Capítulo 20

3.6K 405 69

Nina Novaes.

Olho da garrafa para o Marcelo e do Marcelo para a garrafa. Ele só podia estar alucinando, porque eu quase não havia bebido e não podia estar ouvindo coisas.

─ Como é que é?

─ Eu. Vou. Ser. Pai. ─ ele repete pausadamente e com a voz mais embargada que nunca.

A expressão no rosto dele é uma perfeita mistura de "vou me matar" e "estou ficando louco", mas ainda não consigo acreditar, de modo que tento ser lógica.

─ Para com isso, Marcelo! Que brincadeira sem graça! ─ eu dou um tapa em seu ombro e passo por ele. ─ Vamos pra casa, vai! Já deu por hoje!

─ Olha a minha cara de quem tá brincando, Nina ─ ele grita porque agora estamos próximos a pista de dança. Nem dou atenção. ─ É sério, porra! A Luiza tá grávida! Era isso que ela queria me contar.

Luiza. Certo... Paro de andar e viro o corpo para ele, cruzando os braços.

Ahã. E onde ela está? Hein? Quero perguntar pra ela! Como ela sabe que o filho é seu? Ela não dá pra todo mundo? Hein, Marcelo? Cadê?

Acho que estou berrando enquanto empurro as pessoas na direção contrária a pista. Não sei bem porque, mas quero bater nela. Percebo que estou meio alterada no momento em que ele me pega no colo e começa a me levar nas costas de uma maneira muito estranha. Está me carregando em direção à saída e eu estou berrando coisas como "CADÊ AQUELA MENTIROSA???"

Certo, talvez agora eu estivesse sentindo o efeito daquela bebida que o Marcelo me deu quando cheguei.

É somente quando chegamos lá fora que ele me põe no chão e eu por fim paro de agitar os braços. Acho que estive batendo nele.

─ Por que você faz essas coisas quando está bêbada? ─ ele pergunta, parecendo chateado enquanto alisa as costas.

─ Eu não estou bêbada! Estou muito puta! ─ volto a gritar. ─ Ah, meu Deus... Meu Deus... ─ começo a murmurar e a andar em círculos, mas ele nem dá atenção. ─ Marcelo!

─ Que é, porra?

─ Você vai ser pai mesmo? ─ pergunto com a pior voz que tenho. Acho que vou começar a chorar ou a vomitar.

─ Foi o que aquela maluca disse!

─ Mas... Mas ela dá pra um cara diferente a cada fim de semana!

─ Eu sei.

Quando percebo que estou chorando, começo a rir de um jeito muito escroto. Gente, como eu detestava ficar bêbada. Me sento desajeitada no meio da calçada, sentindo a cabeça girar. No que essa noite tinha se tornado, pelo amor de Deus?

─ Você não pode ser pai! ─ eu murmuro baixinho e coloco a cabeça entre os joelhos. Acho que estou mais preocupada do que ele.

─ Jura? ─ ele pergunta ironicamente e se senta ao meu lado. Está passando as mãos pelo cabelo e resmungando alguma coisa.

Eu não sabia o que pensar. Aquela Luiza só podia estar mentindo... Como ela podia ter certeza de que o filho era do Marcelo? Eles só transaram uma vez, não?

Ergo a cabeça e olho para ele, que parece estar dormindo de olhos abertos.

─ Ei... ─ chamo e ele me olha. ─ Cadê aquela garrafa de vodka que você estava bebendo, hein?

(...)

Não sei que horas são, mas sei que estamos no meu apartamento, pois reconheço os sofás. Tento focalizar alguma coisa, mas ainda estou meio zonza. Marcelo está com o braço em cima de mim e eu com a cabeça no colo dele.

Anjo (COMPLETO)Leia esta história GRATUITAMENTE!