❄❄

— Lívia, você tem que sair dessa cama! - Gabriela dizia, já perdendo a esperança de que isso aconteceria.

— Eu não quero! - A menina se enrrolou mais ainda debaixo das cobertas.

Lúcia apareceu na porta, segurando uma bandeja. Não demorou muito para que ela estivesse sentada ao lado da morena, na cama.

— Lívia, deixe-me ver se você está com febre. - Ela não esperou resposta, apenas colocou o termômetro na menina.

— Sim, eu estou com febre. uns 40 graus lá fora, e eu estou aqui debaixo desse edredom.

— Caramba, a única coisa que está marcando 40 graus aqui, é o termômetro! - A mulher estava preocupada. - Tome esse remédio aqui.

A menina fez uma careta, mas mesmo assim, pegou o comprimido, e engoliu, com a ajuda da água que Lúcia tinha levado. Chegou a conclusão de que talvez ela também estivesse com dor de garganta.

— Agora coma - a mulher esticou a bandeja para colocá-la em cima de Lívia, mas a menina negou com a cabeça. Não queria comer.

❄❄❄
E

m quanto isso, há muitos quilômetros de São Paulo, um certo rapaz chamado Rafael tentava desesperadamente falar com a morena. Mensagens, ligações, sms. Tudo era em vão.

Queria só se explicar, mostrar que não era igual àquele babaca.

❄❄❄

[N/A]: Eu tô é morta. Essas 3 noites de carnaval já deram conta de me derrubar ksksk mas eu vou ter que reunir o restinho das minhas forças para ir mais hoje! Pra quem não viu no meu perfil, o recado que eu postei, eu não estou atualizando esses dias pq estou farreando, então mil desculpas ksksks isso não é nada digno, eu sei. Ainda mais pq eu estou tendo a cara de pau pra dizer que só não estou postando pq é carnaval.

HATER | Cellbit - Rafael LangeOnde as histórias ganham vida. Descobre agora