Decidi me afastar dele, era errado o que estava fazendo e sabia disso mais do que ninguém. Quando estávamos juntos, ele não conseguia ficar se quer mais de cinco minutos perto de mim e quando estávamos separados isso parecia não ser um problema.

— Não posso fazer isso.

— Está ficando com ele... — o Neythan disse virando-se

— N-Não! — não era uma pergunta o que ele disse e eu sabia disso, mas... Isso era quase verdade, eu gostava do Neythan e estava de certa forma gostando do Alexander, não tinha certeza da última parte, meus sentimentos por ele eram confusos e eu não estava exatamente ficando com o Alexander, tinha sido só aquele beijo.

E agora meu coração doía por causa isso.

Desci da bancada, teria que limpar aquela água toda antes que a minha mãe voltasse.

— Espera, Mhylla. — Disse ele tocando meu braço.

— O que?

— Quero te mostrar um lugar.

— Não posso ir. — Disse, tentando soar indiferente.

Não tinha dado certo, eu não conseguia parar de pensar nele.

— Não precisa ser hoje.

— Que lugar? — perguntei, deixando a curiosidade me vencer.

— Se você for, vai ver.

— Gosta de me deixar curiosa, né?

Ele sorriu e saiu dali. Respirei fundo e fui procurar alguma coisa para limpar ali. Passei os próximos minutos, — ou hora, ainda não tinha certeza — pensando naquele beijo com o Neythan e tudo o que tinha acontecido ali, e também tentando limpar toda a água da cozinha que parecia se acumular.

Um tempo depois minha mãe chegou com algumas coisas do mercado.

— Nossa! Ele já arrumou? Vou te falar a verdade, eu gostei dele, ele é educado e tem um sorriso lindo.

— Mãe?

— Que foi? É verdade. Ele sim poderia ter sido o seu namorado e não aquele garoto que veio aqui aquele dia.

— Eu já disse que aquele cara não era meu namorado, ele estava provocando.

— Tá. Diga o que quiser.

O lado bom é que ela também tinha gostado do Neythan, o que queria dizer nada de implicação. Como ele era experto. Depois de trocar aquela roupa e fazer alguma coisa para comer sentei-me na sala e fiquei vendo TV. O Alam chegou em seguida e sentou-se ao meu lado pegando meu copo de suco.

— Como foi a entrevista?

— Foi bem legal. Talvez viaje na próxima semana para a preparação do desfile. Mas não se preocupe, eu volto.

— Estou feliz por você. Tem mesmo que sair da cidade? Não pode ser aqui?

— Já está sentindo a minha falta? — perguntou ele bagunçando o meu cabelo

Eu sorri.

— Não é isso.

— Não? — Ele pareceu confuso

Dei de ombros

— Quer dizer, é. Mas eu gosto de você. É o meu melhor amigo, não quero perder sua amizade, não quero que vá embora.

— Esta falando de um jeito estranho. Não vou embora, é só uma viagem rápida.

— Eu sei.

— Tem alguma coisa a mais que queira me dizer?

Balancei a cabeça em negativa, se contasse a verdade correria o risco dele achar que eu era louca, e se não contasse correria o risco de perder um melhor amigo. Não sabia o que fazer, mas obvio que se fosse por ele, escolheria a segunda opção sem pensar. Preferia ser taxada de louca a ter que perdê-lo. Mas não era uma coisa fácil, estava tão confusa que não sabia dizer o quanto.

— Alam? Acredita em... Maldição?

— Ha? Maldição? É claro que não. Por que a pergunta?

— Não, não é nada.

— Tem certeza?

— Tenho.

Quando estava subindo para o quarto o Alexander chegou, estava me convidando para sair, fiquei na duvida. Não é que estávamos juntos... No fundo não sabia exatamente por que estava fazendo isso, apenas queria que ele retirasse aquela maldição da cidade e ficaria tudo bem com o Alam. Eu também não estava o enganando, ele sabia das minhas intenções.

Eu acabei aceitando e sai dali logo antes que a minha mãe visse. Ele me levou para o castelo dele, no caminho recebi uma mensagem da Marcela dizendo que tinha uma coisa para me dizer e também falando para que eu tomasse cuidado com o Lionel porque ele estava tramando alguma coisa. Já nem me importava mais isso, sabia que o Lionel estava fazendo aquilo por causa de uma suposta coisa que aconteceu com ele e o Neythan.

Na semana seguinte encontrei-me com ela na porta da escola, na segunda, já que ela custava aparecer. Fiquei sabendo que a Ambre tinha se juntado com o Lionel e estavam tramando alguma coisa e que era pra eu ter cuidado. Ela disse que apenas o que sabia sobre o Lionel e o Neythan era que o Lionel confundiu alguma coisa e acabou implicando com o Neythan, e obviamente a Loren também estava metida nesta história dos dois. Ela estava disposta a me ajudar e parecia realmente ser uma pessoa boa.

Voltando para casa vi que estava tudo meio... Parado. Era estranho já que o Alam era para estar ali assim como a minha mãe. Fui até a sala onde ela estava arrumando alguns papeis.

— Mãe?! Cadê o Alam?

— Como assim cadê o Alam? Ele foi para o desfile. Era hoje, lembra?

— O que? Como assim? E eu?

— Você?

— Ele... Ele não me disse nada, ele não podia ter saído. Há quanto tempo ele foi?

— Faz uns cinco minutos.

Eu comecei a entrar em pânico. Não!

— Não! Não, não.

— O que foi Mhylla? Ele vai voltar. — Disse ela, espantada olhando minha expressão que, naquele momento, deveria ser de pânico.

— Não é isso.

Eu já tentava conter as lagrimas que se formavam. Ele não poderia ter deixado a cidade. Não mesmo.


Toque de SeduçãoLeia esta história GRATUITAMENTE!