Capítulo 1

57 3 0

Passei a mão nos seus cabelos negros carinhosamente enquanto vi-a os seus olhos azuis se fecharem para se concentrar somente no meu toque. Era alarmante saber que a qualquer momento alguém podia entrar no camarim e nos descobrir, mas a sensação de perigo deixava tudo mais gostoso. Era difícil encontrar alguém que já não desconfiasse de nós no set, os olhares, os sorrisos, os abraços, tudo nos entregava, mas era quase impossível controlar.

Me levantei do seu colo e caminhei até a uma outra cadeira onde a jaqueta da minha personagem estava, a peguei e a vesti, em breve Adam nos chamaria para ir gravar e eu precisava estar pronta, se não levava uma bronca como se fosse uma criança. Olhei para Colin e ele me olhava de volta com um sorriso bobo no rosto. Ele se levantou também e andou até ao meu estojo de maquiagem tirando de lá o lápis de olho e fez um sinal com a mão me pedindo para me aproximar e assim o fiz. Peguei o lápis e comecei a passar nele tentando fazer o mais certinho possível, afinal não sou uma maquilhadora profissional e muito menos estou habituada a maquilhar homem. Ouvi Ed gritar meu nome e eu não consegui segurar a risada junto com Colin. Demos um ultimo beijo e saímos dando uma desculpa esfarrapada do porquê estarmos no meu camarim trancados à meia hora. Eu estava extremamente feliz e nada poderia ser melhor...só de pensar que no fim de gravarmos a quarta temporada eu e ele iríamos viajar...

–-------------------------

Me inclinei sobre a varanda olhando o visor do celular esperando ansiosamente por uma ligação dele. Não podia acreditar que ele estava fazendo isso comigo! Uma semana depois do fim das gravações ele some sem deixar rastro e fica me ignorando por mais de um mês! Lana entrou nesse momento na varanda e colocou a mão no meu ombro, possivelmente se preparando para falar algo, mas acabou por ficar calada do meu lado. Melhor assim. Eu não queria ouvir ela, queria ouvir a voz do Colin.

Lana tentava arranjar uma explicação plausível para isso ter acontecido, mas era quase impossível. Era como se ele tivesse desaparecido do mapa. Estive com ela até à noite e quando me fartei de esperar, pela milésima vez, uma ligação dele ou ele atender o celular me despedi de Lana com um abraço e voltei para o meu apartamento vazio e solitário. Será que tinha acontecido algo com ele? Não, alguém teria me avisado. Ele nem era capaz de me mandar um sms me falando que estava bem! A única coisa que me estava conseguindo acalmar ultimamente era mesmo falar com Lana ou passar o dia com Josh e Ginni.

Entrei em casa e mal liguei a luz da sala levei um susto enorme ao ver a minha mãe deitada no sofá lendo um livro, como se fosse super normal ela estar ali. A primeira coisa que se passou pela minha cabeça era que aquilo era uma alucinação e eu tinha endoidado de vez, mas quando ela se levantou do sofá e disse um alegre " Oi Jennifer!" eu percebi que era mesmo ela. Fiquei petrificada olhando para ela que me analisava de cima a baixo como se eu fosse um alien. Ela já não me vi-a à algum tempo, mais ou menos sete meses, e, se calhar, eu tinha mudado um pouco, não sei. Ela abriu os braços e eu corri para ela deixando cair a minha mala cheia de guiões e livros no chão a abraçando com força de seguida como se ela fosse a minha tábua da salvação. A ultima vez que eu a tinha visto tínhamos tido uma discussão por causa de eu não passar muito tempo com ela nem com David, meu pai, e eles pensaram mesmo em me obrigar a desistir da série para me dedicar mais a ele, mas parece que tudo agora estava bem entre a gente. Como ficar chateada com essa mulher? Impossível.

– Tive tantas saudades suas, minha querida. - Ela me soltou um pouco do seu abraço e depositou um beijo na minha testa levando as mãos ao meu cabelo e brincado com eles como se fosse uma criança pequena.

– Também tive saudades suas, mãe...- Pela primeira vez em semanas sorri verdadeiramente. Obrigada por estar aqui, possivelmente Lana lhe contou sobre eu e...- Ela não me deixou terminar pois passou a mão no meu rosto e só ai percebi que tinha deixado escapar uma lágrima.

