XVII - Melissa Breeze

202 15 6

Essa nossa "viajem" não está sendo nada fácil pra mim e muito provavelmente não está para os outros também, apesar de divertido, tudo já está muito cansativo, estou morta de cansada, meus pés estão me matando e minha cabeça está prestes a explodir.

Eu odiava ter que ficar no deserto, lá tudo era tão sem graça, sem cor e monótono que dava uma tristeza só de olhar ao redor, mas parece que a vida não esqueceu-se completamente da gente, ela nos presenteou com uma floresta linda, um clima agradável e uma paisagem perfeita. Isso era tudo que eu precisava, e também um pouco de descanso, felizmente foi isso que consegui essa noite, dormi como uma pedra, nem me movimentava, só queria ficar sosinha e quieta.

No outro dia de manhã bem cedo acordamos para comer, todos estavam reunidos se ajeitando e comendo, menos Peter que surgiu por entre as árvores com uma cara de cansaço.

-Onde você estava?- Melissa e Coralinne perguntaram.

-Estava aqui perto- Respondeu Peter.

-Eu preciso contar uma coisa pra vocês- Continuou um pouco receoso.

-O que aconteceu?- Perguntou Matthew.

-Não sei se já contei para vocês, mas de vez em quando tenho sonhos, sonhos especiais, e quando os tenho coisas acontecem, coisas muito ruins acontecem. Tudo começa em uma floresta, na maioria das vezes está nevando, vultos pretos começam a correr ao meu redor, e cenas rápidas de pessoas começam a aparecer em minha frente, a pior parte começa agora, quando alguém no meu sonho se desmancha como um quebra cabeça, essa pessoa morre oi acontece algo muito ruim com ela, e essa noite sonhei com vocês, Evelyn estava chorando e Max... Max se desmontou completamente. Desculpa, eu não queria falar isso para vocês, mas era algo muito importante para eu ficar calado- Respondeu Peter com tristeza em seus olhos.

-Isso é muito sério, mas tudo bem, vamos fazer de tudo para proteger Max, não somos nós que escolhemos nosso futuro?- Falou Matthew tentando animar os outros.

-Claro que sim, vamos ficar sempre unidos, um lutando pelo outro- Disse Evelyn tentando ajudar Matthew.

Sinceramente, não estou entendendo nada do que está acontecendo, primeiro o Peter some, depois ele aparece falando que tem uma coisa pra contar, aí ele fala que pode sonhar com alguém que pode morrer, e depois ele fala que sonhou com o Max. Essa vida ta difícil, desde que conheci essas pessoas, minha vida virou de ponta cabeça, mais do que já era, então já deu uma volta de 360 graus, minha vida sempre foi uma loucura, hoje está pior ainda, mas fazer o que, a vida de um escolhido deve ser assim mesmo.

-Vamos, temos que andar, não podemos ficar aqui parados, não se sabe o que habita essa floresta- Falei.

Todos concordaram que era o melhor a ser feito, eles tentavam disfarçar suas angústias e medos com sorrisos, mas não estava dando certo, a preocupação era nítida. Voltamos a caminhar, porém agora em um lugar "agradável".

Depois de algum tempo andando, chegamos em uma parte da floresta onde várias pedras antigas esculpidas em formas estranhas estavam caídas no chão, plantas as cobriam e animais agora moram dentro delas, muitas das estátuas possuem feições humanas, e aquilo é assustador. Começamos a prestar mais atenção no caminho, pois poderia ter algum buraco ou coisa do tipo.

-Muito cuidado onde vocês pisam- Falou Matthew.

Ele mal conseguiu terminar de falar, pode-se ouvir um barulho em baixo de seus pés, gritos vinham das árvores, e do meios das mesmas flechas começado a voar, todos se abaixam, mas já era tarde demais para Matthew, duas flechas atingiram seu peito esquerdo, assim que as flechas o acertaram, as flechas pararam de aparecer, Evelyn estava logo atrás de Matthew, seu rosto estava com um pouco de sangue, ela chorava e gritava muito, já não havia mais o que fazer, o corpo sem vida de Matthew cai no chão.

-NÃO, não você não pode morrer, agora não, por favor- Gritou Evelyn.

-Eu te amo Matthew... não me deixe- continuou e o beijou.

Eu acho que nunca chorei tanto na minha vida como estou chorando agora.

Evelyn se ajoelhou ao lado do corpo de Matthew, lágrimas começaram a sair de seus olhos, uma a uma caindo no corpo dele, um brilho azul começa a sair do local onda antes havia uma poça de lágrimas, a luz foi ficando cada vez mais forte até que chegou em um ponto que era insuportável olhar para ela, quando o brilho cessou, Evelyn estava com uma espada em sua mãos, a espada era de pequeno porte com o formato de meia lua e ondulações sobre toda sua superfície que lembravam a água, ela parecia ser muito leve, Evelyn levantou a mão direita com a espada, seus movimentos eram suaves como o de uma bailarina e altamente devastador como uma tsunami, possuía uma pedra azul redonda na ponta de seu cabo e outra na lâmina e ambas emitiam um brilho forte, ela possuía a coloração azul, era incrivelmente lindo, mas Evelyn continuava a chorar pela morte de Matthew.

The KingdomsOnde as histórias ganham vida. Descobre agora