Levantei-me na intenção de ir atrás do Veni, mas o Alexander segurou meu braço. Respirei fundo tentando manter a calma, eu não poderia descontar minha raiva no Alexander porque o erro foi meu, mas se bem que ele também tinha culpa, pois foi ele que tinha começado tudo aquilo.

Eu estava confusa, mas estava certa do que iria fazer.

— Não faça isso. Se tiver consideração por mim, me deixa ir. — Eu disse e ele me soltou

Minha mãe levantou-se do seu lugar e me lançou um olhar de indignação.

— Nem pensem em vir atrás de mim.

Sai dali e fui procurar o Veni, tinha que tentar explicar o que tinha acontecido, mas duvidava muito que ele iria me escutar. Eu o vi indo embora sem ao menos olhar para trás, a moça que estava com ele parecia meio confusa, ela arqueou uma sobrancelha quando me viu passar.

— Neythan, espera.

— É melhor você voltar. — Disse ele continuando a andar.

— Não! Eu tenho que te explicar uma coisa.

— Não precisa. Você não me deve explicações.

— Eu tenho que explicar! Você entendeu tudo errado.

Tirando a parte do beijo, ele não poderia ficar achando que eu gostava do Alexander, porque eu gostava dele, só que também não tinha coragem o suficiente para dizer isso a ele. Mesmo que ele não quisesse me perdoar, eu queria fazer com que ele entendesse o que realmente tinha acontecido... Quer dizer, da melhor forma possível.

— Eu sei o que você vai dizer, não precisa perder seu tempo. — Ele falou apertando o passo, eu corri e parei na frente dele.

— Não estou perdendo tempo. Será que dá para parar um pouco? Quero falar com você.

Perder tempo? Claro que não eu nunca perdia tempo quando estava perto dele, eu sabia que não seria fácil tentar explicar a verdade, pois ele tinha visto o beijo, o que realmente tinha acontecido. Mas a verdade era que o Alexander era o culpado, ele tinha me provocado aquela noite e também, eu não conseguia me controlar, foi um ato impulsivo.

— Tenho coisas para fazer, eu não quero conversar agora.

— Vai me ignorar agora? — perguntei

Ele desviou o olhar do meu, parecendo estar impaciente.

— O que quer que eu diga? Que eu avisei? Que eu tinha razão?

Eu olhei para ele sem dizer nada, o pior é que ele tinha razão, ele tinha me avisado um monte de vezes, só que eu acabei cedendo e acabei naquele beijo do Alexander. Eu era a verdadeira culpada.

— Não fiz aquilo por querer. — Falei

— Ele sim!

— Não posso controlar o que ele faz, Neythan.

— O que você faz pode. — Disse ele fazendo questão de dar ênfase no você — Eu sempre faço isso quando estou perto de você, eu sempre tento me controlar.

— Não o beijei de propósito. — Disse, quase implorando para que ele tentasse entender a situação, se bem que, nem eu conseguia entender.

— Não precisa explicar!

— Mas Neythan...

— Não chega perto, não sei se posso me controlar agora. — Ele afastou-se um passo para longe de mim, suas mãos ainda estavam na jaqueta e ele tinha uma expressão muito séria. Ele estava com raiva.

— Vai ficar com raiva de mim?

— Eu sabia que essa história nunca iria dar certo. — disse ele e continuou andar.

Eu não poderia fazer nada, era claro que eu tinha culpa. Se não quisesse aquele beijo teria recusado, só que na hora eu não consegui e também o Alexander não devia ter feito aquilo, agir com aquela intimidade toda, o pior de tudo foi minha mãe achando que a gente estávamos juntos. Apostava que se fosse outra pessoa ela começaria com aqueles discursos de pais: que eu ainda não poderia namorar que deveria tomar cuidado, certas precauções e tal.

Eu não voltei para o restaurante, eu não queria conversar com aqueles dois, eu não queria ver o Alexander e muito menos minha mãe com aquelas conversas dela, eu só fazia burrada mesmo.

O Neythan já tinha problemas demais e eu só piorava a situação, talvez ele estivesse certo em ficar longe de mim, eu não iria insistir no assunto, mesmo que isso fosse difícil pra mim.

Chamei um táxi e fui para casa, chegando lá meu pai estava vendo alguma papelada, obviamente deveria ser do trabalho.

— Cadê sua mãe? — Perguntou ele olhando a porta atrás de mim.

— Aconteceu uma coisa. Eu decidi vir na frente.

— Vocês discutiram de novo?

— Não foi bem isso pai.

— Acho que ela pode me explicar depois. Sua mãe já te disse?

— O que? — Perguntei confusa, parando perto do sofá.

— Como a reforma da cozinha está quase pronta, agora eles vão reformar o seu quarto e o andar de cima, então enquanto isso, você vai ter que ficar no hotel.

— Como assim Hotel? Quer dizer... Ela não me disse nada.

— É a partir de amanhã. O Hotel fica perto da escola, dá para ir andando.

— E vocês? — perguntei, obviamente aquela reforma iria demorar algum tempo, então eles gastariam muito com o hotel e com isso também tinha a rotina deles. Eles teriam que levar muita coisa relacionada ao trabalho para lá.

— Vamos ir também.

— Está vendo? Eu disse pra ter reformado a casa antes de virmos pra cá. Agora tem que ficar se preocupando com isso.

— Tínhamos coisas urgentes para fazer na cidade, não podíamos esperar. Por isso a mudança foi rápida.

— Ah, ok. Entendi!

Eu fui para o meu quarto e fiquei sentada na cama. Tudo o que eu queria era distância do Alexander e queria que a minha mãe voltasse ao normal. Eu não era a Melissa e se de alguma forma fosse, já não importava mais. Essa era uma nova vida e eu tinha que decidir o que eu queria, mas ele insistia em agir como se soubesse tudo sobre mim. Se a Melissa teve alguma coisa com ele, isso passou, só que eu não iria fazer isso.

O Veni tinha razão, se eu quisesse tinha como controlar meus sentimentos, ninguém poderia mudar o que eu sentia.

Eu tinha que mostrar para o Neythan que eu poderia controlar o que sentia, e que o Alexander não iria mais chegar perto de mim com aquela intimidade toda, se ele podia se controlar quando estava perto de mim, eu poderia fazer isso quando estivesse perto do Alexander.

Na verdade era fácil falar, difícil era fazer, eu não conseguia nem pensar direito quando ele chegava perto de mim, quanto mais controlar o que eu sentia.

— Aiii, que ódio. — Disse eu, deitando-me na cama e tentando controlar as lagrimas que estavam quase saindo.

O Alexander tinha conseguido estragar as minhas lembranças do Neythan, agora só me lembrava da burrada que tinha feito e o quanto ele tinha ficado com raiva de mim. Eu estava cm raiva de mim mesma, se fosse mais atenciosa, não teria prometido aquilo a minha mãe sem perceber, se bem que o motivo para a minha distração, era muito atraente.

Não! Eu estava perdendo a concentração de novo, agora ele estava com raiva de mim, eu nem sabia se ele voltaria a conversar comigo.


Toque de SeduçãoLeia esta história GRATUITAMENTE!