A loira afastou-se dele, obviamente estava com medo, sabia dos riscos, mas tinha decidido a arriscar mesmo assim. Ele parecia decidido do que ia fazer, mas ainda esperava que ela dissesse alguma coisa.

— Poderia fazer agora o que fiz com você antes. Não me arrependeria nem um pouco

— Eu tinha que fazer isso... — Falou, quase gaguejando e com a voz falhando — Cansei de ser ignorada.

— Ignorada? Você sabe que, o que sente por mim não é real.

— Também sei que usou truques na minha mente. Você me enganou.

— Tinha que ser feito — disse ele sem mostrar nenhum traço de arrependimento, preocupação ou surpresa.

— Por que não sou boa o suficiente pra você? O que... Aquela mulher tem que eu não tenho?

— É difícil explicar. Mas tenho que confessar que você é interessante. Gostei da sua coragem... Apesar de ter mexido com uma garota que é importante pra mim.

Ela sorriu nervosamente passando a mão pelo cabelo, não que tivesse graça, mas não conseguia entender.

— Ela não te amava. Ela amava o Neythan e você sabe disso.

— Situação estranha essa não?

A loira entendeu o que ele quis dizer; ele gostava da outra garota, mas ela não gostava dele, assim como ela gostava dele e ele não gostava dela.

— Você vai me matar agora? É... Isso?

Ele negou, apesar de que se quisesse fazer isso não hesitaria. Mas agora... Ele queria talvez só um pouco começar a se tornar uma pessoa melhor.

— Vou fazer diferente dessa vez...

Ele já estava perdendo as esperanças. Havia chegado tarde e agora a garota que ele amava poderia estar morta, não havia nada que ele poderia fazer. Não tinha passado por essa situação, mas sabia o quanto de energia um ritual como aquele exigia e sabia que as chances de sobrevivência eram poucas.

— Por que não desiste? — disse Mark Muller — Não vai adiantar. Você chegou tarde e não vai conseguir fazer mais nada.

Neythan o encarou, estava desconfiado que ele tivesse um pouco de culpa nisso.

— Eh... Se quiser saber — Falou, em tom provocativo —, a culpa foi minha. Eu enganei a sua namoradinha e confesso que foi muito fácil. Fazer você perder o celular, mandar um SMS no seu nome... Tudo isso. Ela confiava muito em você. E isso acabou sendo um erro.

— E você se gaba por isso?

— Foi divertido.

O Neythan se levantou e socou Mark, ele estava com raiva e não estava nem um pouco interessado em manter o controle, nunca tinha se sentido assim, sabia que violência não era o caminho, mas não estava se importando, nada mais importava. Tinha perdido uma coisa de valor pra ele e se Mark Muller era um dos culpados, iria pagar por isso.

— Finalmente alguma reação descente da sua parte — provocou Mark

Alexander chegou perto DELA, ela estava satisfeita pelo que tinha acabado de fazer, e a sua vontade, sua sede por mais, era insaciável.

— Que bom ver você Alexander — Disse ela suavemente

Ela levantou a mão para tocar o rosto dele, mas ele a deteve segurando o braço dela no ar. Ela o encarou surpresa.

— Algum problema?

— Vários. — Respondeu ele — Sabe, é bom reencontrar você. Mas você não passa de uma alma perdida, e digo literalmente. Você não é ela. Ela sempre teve... Na maioria das vezes, o coração bom isso até se tornar a aquela traidora desprezível. Eu até gostava dela no começo; o sorriso, e o jeito de falar. Não consigo gostar de nada disso em você. VOCÊ não é ela. Esse corpo não é o dela. Não podemos trazer uma coisa que já está morta à vida de novo, nada sai como antes.

Ela o encarou, fingindo de desentendida. O azul elétrico brilhando de intenso.

— Mas eu estou viva, e estou aqui.

— Só tinha como manter o corpo se uma pessoa com o nosso poder se sacrificasse tirando todo o seu poder para assim colocar em volta do corpo da outra pessoa; como uma forma de proteção. Isso manteria o corpo vivo e intacto. Ambos com o mesmo poder e ambos sendo originados de um original. E nada disso estava correto. Ela já estava morta pouco antes de a tirarem de mim.

— Isso é... Mentira. Eu estava viva.

— Você não estava. Eu pude sentir. Você se tornou ruim, deixou todo aquele mal consumir a sua alma. Você não é uma coisa boa agora, e até mesmo seus olhos dizem isso. Você me traiu com ele. — Sua voz exalava fúria —Eu nunca soube o que você era, nunca desconfiei que fosse me trair daquele jeito.

— Eu ainda amo você. Não conta?

— Esse amor não é verdadeiro. E pode parar esse seu fingimento, sei muito bem que está fingindo e a única coisa pela qual sua alma anseia neste momento... E por matar alguém.

— São só humanos, Alexander. — Ela falou, indignada.

— São só humanos... Mas no fundo alguns melhores que você. E vou te poupar de ter que passar por um sofrimento. Sua dor vai ser menor.

Ele colocou as mãos em cada lado do ombro dela, ela não tinha entendido a intenção dele, por mais que tivesse sido uma decisão difícil, ele sabia que isso era o certo a se fazer. Todo mal que havia dentro dela despertou e o "demônio" agora tinha consumido a alma dela e não restava mais nada.

Os olhos dela começaram a perder a cor, foram de um azul eletrizante para um preto obscuro, a pele dela toda pálida começou a rachar, e ela começou a tremer. Houve um grito, só que esse não vinha dessa mulher e sim da garota....

Ela agora tinha acordado.

— Não, Não, Não. Neythan para.

Por fim, tudo naquela mulher se tornou apenas... Cinzas. E Alexander voltou seu olhar para a garota que tinha acordado, o Neythan estava olhando pra ela surpreso. Só que ela não parecia estar bem...

Ambre e Mark ficaram surpresos também, mas não perderam tempo. Aproveitaram a oportunidade para fugirem.



Toque de SeduçãoLeia esta história GRATUITAMENTE!