Este é o antepenúltimo capítulo *-*

-----X----

— Você não vai acreditar no que acabou de acontecer comigo! — disse o Alam me puxando quando entrei em casa... — Quer dizer... Onde você estava?

— Longa história.

— Parece cansada. Estávamos preocupados com você. Quer dizer, como eu sabia que você devia estar em outra enrascada inventei uma história para os seus pais, então eles não estão tão preocupados. Mas vem aqui, eu preciso te mostrar uma coisa.

Ele me puxou pelo braço até a cozinha e parou de frente para pia.

— Eu tenho que levar louça? — perguntei sorrindo e ele me encarou

Ele pegou uma faca e apontou para a palma da mão e de repente fez um corte, afastei automaticamente gritando e colocando a mão na boca.

— V-você ficou louco?

Antes que ele pudesse responder o corte se regenerou, ele me olhou parecendo maravilhado.

— Isso não é incrível? Parece aquelas coisas de filmes. Quer dizer... É meio macabro, mas mesmo assim não deixa de ser incrível.

— Você sentiu alguma coisa antes disso acontecer?

— Eu acabei desmaiando, mas acordei alguns minutos depois. Fui cortar uma laranja e sem querer fiz um corte na minha mão e se regenerou.

— Alam... Eu tenho que te contar uma coisa. Mas precisa ter calma...

Ele me encarou parecendo preocupado.

— Aconteceu alguma coisa?

— Sim!

Tinha conversado com o Neythan sobre a transfusão de sangue que fiz para o Alam e ele disse que possivelmente isso poderia acontecer, mas não seria algo grande, como o que confundiu meus sentidos, o Alam não precisaria passar pela mesma coisa que passei.

Contei a ele cada detalhe da história, até sobre o acontecido de algumas horas antes. Ele não pareceu ter se surpreendido tanto, é como se já esperava que algo assim pudesse acontecer; só se lamentou por o peso ter caído sobre mim. A ideia de imortalidade parecia ter agradado o Alam. Só não sabia como meus pais reagiriam a isso, e também não sabia como exatamente isso funcionava comigo. Por que se esse poder continuava dentro de mim e eu era metade humana e metade como o Neythan e o Alexander eram; e mantendo isso selado dentro de mim temporariamente, isso significava que eu ainda poderia me machucar e não me regenerar e a ideia de imortalidade não se aplicava a mim.

Eu gostava de passar um tempo com o Alam, só lamentava por quase sempre estragar os sonhos dele. Sempre que tinha um desfile ou coisa parecida, parecia que acontecia alguma coisa comigo que acabava atrapalhando ele. Só que dessa vez o desfile dele tinha sido um sucesso e ele já tinha começado a organizar os próximos.

— Alam?

— Sim — respondeu ele

— Sabe que eu te amo, né? Fiquei com medo de não poder ver mais você.

— Ah! Eu também te amo. — Disse ele me abraçando e bagunçando meu cabelo — Não tem que se preocupar com o fato de não poder me ver mais. Eu jamais vou te abandonar. E agora, acho que literalmente.

— Me diz sinceramente: Acha essa ideia de imortalidade... força, agilidade e etc... Uma coisa boa?

— Tá brincando? É claro que acho. Deve ter seus lados ruins, mas deve ser bem legal.

Toque de SeduçãoLeia esta história GRATUITAMENTE!