16.

857 57 5

Algum tempo depois —  1 de fevereiro (Aniversário do Harry)

Já estou em casa dos pais do Harry há mais ou menos uma hora e estamos a preparar as sobremesas para a noite. A família do Harry estará quase toda cá, vai encher o casarão mas tenho a certeza que irá ser bastante divertido.

"Gemma, dá-me a farinha por favor." Peço, lendo o resto da receita do bolo.

Ela pousou o pequeno saco à minha beira e eu, com gentileza, agradeci.

"Mãe, eu vou com o pai e com a Felicity buscar o bolo do Harry à pastelaria. Luanna, caso não te importes, vou depois levá-la ao parque para não estar aqui sem fazer nada."

"Por mim, tudo bem." Esboço um doce sorriso, amarrando o meu cabelo.

"Estarei aqui à hora do almoço, não stressem." Percebi a indireta para a mãe dela, o que me fez gargalhar baixinho.

O que é que mudou desde janeiro? Talvez a resposta seja “nada”. Porém, eu e o Harry tivemos conversas calmas que nos fizeram refletir sobre a nossa relação, o futuro e a Felicity, o que era o melhor para nós. Chegamos à conclusão que agirmos com paciência e agradavelmente era o mais correto e com isto vieram menos discussões — e sim, sempre o mesmo assunto: trabalho — e mais preocupações e inseguranças. Na verdade, só nos vemos de manhã, chega sempre quando eu já estou a dormir, o que é aborrecido. Tenho esperanças que o Harry consiga sair do estúdio mais cedo como prometeu para estar com a família hoje.

Outro assunto: reencontros. No dia em que fui ter com a Harriet ficamos oficialmente amigas novamente, esclarecemos tudo, desde Niall até o facto de ela ter uma excelente voz. Foi uma conversa saudável, admito.

"Dê cá, Luanna, eu coloco no forno." A mãe do Harry pegou na forma e colocou-a dentro do forno numa temperatura pré-definida. "Quer fazer mais alguma sobremesa?"

"Penso que já há suficiente. O bolo já por si próprio é enorme!" Ambas gargalhamos.

"O jantar começamos a preparar ao final da tarde." Combinou e não pude deixar de concordar que seria o melhor a fazer. "Acha que o Harry vai comparecer?"

A pergunta feita assim do nada, atrapalhou-me. Quer dizer, a que propósito veio isto? Eu penso que a resposta seja “sim” mas... e se estiver errada?

"Porque não? É o aniversário dele, sabe como ele adora." Permaneço fiel à minha primeira decisão e não perco a esperança.

"Eu sei que a Luanna odeia tanto como eu estas tournês!"

"É... hm... Complicado. Ele afasta-se e quando regressa, eu sei que não posso ficar à espera de muitos momentos românticos por que é arrancado pelo trabalho."

"Oh, Luanna... E a Felicity?"

"Ela ainda não tem noção destas saídas. Enquanto me tiver, nunca vai levantar suspeitas de nada, é muito nova para isso." Sou o mais sincera possível com a senhora.

"Tem toda a razão, querida." Encosta-se à banca, assim como eu, para conversarmos um pouco. "E o George? Já o conheceu?"

"."

Esqueci-me de referir que já conheci o meu padrasto. Pediu em casamento à minha mãe mesmo à minha frente, foi estranho assistir, porém, eu vi algo que mais ninguém presente naquela pastelaria conseguiu ver na minha mãe. O brilho nos seus olhos, o mesmo que eu notava quando ela estava com o meu pai e dizia orgulhosamente que era feliz a todos. Foi nesse preciso momento que eu mentalizei-me que era a única barreira na relação deles e que, mesmo que não tivesse afinidade com o George, não podia deixar a minha mãe desiludida e perder o homem que a conquistou quando mais ninguém o conseguiu fazer após aquele acontecimento.

Teen(ager) - h.s {sequela TM}Leia esta história GRATUITAMENTE!