21.

772 52 18

Flashback ON

Acabo por me levantar da cama, farta de andar às voltas para tentar adormecer após já me ter sentido várias vezes enjoada durante a noite.

Desbloqueio o meu telemóvel que me informa as horas: 5 a.m.

Agarro a minha barriga, já desesperada com as dores que sentia e deixo o meu corpo escorregar pela parede, assim mesmo, e sem fazer o mínimo barulho devido a Harry estar a dormir.

Fiquei tão frustrada com ele ontem; queria saber o que é que o Simon lhe disse mas o nosso orgulho é do piorio e nenhum falou durante a viagem para casa. Então cheguei a não saber o que ocorreu. Mas preciso dele, agora. E se isso implica dirigir-lhe a palavra, então, que não seja por isso.

"Harry..." Chamo bem baixo para não o acordar assustado. "Harry, por favor..." Aperto mais a minha barriga para que as dores comecem a acalmar.

Mas mesmo assim não acordou. Tive que me levantar (ou arranjar forças para o fazer), ir à beira dele e, abanar o seu corpo.

"Harry acorda."

Felizmente, agora, ele acordou. Espreguiçou-se, esfregou os olhos e depois é que me perguntou o que é que se passava.

"Dói-me imenso a barriga." Puxo os meus cabelos, deixando o meu corpo cair feito morto ao seu lado na cama.

Ele acaricia o meu rosto com a sua mão direita e beija a minha testa. "Eu vou fazer-te um chá. Fica aqui." Assinto em resposta às suas meigas e amáveis palavras.

Assim que a sua presença não é mais notável no quarto, pego no meu telemóvel e acedo às mensagens.

Christine, assim que puderes compra um teste de gravidez, por favor. Luanna.

Ia bloquear o telemóvel, porém, ela rapidamente respondeu de uma forma que, obviamente, demonstrou preocupação.

LUANNA PEREZ O QUE É QUE TU ANDAS A FAZER? É bom que não seja para ti. Christine.

Depois explico-te, prometo. Mas fá-lo, depois pago-te. Luanna.

Logo à noite passo por tua casa e entrego-to. Christine.

Não! Amanhã passa por cá. Luanna.

Combinado. Christine.

Flashback OFF

Quase 2 meses depois

Abro calmamente os meus olhos, por mais complicado que fosse devido a sentir as minhas pálpebras bem pesadas. Olho em redor, sem reconhecer bem o espaço onde estava, até me deparar com cerca de três senhoras deitadas numa cama igual à minha e um bebé nos braços. Arregalo os olhos ao relembrar-me da noite passada.

Nunca me senti tão mal; escondi algo que também lhe pertencia. Foi assim que nos perdemos pela primeira vez. Será possível o perdão desta vez?

Estou no hospital.

Lembro-me perfeitamente do dia em que descobri, tanto eu como a Christine ficamos apavoradas. Ela veio numa hora em que o Harry estava no trabalho. Isto há um mês. Preferi não revelar nada devido ao meu pânico. Eu sei que o Harry já desconfiava, não só por 1. a minha barriga (não estava grande, claro, bem pequena quase reconhecível), 2. os enjoos e vómitos regulares e 3. os meus desmaios. Fiquei várias vezes inconsciente devido à baixa tensão. Os meus nervos inevitáveis colocaram o meu organismo todo descontrolado. A Christine queria que eu contasse, visto que ele é o pai da criança.

Ontem tive mais uma quebra de tensão e o Harry insistiu em trazer-me ao hospital. E, olha só no que deu.

Olho para o relógio pendurado na parede. 12h.

Quero ir para casa. Mas onde está o Harry?

"Mrs. Perez, como se sente?" Uma enfermeira na casa dos quarenta anos, cabelo castanho escuro e amarrado, olhos verdes claros e uma pele morena, captou a minha atenção.

"Eu, hm... Estou bem, muito obrigada." Decidi não fazer perguntas pois apercebi-me que a enfermeira ainda tinha palavras a acrescentar.

"Perfeito, sendo assim. Daqui a uns minutos irá ter com a médica que a acompanhou a noite passada, Mrs. Dianne Whitehouse que irá informá-la sobre o que ocorreu. Teve uma quebra de tensão. Não sei se lembra de algo. Gostaria de lhe informar sobre o ocorrido mas não tenho autorização para tal." Assinto. "Já agora, chamo-me Jocelyn."

"Muito gosto, Jocelyn." Murmuro. Até que me lembro, de súbito, do dia que hoje era. Este dia tão especial! "Poderia arranjar-me um lápis e uma folha?"

"Deveria aproveitar estes minutinhos para descansar, Perez."

"Por favor, é importante."

"Vou tentar, menina..."

"Só mais uma coisa, hm... O bebé está bem?" Algumas lágrimas formam-se nos meus olhos.

A expressão facial da senhora indicava algo que ela não queria dizer.

Não!

\\\///

wow não é?

eu disse que ia ser um capítulo bem chocante apesar de pequeno

hoje à noite ou amanhã haverá nova atualização se comentarem a resposta à seguinte pergunta:

QUEREM QUE A LUANNA ESTEJA GRÁVIDA OU TENHA ABORTADO?

            por favor, respondam a isto! quero mesmo saber que caminho seguir.

obrigada por mais 3K visualizações na Teen Mom em cinco dias, inacreditáveeeel <3

VOTEM E COMENTEM

Dear Me.

Teen(ager) - h.s {sequela TM}Leia esta história GRATUITAMENTE!