015 - Boa ação versus Má reação

2.4K 394 59

Thed para não parecer covarde e mentiroso, decidiu ir mesmo falar com a Madre. O que queria dizer que, antes de ir embora, se deu a chance de ser mandado embora por ela.

Porém, no final das contas, tudo ocorreu muito melhor do que ele esperava – até porque ele sempre se concentrava em esperar o pior – a Madre não tinha a intenção de despedi-lo, nem de questionar seu comportamento informal com sua noviça. Queria apenas conversar.

Pelo menos foi o que a Madre disse.

E a conversa não foi tão ruim assim, pra falar a verdade, podia até ser considerada como agradável se ele não estivesse o tempo inteiro pensando em Mary. No beijo dela, no cheiro dela... E muito outros derivados que ele não conseguia enumerar no momento. Queria beijá-la de novo e poder sentir outra vez as suaves curvas do corpo dela sob aquele hábito grosseiro. Ou até mesmo sem o hábito grosseiro. Por ele tanto fazia, mas imaginava que para ela não.

Ele pensava nisso enquanto a Madre falava sobre os benefícios do sagrado matrimônio. Um tanto contraditório. Principalmente quando adicionamos o fato de Thed estar passando por um divórcio.

Bem, talvez a Madre não soubesse o momento difícil que ele se encontrava. Até porque ela não tinha porque saber, ele era só mais um assalariado que trabalhava para essa grande central de ensino que era o Colégio Santa Teresa.

- Imagino que agora que sua mulher vai sair de casa vai ficar complicado para você cuidar da sua filha.

Mas pelo visto ela sabia, e com riqueza de detalhes.

- Está tudo sob controle, Madre, a verdade é que depois de concluir meu trabalho aqui estarei bastante disponível – disse Thed pondo fim no clima amigável da conversa.

- Como disponível, senhor Hopkins? A Noviça Mary não te deu a noticia? – perguntou a Madre deveras indignada. – Essa menina não tem salvação mesmo, cada dia mais avoada.

Seria muito grosseiro da parte de Thed concordar com a parte de Mary não ter salvação? Porque ele gostaria que ela não tivesse, mas para não criar atritos, resolveu não entrar nesse mérito, e ir direto a tal noticia.

- Do que a senhora está falando?

- Da sua nova entrevista de emprego, no negócio da família LaDonne. O próprio senhor LaDonne me ligou hoje pedindo para que passassem o contato da empresa para você marcar uma entrevista com ele.

Há poucos minutos ele se considerava um homem divorciado prestes a ficar desempregado. E agora era um homem empregado com perspectiva de se tornar um homem muito bem empregado, que tipo de milagre estava acontecendo? Ele nem acreditava nesse tipo de coisa.

- Como a senhora conseguiu tamanha proeza? – perguntou Thed sem se preocupar em esconder seu assombro. A notícia era assombrosa a esse ponto.

- Não fui eu quem conseguiu, logicamente foi a Noviça Mary e suas repetitivas recomendações para o Senhor LaDonne, ela adora fazer isso – a Madre ao ver que Thed não dizia nada deu continuidade ao assunto. – Foi ela também quem sugeriu que sua filha Margot, que é uma criança adorável, não resta dúvidas, fizesse parte de nosso Jardim de Infância. Ela mesma se comprometeu a cuidar pessoalmente de sua filha, quando virar freira. Mas é uma arbitrariedade da parte dela achar que poderá dedicar todo seu tempo a somente uma criança. Sinceramente, essa Noviça Mary parece se esquecer que...

Aparentemente Mary tinha salvado a vida dele: lhe ensinado a mexer com os números de maneira aceitável, conseguido uma entrevista magnífica em uma empresa muito prestigiada, e, como se não bastasse, uma educação mais prestigiada ainda para sua filha.

E o que Thed deu em troca?

Não se lembrava de nada muito relevante, a não ser... Claro, arruinado a vida dela. Ou a carreira dela de freira. Não estava tentando ser trágico, nem nada. Mas sabia as consequências daquilo que tinha acabado de fazer. Noviças não podiam beijar, apesar de beijarem tão bem.

Aquilo não tinha sido muito cavalheiresco da sua parte. Tinha que se parabenizar pelo tremendo papelão que fizera justo com uma das pessoas que mais se importava com ele, e que, para falar a verdade, ele se importava também.

O tal beijo despertou muitas coisas além do sentimento de completude em Thed. Coisas boas e ruins, que ele sentia que tinha que lidar. Mas sem o traquejo necessário para isso. Sentia-se no olho do furacão, um furacão chamado Mary, que ele não conseguia mais enxergar como Noviça, ainda que a vontade dela fosse continuar a ser.

A Madre continuava a falar. Ao parecer tinha retomado o assunto do sagrado matrimonio. E assim que Thed conseguiu se livrar de todo o discurso sobre as vantagens e benefícios de uma união perante Deus, saiu o mais rápido que pode. Às pressas, a Madre precebeu.

Para ela, ele parecia que queria fugir. Na verdade, ele queria mesmo.

Fugir da Madre, do Colégio e principalmente da vista de Mary.

__________________________________________________________

Quase Natal!!!!!!!!!!!!!!!!! Como estão os preparativos por aí? Por aqui tá tudo muito corrido e quente (como eu já sabia que ia ser). Tô curiosa pra saber se vocês estão tão animadas pro Natal como eu estou!!!!!!!!!!!!!!

Algumas lindas pessoas pediram "Pela Janela Indiscreta" e "Papel, Caneta e Ação" (que tá nos últimos exemplares) de Natal para minha felicidade e minhas idas aos Correios <3 Por isso eu não consegui postar ontem, fiquei aqui embrulhando e fazendo coisas ótimas com o livrinhos antes do trabalho e depois do trabalho eu fiquei um pouco morta e sem entender QUAL É A DESSE THEODOREEEEEE! Ele tá é louco?! Tipo, ABANDONANDO O BARCO??? Eu não tô entendendo é nada! Louca pra revisar o próximo capítulo pra postar.

E por falar NISSO! Eu tô igual uma barata tonta aqui, porque eu não sei o que eu FAÇO. Na verdade o que eu deveria estar fazendo era o meu roteiro, MAS eu tô super sem foco, um dia eu escrevo a história nova que quero começar aqui ano que vem, outro dia eu continuo a história da Cindy (de "Papel, Caneta e Ação", que minha melhor amiga queria muito que eu fizesse). E outros dias eu só quero ler livros mil (e tô numa maré de ler ótimos livros). Só queria contar, sei lá.

Acho que HO-HO-HO! Lembrem-se que Natal tem estrelas cadentes! E que eu amo estrelas! Até comprei umas pra colar no rosto amanhã!!!!!!!!!!! Não se esqueçam das estrelas você também <3

Peixooos! 


ParaísoLeia esta história GRATUITAMENTE!