Surpresa

100 4 0

Digamos que nunca gostei de falar de mim. Quase nunca falei sobre mim para ninguém, até porque a minha historia não é algo de interessante para se contar. Mas tem que ser, certo?

Vamos lá...O meu nome é Emma Swan, tenho 28 anos, não que isso seja importante, e estou à menos de 7 meses de volta a StoryBrooke, a minha terra natal, depois de deixar Boston para trás das costas e tudo o que vivi lá.

Enfim, desde que voltei sou uma pessoa um pouco solitária, embora os meus antigos amigos continuem me apoiando e me aguentando, não sei como porque às vezes nem eu me aguento.

Como eu já disse, voltei para StoryBrooke à 7 meses e vivo com os meus pais num pequeno apartamento, estou desempregada e vivo, praticamente, às custas dos meus pais e de algum trabalho voluntário que faço às vezes na Delegacia com meu pai e Graham e, eu sei, preciso urgentemente arranjar um emprego.

No longo período de 5 anos em que vivi em Boston tive um relacionamento igualmente longo com um homem cujo nome eu odeio pronunciar mas é Neal Cassidy, relacionamento do qual sai mais quebrada que um espelho em casa de uma pessoa desastrada, ele foi uma grande decepção da qual eu prefiro não falar ou lembrar, pois ele foi o responsável pela minha actual descrença no amor e em finais felizes que só, me ouça bem, só existem em contos de fadas. Eu sei que por mais que eu queira esquecer eu nunca vou, mas vale a pena tentar.

Minha melhor amiga, Regina Mills, é o oposto de mim. Ela é super alegre e cheia de vida, é como se ela fosse um filme em 3D e eu um filme a preto e branco sem som, percebeu a diferença entre nós agora? Ela é a prefeita de StoryBrooke e todo o mundo a respeita, porque se não respeitarem ela é capaz de virar um monstro, acreditem em mim, eu já o vi. Ela é 2 anos mais velha que eu e sempre que estamos juntas ela tenta fazer sempre o seu melhor para me animar e me fazer esquecer do passado e digamos que ela se sai bem na sua tarefa. Ela é a única pessoa em que eu confio, tirando os meus pais, eu conheço-a tão bem quanto a palma das minhas mãos ou as letras de todas as musicas de um CD dos Bon Jovi.

– Caramba! Pensei que tinha perdido o celular! - Regina reclamou fingindo estar brava.

– Me desculpe senhora perfeita da cidade, eu não posso levar o celular para debaixo do chuveiro, posso? - Falei com o melhor tom de sarcasmo que conseguia arranjar no momento.

Coloquei o celular com o volume no máximo e o joguei na cama enquanto continuava a secar o meu corpo e procurava um pijama decente no guarda-roupa.

– Como raios eu ia adivinhar que você estava no banho, senhora desempregada?

– Porra Regina! Fala logo o que quer e pare de encher o meu saco! - Eu amava falar palavrão porque sabia que ela odiava e digamos que eu tenho uma alma que gosta de implicar.

– Eu queria te convidar para jantar comigo aqui em casa, pode trazer a sua mãe se quiser. Caramba, Emma! Eu quase não te vi esta semana!

– Desculpe, Regina. Já que está tão preocupada assim em eu não passar tempo com você, vou passar o fim de semana todinho com você. Meus pais estão precisando de ter a casa só para eles para...você sabe. Quanto ao jantar, eu to indo para ai e vou levar a minha mãe sim, meu pai ficou trabalhando com o Graham até tarde e não quero que ela fique sozinha.

–Tá, vê se não demora.

– Ta bom. - Desliguei o celular.

Bem, parece que a minha ideia de fingir que estou dormindo e fugir no meio da noite para ir num bar não ia dar certo.

Deixei a toalha cair e fiquei me olhando no espelho durante uns segundos, a antiga Emma, bonita e charmosa tinha, com certeza, ficado em Boston.

Enquanto eu procurava uma roupa qualquer me lembrei de uma coisa e rapidamente me arrependi de ter aceitado o convite. Ultimamente Regina andava viciada numa série chamada "Noites em fuga" e ela ficou completamente encantada com o ator que faz o papel principal, um tal de Killian Jones, nome estranho, né? Com certeza enquanto estivéssemos jantando 9 em cada 10 assuntos seriam sobre esse tal homem que não me diz absolutamente nada. Ele não é tão maravilhoso assim como ela fala, não que eu não goste dele, mas Regina exagerava quando falava que ele era o homem mais lindo que já tinha isto. Eu falo isso porque em todas as revista de fofoca que a minha mãe compra e nas quais eu Às vezes dou uma olhada ele está lá, tem sempre uma mulher diferente do lado, ele não passa de um ator metido.

Talking to the moonOnde as histórias ganham vida. Descobre agora