No mesmo segundo me arrependi daquilo, eu era louca ou o que? Não devia estar em uma corrida de motos, ainda mais com aquele louco do Lionel. Se eu caísse e me machucasse poderia ser algo grave, corridas assim nem sempre terminavam bem, além disso, nem iria querer ver a reação da minha mãe. Não, minha mãe nem ninguém poderiam saber que eu estava ali. Eu devia estar em casa me lamentando por ter estragado a vida de alguém...

— Não, espera. Eu quero descer, não posso fazer isso.

— Está com medo?

Eu não estava exatamente com medo, não naquele momento, mas eu não poderia pensar só em mim, corridas eram perigosas, alguém poderia sair machucado ou coisa pior.

— Não é medo...

— Tarde de mais. — Disse ele acelerando a moto.

— Não... Não!

Senti que estivesse em uma cena do filme Três Metros Acima do Céu, naquelas cenas de corridas, estava me sentindo uma louca. Todas as motos deram partida correndo em extrema velocidade, eu podia sentir o vento bater no meu rosto e a adrenalina subir pelo meu corpo. Eu estava assustada, mas de alguma forma extasiada.

Quando a corrida começou só foi possível ouvir o barulho ensurdecedor das motos e os gritos das pessoas que estavam ali em volta, eles deram partida ao mesmo tempo correndo em extrema velocidade, eu podia sentir o vento bater no meu rosto e a adrenalina subir pelo meu corpo. Eu estava assustada, mas de alguma forma extasiada.

Não negava que dava uma adrenalina, mas a única coisa que fiz foi me segurar firmemente ao Lionel, não estava a fim de cair e muito menos ver a consequência disso. Meu coração já pulando feito louco.

Eu não fazia ideia de para onde eles estavam indo, eu não tinha parado para pensar antes, mas tinha quase certeza que corridas naquela parte da cidade eram proibidas. Na verdade em todo lugar devia ser. Se... Se a policia chegasse eu estaria encrencada... Precisava parar.

— É melhor parar, não quero mais fazer isso. — Disse, sem ter certeza que ele tinha escutado.

— Não entendi o que você disse. — O Lionel gritou para que eu o escutasse.

Era obvio, com aquele barulho das motos.

— Para a moto. — Gritei

Poderia ter certeza que ele estava rindo, pois seu ombro se elevava.

— Agora não, nunca perco uma corrida.

Dei de ombros. Eu queria descer da moto, sabia que eu tinha aceitado aquilo, mas queria descer.

— Você é louco.

— É melhor se segurar.

— Por quê? — Perguntei, começando a ficar apavorada.

— Essa é a melhor parte da corrida.

Não fazia ideia do que ele estava falando, ele acelerou mais a moto. Tentei olhar para saber onde estava indo, mas não vi nada. Eu comecei a ficar apavorada, cada vez mais eles faziam curvas sinuosas, aceleravam e ultrapassavam uns aos outros.

— O que vai fazer?

— Se segura.

— O que vai fazer? — Insisti

Ele acelerou a moto mais ainda e depois começou a frear aos poucos e novamente acelerou, olhei e vi que estava vindo um carro. Eu entendi o que ele iria fazer, e não estava nem um pouco gostando daquilo.

— Lionel...

— Eu sei. — Ele começou a rir

— Então Para.

— Se segura. É a ultima vez que aviso.

Por mais que não quisesse, apertei meus braços em volta dele, ele era louco e eu não queria participar daquilo, mas também não queria cair de uma moto em alta velocidade.

— Se quer me matar por que não faz isso de uma só vez? Não precisa provar antes que você é louco.

— Vou desviar, fique tranquila.

Ele acelerou a moto ficando frente a frente com o carro, poderia jurar que o motorista estava tão apavorado quanto eu, ele não saberia que direção desviar. Ele chegou muito perto do carro e felizmente conseguiu desviar, quando virou na próxima rua, consegui ver que estávamos quase chegando de onde ele saiu. Ele acelerou mais ainda e foi quando vi que uma moto aparecendo entrando na frente, eu apavorei achando que iria bater, e com o meu azar acabei me soltando e caindo. A minha sorte foi que ele já estava quase parando e voltando ao meu azar tinha me lixado toda... Literalmente.

Ele desceu da moto e ficou me olhando e depois começou a rir.

— Que foi? Vem me dizer que nunca viu alguém cair de uma moto. —Falei, com raiva.

Eu não estava tão machucada quanto esperava estar, a velocidade da moto não estava tão rápido quanto a outra entrou na frente dele, provavelmente ele diminuiu a velocidade a tempo.

— Essa seria a parte em que eu digo... Eu te avisei?

— Essa é a parte em que eu digo que você é um idiota? Machuquei meu braço, ralei meu joelho, isso arde. E para de rir de mim, não tem graça. —Falei, levantando-me dali.

Olhei no meu braço, sorte a minha que foi só alguns aranhões e nada grave, o pior é que isso só acontecia comigo, parecia até que gostava de me machucar. Eram incontáveis às vezes em que me machuquei desde que cheguei ali naquela cidade.

Continuei andando olhando para o meu braço até que esbarrei em alguém.

— Eu... Eu não acredito nisso, Mhylla.

Eu olhei surpresa. Aquela voz... Estava ferrada! Era minha mãe, o Alexander e o Neythan. Como eles sabiam que eu estava ali? E por que o Alexander estava com eles?

Eu estava extremamente encrencada.




Toque de SeduçãoLeia esta história GRATUITAMENTE!