POSFÁCIO - HELLO - PARTE 1

1.2K 118 14

Hello, it's me

(Olá, sou eu)

Faz algum tempo que eu quebrei o seu coração e nem em mil anos eu poderia me perdoar pelo que aconteceu. Por que você o faria? Deixei-me ficar cego pelos piores sentimentos e te abandonei quando você me pediu, implorou, que não o fizesse. A escolha foi minha. E eu queria dizer que sinto muito.

Algumas coisas acontecem na nossa vida e a gente acredita que não tem escolha, mas a vida dá. A vida dá uma chance imensa pra todos nós. As vezes somos cegos, ignorantes ou arrogantes em ver a beleza nas poucas coisas, tão apegados ficamos a tudo que era ruim.

Dizem que é preciso cerca de sete elogios para cada crítica. Quando não paramos para analisar tudo que acontece de bom, nosso cérebro fica preso àquela única crítica, aquela única coisa ruim do dia que aconteceu. Não importa se você tomou seu sorvete favorito ou encontrou aquele seu melhor amigo de infância que você não via há uns dez anos, é aquela pequena coisa ruim que vai fazer seu dia e o seu humor.

Estive tão preso às coisas ruins que aconteceram na minha vida que não pude ver que você era todas as coisas boas de todos os meus dias.

I was wondering if after all these years you'd like to meet

(Eu estava me perguntando se depois de todos esses anos você gostaria de encontrar)

Por sua causa, do seu esforço e do seu carinho, apesar da forma que eu te deixei e mesmo depois que já não estávamos mais juntos, minha vida deu um 360º total. Com seu tato e o seu cuidado, você evitou que minha mãe e minha cunhada soubessem do que eu havia feito e sofressem a mesma decepção que sofreu comigo, com as minhas atitudes, permitindo que eu não as perdesse também.

Por sua causa e por não desistir de que eu era uma pessoa decente e tinha conserto, por acreditar em mim, em meu potencial, apesar da escuridão que me cercava, eu consegui sair do buraco. Mudei de cidade, arrumei um emprego ótimo e que paga muito bem, e minha vida, aos poucos, começou a entrar nos eixos.

Agora, ao invés de ser um garoto perdido como um cego em tiroteiro, eu sou um homem bem apessoado e empregado com relações pessoais e tudo o que eu tenho que fazer é seguir minha empregadora e afastar fotógrafos indesejados que pudessem gravar as merdas que ela faz, tenho um apartamento grande na área nobre de São Paulo, ao qual eu divido com dois colegas, não mais porque tenho necessidades financeiras, mas apenas pela diversão e a companhia.

To go over everything

(Para falarmos sobre tudo)

Morando junto com esses caras por meses, algumas bebedeiras me fizeram falar sobre você. Sobre como sua pele era macia e seus beijos inocentes me esquentavam. Falei coisas das quais não me orgulho de ter dito, as vezes coisas pessoais minhas, coisas que eu mesmo nunca te disse, mas que senti avidamente por todo o verão que eu tive o prazer de passar ao seu lado. As vezes, eram coisas pessoais nossas, de nós dois, do que compartilhamos pele com pele, coração com coração, alma com alma.

Tem coisas que eu queria ter te dito e nunca tive a oportunidade. A gente foi cada um para um lado cedo demais, antes do que tínhamos programado e, tudo bem, eu não te culpo, a culpa toda foi minha, eu tenho ciência disso.

Mas as palavras ficaram comigo e elas saem toda vez que eu bebo um pouco demais. É como se todas as coisas boas que aconteceram comigo nesse período não fossem suficientes para apagar a falta que você me faz a cada momento. Queria estar dividindo a minha vitória com você tal como dividi os momentos de derrota. Queria ter você do meu lado, comemorando junto comigo.

Toque de Recolher [NO MORRO]Leia esta história GRATUITAMENTE!