Prefácio e Prólogo

Começar do início
                                    

Inspirados nessas mitologias, grandes nomes surgiram ao longo dos anos: J.R.R. Tolkien com o seu perfeito "O Senhor dos Anéis"; C.S. Lewis com "As Crônicas de Nárnia", J.K. Rowling, dentre outros grandes nomes da literatura mundial. Esse seguimento só enriquece a literatura fantástica, oferecendo aos nossos leitores livros magníficos e inspiradores.

Como num glossário útil, deixarei aqui nessa 4º edição algumas dúvidas das quais os leitores sempre me questionaram. Esteros sempre foi o meu livro predileto, eu sei que isso pode soar para muitos como egocêntrico, mas sim, autores possuem seus livros prediletos e mesmo depois de tantos manuscritos, tantas leituras de outros autores, ainda mantenho um carinho diferenciado aos livros de Esteros, em especial a esse primeiro volume, pois foi nele onde criei meus primeiros personagens, meu primeiro contato e aprendizado com as palavras vieram daqui. Foi através dele que dei vida a Vamcast, um personagem que sempre existiu no ângulo tênue mais profundo de meus sentimentos.

Sobre as minhas inspirações, como eu disse no parágrafo anterior, foram muitas. Bernard Cornwell talvez tenha sido a maior na selvageria, Tolkien no mundo fantástico e Rowling a musa inspiradora da magia. Embora muitos acusem Esteros de ser plágio de Westeros, afirmo que ainda não li nada de R. R. Martin e nem o conhecia em meados de 2010, ano que publiquei o meu primeiro livro. É claro que eu ouvi falar que Martin já escrevia e publicava seus livros no exterior, no entanto o meu livro foi publicado antes de Games of Thrones no Brasil e o meu inglês sempre se limitou ao uso do Google Tradutor, por isso, conheço poucos autores não traduzidos, e sem o velho e bom tradutor soletro apenas simples palavras às quais aprendi em meus anos de jogatinas online. Para os leigos, deixo claro que ESTEROS é uma inspiração minha a uma floresta ecológica na Argentina. Quando eu procurei por alguma inspiração para poder criar o meu mundo fantástico muito passou em minha cabeça, eu pensei em usar o Pantanal ou a Amazônia, mas achei que seria óbvio demais e não combinaria com a mitologia de Esteros, então em uma rápida pesquisa, me deparei com Esteros o que foi amor à primeira pesquisa. Já o personagem Fedors surgiu inspirado no lutador Fedor Emelianenko, pois quando atuava eu via nele força e determinação. Fedor era um lutador subestimado pelo seu preparo físico peculiar, pois sempre estava acima do peso, mas surpreendia seus adversários com seus golpes certeiros. Enfim, o personagem surgiu do meu gosto pelo MMA: modalidade esportiva de artes marciais mistas do qual sou um grande fã.

Ser fã dos personagens mitológicos, especialmente de orcs, elfos, anões, gnomos e fadas, me fez desejar criar a minha própria história nesse gênero. Criando personagens a meu modo, com crenças e costumes particulares para Esteros, dei vida às novas raças e povos. A mitologia esteriana se constrói ainda na infância da humanidade. Tudo começa após a traição dos anjos ao seu Deus Supremo. Essa traição desencadeia a destruição do primeiro paraíso, recriando o céu e inferno, juntamente com os novos mundos e planetas.

A criação da mitologia esteriana é baseada em fatos fictícios e científicos relacionados ao universo, e também aos seres vivos em geral. É claro que essa teoria recusa a aceitação de um Criador. Devemos, porém destacar o fato de que a teoria do big-bang é, na verdade uma consequência de outra teoria: a teoria do universo em expansão. Para deixar a mitologia mais realista inseri um Deus sobre ela, juntei todo o meu conhecimento religioso e teórico e acabei criando algo "inovador" mesmo utilizando algo antes explorado.

Quando o grande paraíso se tornou um lugar de prostituição e desordem, o Criador pôs fim em toda a sua criação. No entanto, por amar intensamente os seus filhos, salvou os puros, "as crianças". Os Deuses da mitologia esteriana ganham vida após esse episódio. São trinta deuses espalhados por todos os universos, cada qual com o seu legado: cuidar das vidas que lhes foram designadas. Seguindo essa teoria do big-bang, deixo a imaginação do leitor fluir de modo que isso relacione outros "mundos" aos esterianos. Talvez o nosso mundo possa fazer parte da mesma galáxia de Esteros. Isso é perfeito, porque poderei um dia inserir os seres humanos na trama do livro.

Os livros de Esteros - As crônicas de FedorsOnde as histórias ganham vida. Descobre agora