28.2 - CAVEIRA

1K 110 4

Meu desespero era latente e piorou quando vi a quantidade de motos de homens, como nós, fugindo do confronto com os policiais, alguns armados e cheguei a ver um ferido, subindo rapidamente a rua na garupa de uma moto, sendo guiado por um colega que além de pilotar, também carregava uma arma, ponto para atirar em qualquer um.

Não havia sinal de fardado na rua, o que acalmou brevemente meu coração. Porém, o número de civis perdidos era alarmante. Pepê também reparou o problema e começou a gritar, enquanto nos encaminhávamos rua acima.

- Pra dentro, pra dentro todo mundo, porra! - Anunciava ele, fazendo com que todo mundo arregalasse os olhos para nós dois. - É o caveira e ele tá na area, vai todo mundo pra porra da casa agora!

Cada palavra proferida pelo meu irmão era um susto diferente e não só para a população, para mim também. Quem o conhecia, sabia que a quantidade de palavrões proferidos não era nem um pouco normal e se assustava mais ainda. Quem não o conhecia, achava que ele era um bronco babaca gritando coisas que faziam sentido - e corriam mesmo assim.

E foi dessa maneira que o pânico se instaurou na rua e quase nos impediu de ver a figura esguia de pele escura e cachos saltitantes que corria desgovernadamente pelo meio-fio na direção oposta ao que ela deveria estar correndo, na realidade.

- Ali! - Pepê apontou para Drica, mas eu já havia visto, meus olhos acostumados em sempre procurar suas curvas perigosas no meio da multidão, na esperança de encontrá-la.

Virei a moto em sua direção e alcancei-a rapidamente, cortando seu caminho e estacionando de forma bruta. Drica se assustou e, com uma expressão de horror e surpresa, caiu sentada no chão.

- Mas que mer... - Ela estava prestes a soltar um palavrão, o que me fez segurar o riso. Porém, ao reconhecer-me e ao meu irmão, engoliu a sílaba seguinte e apenas nos encarou, parecendo ter dificuldade de compreender o que estava acontecendo.

- O que você tá fazendo, garota? - Pepê desmontou da moto rapidamente. Vi o olhar de Drica se prender no armamento pesado que ele carregava e depois me encarar com os olhos confusos e assustados. Escondi a sombra do sorriso que se encontrava em minha boca por causa de sua reação à nossa chegada e deixei a preocupação por sua segurança voltar a me dominar enquanto Pepê lhe estendia a mão para ajudá-la a se levantar e, então, continuou, dando-lhe um leve esporro - No meio da rua, cê tá maluca?

Drica aceitou a ajuda sem pestanejar e passou as mãos por suas coxas, expulsando qualquer vestígio de pedrinhas ou sujeira da rua que pudesse ter impregnado sua roupa ou pele e, então, levantou o rosto, demonstrando sua total indignação com a pergunta feita em tom de bronca.

- Tava indo ver a Cela - respondeu, parecendo ofendida. Ela olhou por cima do ombro ao som de uma granada estourando à distância e eu percebi o quão apavorada ela estava. - Tava subindo a rua, voltei pra ficar no mercadinho.

Pepê riu e olhou-a, orgulhoso, pelo pensamento rápido e inteligente de buscar abrigo em algum estabelecimento de confiança. E, então, sem aviso, abraçou-a apertado e Drica me encarou, levemente em pânico, dando leves tapinhas desconfortáveis nas costas do meu irmão. Franzi a testa, sem perceber o motivo de seu desconforto, mas ele logo se encerrou quando o abraço se desfez. Logo, lá estava um sorriso nos lábios da minha morena.

- Boa garota - disse, se afastando dela. - Sobe.

O pânico foi claro em seu olhar, enquanto ela olha de mim para a moto e de volta para Pepê. Resolvi, portanto, incentivá-la.

- Sobe, Dri. Te levo lá.

Ela olhou para mim com um sorriso doce e, então, encarou meu irmão com os olhos apertados em confusão. Entendi sua preocupação e encarei-o também, me perguntando como faríamos para subir os três na moto.

- E você? - Ela perguntou.

- Eu sei me virar - ele riu, virando-se para mim. - Você arruma um buraco pra se enfiar ou então sobe o morro. Fala com a Cela que ela te leva num lugar. Não fica na minha casa porque pode dar merda pra cima de você. Tá entendendo?

Concordei com a cabeça, embora meu plano fosse outro, não cabíamos os três em segurança em uma moto e eu entendia que, mesmo que coubéssemos, Drica correria um risco desnecessário ao andar com dois marmanjos armados na subida do morro. Porém, a casa de Pepê e Cela não era tão distante dali, levaria-a e voltaria rapidamente para Pepê.

Estava prestes a informá-lo do meu plano e de pedir que ele ficasse no mercado enquanto a levava em segurança, quando ele soltou um "ótimo, agora vão" e sumiu por entre as ruelas escondidas que interligavam as ruas principais.

Drica estava tremendo quando subiu na moto atrás de mim e envolveu minha cintura com suas mãos pequenas. Foi bem naquela hora que tiros próximos ecoaram e ela se encolheu - eu, por outro lado, senti a pressa correr pelas minhas veias. E se fosse Pepê correndo perigo naquele exato momento?

- Vamos, vou colocar você em segurança - eu disse, com pressa, ligando a moto e fazendo com que ela corresse livre pela rua, seguindo seu caminho.

Com a minha urgência em retornar, alcancei a rua da casa do meu irmão mais rápido do que pudera prever e senti as mãos de Drica se apertarem com ainda mais força, seu corpo inteiro grudando no meu, apavorada. Apesar do pânico, não pude conter o riso.

Estacionei em frente ao portão verde da casa de Pepê e Drica desmontou tão rápido que achei que havia caído, mas permanecia em pé. Queria apressar meu retorno, mas no momento em que nossos olhos se encontraram, o calor de mais cedo nos fez grudar os lábios com uma paixão avassaladora.

Conseguia sentir o pavor de Drica de forma palpável enquanto ela tremia no meio do beijo e logo me afastei, acariciando seu rosto juvenil.

- Toma cuidado - pediu.

Sua voz estava embargada e apesar de também estar com medo, abri o maior dos sorrisos para lhe passar tranquilidade. Grudei nossos lábios mais uma vez, de forma leve, tentando fazer seu nervosismo escorrer de seu interior. Ao vê-la mais calma, me afastei, dando partida na moto.

- Sempre - prometi, sem nenhuma certeza de que poderia cumprir.

Toque de Recolher [NO MORRO]Leia esta história GRATUITAMENTE!