Capítulo Onze

108K 6.5K 1.2K


Minhas costas doíam, e eu nem ao menos fazia ideia do que teria tornado minha cama tão dura de uma hora para outra.

-Isso com certeza vai ser usado contra eles! -Escutei Math dizer.

-Eles estão tão fofos! Nem parece que só brigam! -Agora era Layne.

-Me manda essa foto, preciso esfrega-la na cara do Dani! -Gui dizia animado.

-Vocês se importam de fechar a droga da boca? -Perguntei ainda sem abrir os olhos.

-Você tirou mais que uma foto, não é arco-íris? -Math preguntou.

-Sim. -Eles continuaram me ignorando.

-Pela primeira vez eu concordo com ela, fechem a porra da boca! -Alguém murmurou embaixo de mim.

-Ei, espera! Minha cama não fala! - Murmurei me levantando em um pulo os fazendo rir.

-Sua cama não, mas meu irmão sim! -Provocou Gui.

Olhei para Daniel com uma careta.

-Por que eu estava em cima de você? - Perguntei estreitando os olhos.

-Porque provavelmente eu sou muito mais gostoso que sua cama, minha cara Madson.

-Você é duro Ryan, e minhas costas estão doendo por que ou o Math espaçoso me empurrou ou por que você me puxou! -Ralhei.

-Você que estava segurando minha mão ontem! E além do mais, você é muito pesada garota!

-Eu não fiz isso! -Disse indignada.

-Fez sim Em's! -Math disse rindo.

-Ai que fofos! -Carolayne disse animada.

-Tão fofo quanto você babando na mão do Gui ontem à noite! -Provoquei com um sorriso infantil.

-Oh droga! Eu passei sua baba no rosto? Que nojo! -Gui fez uma careta.

-Olha isso. -Layne esfregou a foto onde eu dormia sobre Daniel enquanto segurava sua mão, em meu rosto.

Fiquei emburrada e logo perguntei:

-Por que eu não fui presa desta vez mesmo? A cadeia me parece ótima. -Perguntei.

-Por que ontem foi à noite do quase strip-tease e da briga com o segurança. -Math revirou os olhos.

-Droga. -Murmurei entrando no banheiro.

(...)

Eu estava literalmente sendo arrastada pelos corredores, enquanto implorava por comida ou uma aspirina para aquela ressaca:

-Layne, eu estou com fome, e se eu ficar com fome, vou ficar muito chata, então me solta que eu quero, preciso e vou comer. -Murmurei.

-Apenas depois da aula de teatro Emily! -Ela disse abrindo a porta da sala para que eu pudesse passar.

-Eu vou morrer! -Dramatizei.

-E eu vou superar. Dois beijos! -Disse me empurrando para o fundo da sala.

Esperei impaciente até que a professora chegasse, e quando aconteceu, comecei a conversar com o arco-íris que estava sentado ao meu lado:

-Qual é a da aula de teatro? -Layne perguntou.

-Me fazer passar fome, só pode! -Revirei os olhos. -E me deixar de mau-humor! -Completei.

-Não é preciso muito esforço para isso! -Lay disse rindo.

S.O.S Internato: A Marrenta tá na área!!!-EM REVISÃO ||LIVRO ÚNICO||Leia esta história GRATUITAMENTE!