Capítulo 6

14 2 0

Hoje não teve nada demais aqui no CRA(Centro de Reabilitação para Adolescentes) então resolvi contar um pouco de minha história.

Há alguns anos atrás quando eu tava com 12/13 anos eu vi uma amiga minha morrer, eu fiquei louca. Não saía de casa, me tracava para Deus e o mundo, meus pais já estavam preocupados com a minha falta de interese pela vida." Só foi uma amiga" dizia minha mãe " Outras viram" completava meu pai mais oque eles não sabiam era oque realmente tinha acontecido ali, eles apenas julgavam saber ou simplesmente falavam que era uma fatalidade. Os policiais fizeram uma perícia e montaram uma história totalmente reversa ao acontecido mais eu não podia falar antes de morrer nos seus últimos suspiros Manoelly ou Elly como preferia ser chamada por odiar o seu nome. " Meus pais são seres sem criatividades! Quando eu crescer vou mudar meu nome para Áries. É quando alguém pregunta o meu nome eu abrirei um sorriso e com maior prazer falarei", ela falou para eu não contar para ninguém e eu venho mantendo essa promessa ate hoje. Só eu é o vento sabe, mais todos temos necessidades de falar, todos temos dias em que queremos por para fora tudo oque está preso na garganta. Oque realmente aconteceu lá? Será um segredinho nosso, okay?

Eram 23:00(onze) quando recebo uma mensagem da Elly pedindo para me encontrar com ela na casa abodonada onde brincávamos quando criança. Achei estranho mais ignorei o mal pressentimento e fui para onde ela estava. Assim que cheguei lá ela veio me abraçar dizendo que o Gustavo( namorado dela desde os 8 anos) tinha acabado o namoro com ela. " Ele disse que eu era muito doida para ser suportada mais quem teve que suportar foi eu quantas vezes eu tive que ir para em uma delegacia atrás dele?! Quantas vezes eu chorei calada porque não queria que ele me ouvisse chorar? Quantas vezes eu suportei os ciúmes dele ate com o entregador de pizza? A PORRA DE UM ENTREGADOR! PRA MIM CHEGA" dito isso ela pega uma arma que sabe-se lá onde ela arrumou e atirou no peito mais antes de morrer ela falou "Nana não conte nada disso. Pior que morrer por amor é ser julgada por ele" dito isso uma lágrima correu em seus olhos e ali eu notei que estava só no mundo que eu não tinha ninguém comigo. Foi ai que comecei ter crises. Eu dormir e acordava com o braço ou a perna cortada, eu nunca soube como isso acontecia mais ai isso foi virando um hábito involuntário ate um quando eu completei os meus 15 anos é o pior do meus erros apareceu...

☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆☆

Demorei para postar mais foi por conta de criatividade que fugia de mim kkkk
Mais como diz minha vovô " A criatividade sempre vem em uma noite chuvosa depois de muito remoer o passado ela vem, espere que vem" e como vô está sempre certa ela veio \o/

Não esqueçam da estrelinha se gostar e de deixar sua marca com um comentário

Relatos de um diárioLeia esta história GRATUITAMENTE!