Fiquei mais algum tempo ali até que acabei adormecendo sentada na cadeira, não sabia que horas eram, mas já devia estar de noite ou de madrugada devido ao tempo em que fiquei esperando ali. Agora sim estava tudo complicado, nem sabia o que meu pai poderia fazer se eu não aparecesse em casa. O Lionel tinha aparecido para conferir se eu estava ali, acabei fingindo que não tinha visto ele, um tempo depois ele foi embora.

Aquele homem voltou quando amanheceu e tinha trazido mais dois caras, ele ficaram em silêncio por alguns minutos fumando o charuto dele e me observando, possivelmente tentando adivinhar se eu dizia a verdade ou não. Os caras me obrigaram a ficar sentada na cadeira e cada um ficou de cada lado. Estava com dor de cabeça, não tinha dormido direito, também ali era impossível.

— Eu já disse que não me lembro sobre a vida da Melissa. Não vai conseguir nada com isso.

— Errado. Eu sempre consigo o que eu quero. A única pessoa que tem as informações completas de que preciso é você. E o Alexander. Mas ninguém aqui é idiota de se meter com uma pessoa como ele.

— Covarde. Não pode com uma pessoa como ele e vai à pessoa mais fraca. Achei que estivesse em pose de mandar e não de ficar com medo.

Ele começou a rir sem humor assim como os outros caras ali.

— Ele é da linhagem original, ninguém aqui pode com ele. O poder dele é maior que tudo. Ele poderia me destruir em um piscar de olhos se quisesse.

— Então acho bom ter cuidado para ele não saber que você está comigo. Mantendo meu melhor amigo refém para me fazer falar uma coisa que eu não lembro.

— Por que acha que não me revelei até agora? Ele poderia saber se aparecesse de primeira. Por isso mandei o Lionel buscar você. O problema seria dele...

— Você é uma pessoa horrível

Não podia ser verdade, ele estava usando o Lionel para os planos dele, porque se o Alexander tentasse descobrir quem foi que fez, obviamente ele chegaria ao Lionel, já que antes eu nem conhecia esse homem. Mas devido ao que o Lionel era duvidava que ele já não soubesse disso.

— Agora chega de papo. Eu acredito que tenha feito um esforço para se lembrar. Seria muito ruim você perder um amigo tão... Bom. — Disse ele

— Não adianta. Eu não sei. Não estou mentindo.

— Eu não acredito em você. — Disse ele ficando bem sério

Sua expressão demonstrava que ele não estava brincando e me encolhi, não sabia o que ele iria fazer, mas provavelmente não iria gostar nem um pouco.

— O problema é seu então.

— Errado de novo. O problema é seu, e do seu amiguinho. — Ele faz sinal com a mão chamando alguém.

Não sabia o que era, mas me sentia um pouco estranha, era complicado de se explicar, mas era uma sensação parecida com aquela de quando estava com o Alexander, me veio à mente uma lembrança da Melissa, de quando ele tentou entrar na mente dela pouco antes dela morrer. Era essa a sensação que devia ter sentido e era isso que senti. Como se alguma coisa estivesse... na minha mente.

Percebi que não estava com o colar que o Neythan tinha me dado, devia ter deixado em casa.

Ele chegou perto de mim e me puxou da cadeira pelo braço me levantando e me manteve ali esperando alguém, vi que era um dos caras dele com o Alam. Só que ele estava meio estranho, com um olhar meio perdido, parecendo que não me conhecia, e ele também não pareceu estar com medo.

— Acho melhor começar a falar.

— Eu não sei. — Falei

Precisava fazer alguma coisa ou eles iriam machucar o Alam e eu não queria isso. Só que também não poderia mentir, ele provavelmente descobriria. O cara que estava com o Alam me olhou impaciente e mexeu na jaqueta dele tirando de lá uma... Faca.

— N-Não pode fazer isso. Eu juro que não me lembro. — Disse tentando me livrar da mão dele, mas ele era mais forte e apertou mais ainda.

Estava começando a entrar em pânico, o cara aproximou a faca perto do Alam me observando.

— É melhor forçar sua memória, florzinha, já sabe o que vem em seguida. Sei que é uma garota esperta.

— Por que não acredita em mim? Você saberia muito bem se eu estivesse mentindo e por que não sabe disso agora? — Falei, com as lagrimas já começando a cair.

Minha única preocupação era com o Alam. Não poderia perdê-lo de novo.

— Por que ele poderia ter ensinado a você como fazer isso direito.

— Mas não, não fez. Não machuque o Alam.

Ele arqueou uma sobrancelha.

— Me deixa ser mais claro, vou contar até cinco e quando terminar quero que me informe o que eu preciso.

— Mas...

— Cinco.

— Quatro.

Eu não sabia o que fazer e isso dava um aperto no coração, eu não conseguiria salvar o Alam.

— Três.

— Não. Eu juro que a única coisa que eu sei é que isso vem de gerações passadas. Possivelmente de um pacto mal feito. O Alexander gostava da Melissa fez tudo aquilo para protegê-la e por isso tem uma maldição nessa cidade. Está destinada a voltar até ele decidir o contrário. Foi um pacto.

Ele me observou em silêncio, estava sem expressão nenhuma, então não sabia dizer se ele acreditou ou não.

— Está me achando com cara de idiota? Acha que eu já não sabia disso? É uma pena você não querer colaborar. Agora vai poder assistir uma coisa inédita na sua vida. Seu amiguinho...

Sabia o que ele iria fazer, tentei puxar meu braço para correr até o Alam, me debatia esforçando-me para me livrar das mãos deles, mas não conseguia, era inútil. Ele levantou o meu rosto para que eu olhasse, e o cara enfiou a faca no Alam.

— Não. Não! — gritei — Não podia ter feito Falei empurrando-o

Ele me soltou e eu corri até o Alam, não sabia o que fazer. Não tinha nada que poderia fazer, acabei chorando mais ainda. Ele era um monstro e eu... E eu...

O que?

Toquei no Alam, mas era a mesma coisa que nada, era como se eu estivesse tocando um... Fantasma.

Alguém me puxou e percebi que ele ainda estava segurando meu braço. Tudo não passou de uma... Ilusão?

-— Você... O Alam...

—É isso o que vai acontecer se não contar o que preciso, acho melhor fazer um esforço. Tudo está na sua cabeça, basta buscar bem fundo.

— Mas você sabe que eu...

— Então faz um esforço. Você é a Melissa. Sei que consegue se lembrar da vida dela... No caso sua.

Fechei a cara pra ele, ele era insuportável, qual o problema dele em entender que eu não sabia nada?

Eu não tinha as informações que ele queria.


Toque de SeduçãoLeia esta história GRATUITAMENTE!