Capítulo 35

3.4K 355 167

Nina Novaes.

Quando finalmente consigo terminar de atender todos os meus pacientes de hoje, já são quase meio dia. Tenho total certeza que minha mãe já estava me esperando no estacionamento para nosso almoço, porque pontualidade é com ela mesmo. Lembro de procurar por Alex para lhe dar um beijo, já que não almoçaria com ele hoje e é isso que faço.

Não demoro muito até encontrá-lo parado bem no meio do corredor, todo concentrado lendo alguns exames. Perco alguns segundos só para fitá-lo e relembrar o quanto sou grata por tê-lo em minha vida.

– Gosta do que vê? – Alex pergunta sem tirar os olhos dos exames e eu dou uma risadinha.

Ele sabe que sim.

– Já vi melhores – respondo fazendo pouco caso e ele abre um sorriso de lado, enfim tirando os olhos dos papéis e os focando em mim. Diminuo o espaço entre nós com passos rápidos e estou prestes a passar os braços por seu pescoço quando me lembro de Dr. Ramon e seus ataques de pelanca sobre demonstrações de afeto no hospital. Faço uma careta, deixando os braços caírem ao lado do meu corpo. Mesmo depois de meses, ainda não sabia lidar direito com isso. Estar ao lado de Alex e não beijá-lo era algo impossível para mim.

Alex revira os olhos antes de espiar se havia alguém nos olhando, e então coloca suas mãos em meu rosto e me dá um beijo rápido. Se eu não sei lidar, ele muito menos.

– Vamos almoçar agora? – ele pergunta dando um passo pra trás, porque neste momento uma das moças da limpeza passa e nos olha desconfiada.

– Bom dia, doutores – ela cumprimenta, mas seu olhar está em Alex. É claro. Reviro os olhos, tentando ignorar esse fato.

– Bom dia – Alex responde mal a olhando.

– Dr. Alex, sua sala precisa de mais alguma limpeza? Estou disponível – ela pergunta se insinuando toda, e eu finalmente foco meu olhar nela. Ela não passava dos trinta anos, tinha os cabelos pretos amarrados num coque e apesar de trabalhar na faxina, estava muito bem maquiada. Franzo a testa a observando de cima a baixo e ela nem parece perceber, pois está concentrada demais secando Alex.

– Não, Ju. Obrigado. A limpeza pela manhã já foi suficiente – ele diz meio em dúvida, meio achando graça. É claro que ele percebeu que ela está se insinuando, quem não estaria?!

– Ah, mas o doutor sabe que eu gosto de deixar tudo bem limpinho, né? Qualquer coisa é só me chamar, Alex. Posso te chamar assim?

Cruzo os braços na altura do peito e bufo, me colocando na frente de Alex. A tal Ju finalmente me olha e franze a testa.

– É claro que não pode, querida. Aqui dentro ele é doutor Alex para todos, por que acha que pode chamá-lo pelo nome? Quero mais respeito com ele, por favor – respondo por Alex, numa voz falsamente calma. Escuto Alex tentando segurar a risada atrás de mim, o que apenas me deixa mais puta.

– Ah, desculpe, mas quem é você mesmo? – ela pergunta parecendo realmente em dúvida e eu quase desço do salto, mas me recomponho.

– Aqui dentro sou a doutora Nina. Lá fora sou a Nina, mulher do Alex, muito prazer – estico a mão ironicamente e ela a aperta, parecendo constrangida.

– Prazer, doutora. Sou a Ju – ela responde me dando um sorriso amarelo. – Seu marido é muito bonito.

– Eu sei – respondo rispidamente e sinto a mão de Alex em minha cintura, a puxando para ele.

– Vamos almoçar, anjo – ele sussurra em meu ouvido e olha para a outra. – Obrigado pela sala, Ju.

– Imagina, doutor! O senhor sabe que sempre que precisar posso te ajudar – ela diz animadamente, piscando um olho e voltando a me ignorar. Abro a boca espantada com sua facilidade em fingir que não estou aqui, mas sou impedida de lhe falar poucas e boas porque no instante seguinte já estou sendo puxada por Alex na direção do elevador.

Anjo (COMPLETO)Leia esta história GRATUITAMENTE!