Capítulo 16

4.2K 424 124

Nina Novaes.

─ Mais um? ─ Sofia pergunta ao entrar na sala e colocar os olhos no pote de sorvete ao meu lado. ─ Acho que você já acabou com o estoque do supermercado!

─ Esse é o só o terceiro ─ dou de ombros.

Ela se senta ao meu lado no sofá e tira o pote das minhas mãos, roubando também a colher. Dá uma olhada no filme que estou assistindo e depois faz uma careta.

─ Cruzes! Diário de Uma Paixão? ─ ela olha para mim e me devolve o sorvete. ─ Já fazem duas semanas! Quando essa sua depressão vai passar?

─ Não estou em depressão. É só TPM e...

─ Eu sei, eu sei... Ela faz tudo parecer pior ─ ela me interrompe e eu assinto com a cabeça. ─ Mas escuta, Ni... Você sabe o porque o Alex terminou, não sabe?

─ Não! E não tente defendê-lo!

─ Não estou tentando. Você mesma me disse que ele falou que não quer que a relação de vocês vire outra coisa. A outra coisa só pode ser amor, amiga. O que significa que... ─ ela espera que eu continue, mas não o faço, pois estou vendo o gostoso do Ryan Gosling tomando chuva no filme. Sofia revira os olhos e continua por mim: ─ Significa que ele tem medo de amar.

─ Sofia! Pelo amor de Deus... Eu preciso que você o odeie comigo, entendeu?

─ Você só está magoada, por isso não quer enxergar os fatos ─ ela dá o assunto por encerrado e pega o pote de sorvete.

Depois de um tempo em silêncio (ao qual assistimos ao filme com a maior cara de inveja pela atriz), resolvo retomar ao assunto, porque eu não podia fugir dele para sempre.

─ Qual é o problema em amar?

Ela olha para mim com carinho e depois me abraça de lado.

─ Nenhum. Mas deixemos o Alex um pouquinho para lá... E quanto ao Willian? Você me disse que ele tem te cercado nos almoços e que sugeriu um jantar a qualquer dia desses, não?

─ Sim...

─ Por que você não marca de uma vez? Ele parece ser um cara legal.

─ Mas não é o Alex.

Digo porque é a verdade. Willian é um dos caras mais fofos que eu já conheci na vida e quando eu digo fofo, é fofo de verdade! Ele não força a barra, entende quando não estou a fim de papo no almoço e apenas fica ali por mim. Mas não sei se estava preparada o suficiente para sair com ele e conhecê-lo melhor. Afinal, qual a chance disso dar certo? Eu estou apaixonada por um cara que não está nem aí pra mim (pelo menos não mais) e vou sair por aí com outro para tentar "tampar o buraco"? Não daria certo.

─ É claro que não. Mas você pode sair um pouco e dar uma chance para o cara, sabe? Jogar conversa fora e dançar. Não custa nada!

Dou de ombros. Custar não custava, mas... Argh. Ela até que pode estar certa.

─ Tá, tá, quem sabe um dia? ─ digo enfiando outra colherada de sorvete na boca. ─ E quanto a você e o Miguel?

Ela se apruma toda no sofá e parece radiante.

─ Ah, amiga, ele é fantástico! É gentil e carinhoso e gostoso! ─ ela grita a última parte. ─ Meu Deus, já te disse o quanto ele é bom de cama?

─ Já, Sofia! Acho que umas três vezes só entre ontem e hoje.

─ Preciso te contar os detalhes da nossa noite!

─ Não precisa não.

─ Ai, credo, amiga! ─ ela faz bico e eu começo a rir. ─ Ah, até que enfim um sorrisinho! Você tem estado como se estivesse de luto, cruzes!

Anjo (COMPLETO)Leia esta história GRATUITAMENTE!