Capítulo 21

4.1K 408 160

Nina Novaes.

Devo ter dormido por no máximo uma hora, o que foi bem pouco comparado ao que dormi esta noite e as horas de sono acumulado que eu estava. Mas é claro que eu teria dormido muito mais, não fosse pelo barulho estridente e irritante que meu celular fazia quando tocava. Por que não o joguei dentro do armário quando cheguei mesmo?

O pego nas mãos e vejo na tela a foto do meu melhor amigo com um enorme sorriso no rosto. Sorrio, porque tenho a certeza de que não é esse o sorriso dele no momento. Posso até imaginar a carranca que está.

─ Bom dia, mais novo papai. Você não costuma me ligar quando está trabalhando ─ o atendo tentando me animar e ignorar meu sono e a vontade de xingá-lo por ter me acordado, pois sei que agora ele precisa de mim e de Sofia.

E aí, engraçadinha. Não fui trabalhar hoje, porque acabei de acordar. Inclusive preciso de um atestado. Coloca aí que eu sofri alguma coisa do coração, o que não vai ser totalmente mentira.

Dou risada, lembrando da cara dele na noite passada enquanto me contava as boas novas.

Ahã, claro! ─ digo irônica. ─ Mas o que você queria comigo?

Quero falar sobre o bebê. Inclusive quero te xingar também por contar pra Sofia. Aquela baixinha mal esperou eu abrir os olhos pra começar a me bater. E porra, ela tem a mão pesada!

─ Ótimo, agora você já apanhou de mim e dela. Ainda precisa de mais alguns tapas pra ver se aprende a ser menos irresponsável. Um filho, Celo? Você não sabe mais o que é camisinha não?

─ Eu usei, porra! Por isso tô ficando maluco de tanto pensar. Preciso fazer o teste de DNA.

─ Quando a criança nascer, né?

Não! ─ ele quase berra. ─ Não vou ficar nove meses nessa dúvida se é meu ou não. Quero fazer o teste agora.

─ Celo, o exame de DNA antes do bebê nascer oferece um risco de aborto. É um risco pequeno, mas ainda assim. É preferível fazer depois que a criança nasça. Ah, e é bem caro.

Foda-se! ─ chiou, parecendo irritado e eu não sei se ele se refere ao fato do risco de aborto ou por ser caro. ─ Vou dizer a Luiza pra ligar aí e marcar o exame pra semana que vem.

─ Também não é assim. Só pode ser feito a partir da nona semana de gestação. Se lembra de quando vocês...

Transamos? E eu lá tenho cara de quem fica marcando essas coisas? É claro que não!

Reviro os olhos, porque sei que mesmo com toda essa história de filho e responsabilidade, no fundo Celo seria sempre... O Celo. O cara que a única coisa que levava a sério na vida era seu trabalho e a segurança daqueles que ama. O resto era resto.

(...)

Almoço com o Will, que tenta me tranquilizar de todas as maneiras possíveis. Apesar de reconhecer seu esforço, continuo uma pilha de nervos. Só faltava uma hora para a cirurgia e eu mal conseguia comer para me manter de pé.

Meu pager bipa, seguido do de Will. Ele lê o visor no mesmo instante que eu.

─ Ramon também? ─ pergunto. Ele assente e se levanta. ─ O que nós fizemos de errado?

Anjo (COMPLETO)Leia esta história GRATUITAMENTE!