Capítulo 20 - Tempo perdido

496 57 11

Pisco os olhos vagarosamente, meu corpo ainda está dolorido, estou deitada na cama dentro da cabana dos índios, ao meu lado está Dodge arrependido.

-Você está bem? -Pergunta perturbado.

-Sim estou.

-Você nos assustou.

-Mas deu certo. -Me sento queixando-se de dor nas costas.

-É deu sim. Me perdoa.

-Está tudo bem Dodge. O importante é que estamos bem.

-Sim, mas foi uma traição da minha parte. Emmy morreu protegendo este livro, quase você morre também e tudo o que eu fiz foi ser egoísta.

-Sim você foi mesmo, mas ainda pode consertar as coisas. Nos diga aonde está o livro? -Entra Jack perguntando.

-Dodge precisamos pegar de volta. -Peco.

-Posso localizar em um mapa. -Diz ele.

Nos unimos e pegamos um mapa.

-É aqui. -Aponta Dodge para floresta um pouco mais distante de onde estamos.

-Então vamos recuperar o livro. -Informa Marlon.

-Eu conheço este lugar. -Diz Jack.

-É próximo ao vale dos espinhos. -Completa.

-Isto não é bom! -Informo.

-Por que? -Pergunta Júlia.

-La tem um precipício, o fundo é o vale dos espinhos, mas não só isto. Há plantações de verbena em todo o canto. É quase impossível ficar por lá. -Explica o chefe da tribo.

-Mas temos que ir, temos que tentar. -Peco.

+++

Entramos na floresta em grupos separados, procuramos por eles, vejo uma cabana mais à frente.

-Por ali. -Informo a Dodge e Jack.

Andamos até lá, Jack aponta a arma para a porta, bato.

-Eu posso entrar. -Diz Jack.

-Não precisa. -Jeane abre a porta.

-Entregue o livro. -Pede Dodge.

-Vocês não podem lutar. Não vão ganhar. -Ameaça Jeane, o lobo rosna atrás de mim, é Alan.

-Dodge corra! -Peco.

-Não. Vamos lutar. -Alan tenta ataca-lo, mas eu o impeço, logo Dodge luta contra Jeane, mas eles são mais fortes pois são mais velhos. Jack atira em Jeane, mas não a machuca.

-Vou pedir reforço. -Jack informa fugindo e apavorado.

Alan se transforma em humano novamente e me soca no rosto, vejo que Dodge também está apanhando de Jeane, ela tira uma estaca do sobretudo.

-Não! -Grito. O índio Marlon puxa a estaca da mão dela, Alan me chuta na barriga novamente, tusso perdendo o fôlego, Dodge vem para cima de Alan e continua lutando enquanto Marlon luta com Jeane. Fico ao chão cuspindo sangue, tento me levantar, mas Alan e ágil e continua com os chutes, ele luta comigo e Dodge ao mesmo tempo, vejo Jeane lutar com Marlon, ela o soca no estômago até ele cair ao chão.

-Papai! Solte ele! -Pede Gabriela a Alan que machuca terrivelmente seu namorado com socos e ponta pés. O meu pai Thomas a segura e ao lado está Jack.

-Venha comigo Alan. Temos uma conta a acertar. -Ameaça meu pai.

-Solte ela! -Ordena Alan.

-Solte ele! -Pede meu pai. Vendo que o jogo acabou Alan obedece.

-Vocês já perderam mesmo. -Diz ele se afastando de Dodge. Olho para Jeane que está com os livros em mãos.

-É isto que você quer? Então venha pegar! -Jeane corre, vou atrás dela e quem nos segue é Dodge e Jack.

-VITORIA NÃO! -Grita Jack, mas continuo até o fim da linha. Avisto o precipício que leva ao vale dos espinhos. Ela está bem próxima do morro.

-Vitória não faz isto. -Pede Jack.

-Acabou Vitória! -Diz Jeane pronta para pular. Corro como um lobo e a ataco tento morde-la, mas é mais forte e rápida, segura meu rosto para se proteger.

-Isto não é bom. -Diz Dodge.

-VITORIA POR FAVOR. PARE! É PERIGOSO. -Grita Jack, mas continuo a lutar, derrubo-a no chão e rolamos quase caindo do precipício, Jeane está por cima de mim segurando meus dois braços com uma mão só enquanto a outra me soca no rosto né deixando tonta, me transformo em humano e levo mais um soco no rosto.

-VITÓRIA! VITÓRIA! -Grita Jack, olho uma última vez para ele.

-JACK EU PRECISO FAZER ISTO! -Grito encarando a última vez seus olhos cheios de lágrimas. Me transformo em lobo e a empurro, ela me puxa junto ao precipício, caímos morro abaixo.

-NAO!

-VITORIA! -Ouço Jack gritar uma última vez.

Sinto o cheiro da verbena invadir meus pulmões. Eu e Jeane ainda estamos lutando, ela me virar para que eu caia de costas, mas luto fazendo o mesmo, ficamos a girar no ar até que avisto fim do precipício, avisto o vale com espinhos enormes, iremos morrer de qualquer jeito, não tenho mais dúvida, não importa quem irá se chocar primeiro, Jeane me virar novamente e caio de costas. Os grandes espinhos atravessam minha perna esquerda e meu coração, Jeane também é enfiada aos espinhos junto a mim, olho uma última vez a ela, seus olhos se enchem de lágrimas, ela força seus pulmões a respirar e tenta não fechar os olhos, mas este é o fim para nós duas e não há mais nada que possamos fazer a não ser se entregar. Seus olhos se fecham primeiro, luto para sobreviver, sangue sai da minha boca e eu não consigo mais respirar, encaro o céu até meus olhos escurecerem e tudo acabar.

***

FIM
Livro 01

Híbrido - O Despertar Leia esta história GRATUITAMENTE!