Quando chegamos lá, Mary já estava esperando, ela estava com um vestido preto de um ombro só e o cabelo obviamente solto. Quando ela nos viu ela acenou nos chamando e sorrindo. O lugar estava movimentado para um dia de terça-feira, e a musica tocava bem alto do lado de dentro.

— Wow. Essa cidade é o máximo. Eu não acredito que eu estou aqui, todos os lugares que eu já conheci eu adorei, e até a escola para falar a verdade é legal menos aquela loira chata, fora isso tudo é o máximo.

— Que bom que gostou. — Eu disse e ela sorriu

— Estou ansiosa para conhecer o resto, eu simplesmente estou amando esse lugar eu poderia viver aqui para o resto da minha vida.

— E seria acompanhada? — perguntou o Alam e ela sorriu novamente, mas dessa vez foi para ele.

— Só se for do seu lado.

— Por mim tudo bem. — Disse ele

Eu os encarei

— Ei — protestei e ele sorriu

— Ah, e com a Mhylla também. — Disse ele bagunçando meu cabelo de novo.

— Quer alguém para te acompanhar hoje?

— Claro que sim — Disse Mary enfiando o braço no do Alam e puxando ele para perto

— Onde você escondeu alguém tão fofo assim? — perguntou ela

— Em casa — respondi

— Essa noite vai ficar sem ele, agora ele é todo meu. — Disse ele entrando com ele

Não sabia se estava enganada, mas que tinha rolado um clima ali tinha. Só que antes eu achava que seria algo como Alam e Marcela...

Virei para ficar de frente com o Neythan e ele arrumou o meu cabelo.

— Vamos?

— E você dança? — perguntei

Ele dançou comigo uma vez, mas não era nada comparado com músicas de baladas porque da outra vez tinha sido musica lenta... Não que eu sempre frequentasse baladas, só sabia por causa da outra vez que estive ali.

— Por você posso arriscar.

— Tenho certeza que dança melhor do que eu — Eu disse

Entramos para o lugar, estava cheio de pessoas dançando animadamente e algumas sentadas na banqueta perto do bar e bebendo alguma coisa. A música estava bem alta e era quase impossível escutar o que as pessoas diziam, se alguém tivesse que fazer isso tinha que gritar ou falar no ouvido da pessoa. A decoração era em cores escuras e com luzes piscando no ritmo da música eletrônica.

Avistei Mary e o Alam dançando lá no meio, eles estavam animados como o resto das pessoas ali e estavam conversando alguma coisa... Ou tentando conversar.

— Acho que vou beber alguma coisa. — Disse

Era mais uma desculpa do que vontade de beber alguma coisa mesmo.

Fui até o bar e me sentei na banqueta esperando pelo barman. O Neythan se sentou ao meu lado.

— Se for pedir alguma bebida alcoólica eu terei que pedir... — começou o barman, mas interrompi.

— Não. Só quero refrigerante. Não bebo álcool.

— E você? — disse o homem encarando o Neythan

— Nada.

O barman saiu, fiquei sentada esperando e observando as pessoas enquanto ele trazia a bebida. Observei uma mulher com o vestido vermelho todo decotado, ela tinha o cabelo todo cacheado e grande, de uma cor que começava em preto e terminava logo na metade de escarlate, ela usava batom da mesma cor.

Ela deslizou na banqueta ao lado do Neythan, o barman logo deslizou um copo com o que parecia cerveja para ela e ela pegou piscando para ele, enquanto passava provocativamente os dedos na beirada do copo e tomava um pouco, ela olhou para o Neythan.

— Então... — disse ela por fim — Vem sempre aqui?

O Neythan tirou a atenção de mim e virou para olhar, ela abriu um longo sorriso.

— Não exatamente. — Respondeu ele

Ela passou a mão no decote do vestido. Eu tirei o olhar dela, o barman trousse o refrigerante, eu paguei e tomei um pouco.

— E como um homem tão bonito como você consegue ficar sozinho? — perguntou ela e ele sorriu virando-se para me olhar

— Eu não estou sozinho. Tenho uma garota incrivelmente bonita do meu lado.

Ela sorriu soltando o copo com a bebida e puxou a banqueta para perto dele e tentou tocar na mão dele, mas ele desviou.

— Se quiser eu posso te acompanhar está noite.

Ah! Ela estava flertando com ele. Na... Na minha frente?

— Então fica ai com ela. — Falei, largando o refrigerante em cima da bancada

Levantei saindo dali e fui lá para fora. Peguei meu celular e vi que tinha uma mensagem da minha mãe dizendo que quando ela voltasse passaria um tempo comigo para recompensar. Fui responder, mas alguém esbarrou em mim. Sai dali e fiquei encostada na parede ao lado do bar, havia um beco ali do lado. Respondi a minha mãe dizendo que não precisava se preocupar.

Escutei uma conversa vinda do beco e a voz parecia ser familiar, a curiosidade venceu e fui ver quem era.

Se eu não tivesse visto com os meus próprios olhos nunca que eu acreditaria, eu vi a Ambre e o Mark Muller se "pegando" ali. Ela estava sentada em alguma coisa e ele estava beijando ela.

E o que tinha acontecido com a obsessão dela pelo Alexander? Com a louca perseguição e ciúme doentio que ela tinha?

— Se você contar para alguém sobre isso eu juro que te mato — Disse ela enquanto o beijava

— Não tenho a intenção de fazer isso — Ele respondeu

Eu decidi sair dali, se ela estava obcecada pelo Alexander, mas ficava se pegando com outro o problema era dela. Quando estava saindo esbarrei em outra pessoa.

— Oh, eu sinto... — olhei e vi que era o Neythan — Ah, é você.

Ele sorriu

— Não precisava sair daquele jeito.

— Deixei que você ficasse com ela lá. Parecia que ela estava gostando da sua companhia. E você da dela.

— Está enganada.

— Não estou. Ela estava flertando com você percebeu isso? Fler-tan-do.

— Eu nem percebi. — Ele falou passando a mão no meu cabelo

— Você foi o único então.

— Você fica fofa quando está com ciúmes.

— Ah? Eu com ciúmes? Eu não estou com ciúmes de ninguém.

— Não precisa se preocupar, eu só tenho olhos para você.

Depois que esperamos Mary e Alam dançar passamos em outros lugares da cidade para que ela pudesse conhecer. Não precisava nem dizer o quanto esse dia tinha sido longo e tinha valido a pena, claro. Mary parecia extremamente feliz e animada.



Toque de SeduçãoLeia esta história GRATUITAMENTE!