– Sim, ela contou. - Lana era a única, para além de Ginni e de Josh que sabiam sobre o meu caso com Colin, afinal ele ainda era casado e tinha um filho e possivelmente eu e ele juntos seria um barraco enorme. - Sei também que ele não dá noticias à uns dias. Não se preocupe, Jennifer. Ele vai ligar.

– Não sei, mãe...para falar a verdade já perdi a esperança. Possivelmente ele voltou para a Irlanda com a Helen e com o Evan, talvez seja mesmo melhor desse jeito. - Me soltei dela e peguei a mala do chão a atirando sobre o sofá e me dirigindo para a cozinha sendo seguida pela minha mãe.

– Quer que eu prepare o jantar? Ainda sei qual é a sua comida favorita e...- Eu concordei e a ajudei a preparar o jantar. Perguntei sobre o papai e ela falou que eles estavam hospedados num hotel ali perto e que ele não conseguia vir aqui em casa porque estava com dores, o que me arrancou uma gargalhada. Ela passou o resto da noite comigo até ela receber uma ligação do papai super preocupado por ser uma da manhã e ela não ter voltado ao hotel, então, a pedido do meu pai, ela voltou, não sem antes me dar um dos seus conselhos de mãe.

– Colin? Colin? Está me ouvindo? Fale alguma coisa! - Mal a minha mãe fechou a porta peguei no celular e liguei para ele e, finalmente, fui atendida.

– É a Jennifer. - Ouvi uma voz que parecia a de Helen e rapidamente ouvi um ruído muito forte, como se o celular tivesse caído no chão ou algo assim. - Vai mesmo atender?

– Vou sim. - Finalmente ouvi a voz dele e um outro ruído preencheu a linha quase me deixando surda pela segunda vez. - Jen?

–----------------------

Eu não falava com Colin fazia mais de uma semana e da ultima vez que eu o ouvi chamar o meu nome a linha foi a baixo, então ele nunca mais volto a ligar. Lana, quase literalmente, me sequestrou e me obrigou a ir num bar junto com o Sebastian e o Sean e quando lá chegamos eles os dois já estavam sentados conversando animadamente. Lana se sentou do lado de Sean e eu me sentei do lado de Sebastian pedindo a uma moça que trouxesse café para nos os três. Esse era um dos bares que Lana costumava frequentar nos finais de semana e eu sempre me perguntei o que eles tinham de especial e eu rapidamente percebi: Boa musica e homens bonitos.

– Quer vir cantar, Jen? - Sebastian me perguntou enquanto Lana me olhava super divertida me incentivando a ir.

– Claro...porque não? - Me levantei ajeitando o meu vestido e peguei na mão dele deixando que ele me dirigisse até a palco do Karaoke. Eu não o vi-a à bastante tempo desde que a sua personagem, o Chapeleiro louco, deixou de aparecer na série.

– Quer ajuda? - Ele estendeu a sua mão para me ajudar a subir nas escadas que davam para o pequeno palco e eu a agarrei sendo levada por ele para o meio do palco onde um homem meio baixo deu a cada um de nós um microfone.

– Muito bem, Sr. Louco, o que vai ser? - Perguntei brincando com ele enquanto ele passava o braço pela minha cintura e fazia sinal para o DJ colocar a musica que iríamos cantar para tocar.

–-----------------------

– Então...ouvi dizer que você e o Colin estão brigados...- Ele disse enquanto me ajudava a descer as escadas por conta do vestido que era curto e colado no corpo e sempre que eu dava um passo subia mais do que eu queria.

Não respondi e quando cheguei no fundo das escadas andei em passo apressado até À mesa onde deveriam estar Sean e Lana e...eu não acredito que aquela vadia fez isso! Ela tinha planeado tudo! Peguei a minha bolsa e o meu casaco e sai do estabelecimento sendo seguida por Sebastian que gentilmente se ofereceu para me levar a casa e eu aceitei.

– Então...quer sair de novo amanhã? - Ele perguntou quando chegamos na porta do meu prédio.

Abri um sorriso e disse um pequeno e delicado "Não, me desculpe, vou estar ocupada". O sorriso que anteriormente estava no seu rosto sumiu e ele me deu um abraço de despedida indo embora rapidamente. Subi para o meu apartamento e mal lá cheguei atirei a mala para cima do balcão da cozinha e andei lentamente até ao sofá onde me deixei cair fechando os olhos completamente cansada.


It will rainOnde as histórias ganham vida. Descobre agora