1 - Os mesmos olhos azuis

272 24 5


(DEZ ANOS DEPOIS)

Respiro fundo e entro com o pé direito, pronto para enfrentar mais um dia na selva adolescente chamada, ensino médio. As mesmas pessoas de todos os dias, os atletas fortes e bonitos que não pensam em outra coisa a não ser "curtir a vida"; as líderes de torcida, lindas e sensuais desfilando pelos corredores se achando um máximo, mas aposto que nenhuma delas é capaz de soletrar a palavra paralelepípedo; os roqueiros; os talentosos; as fofoqueiras; os simpáticos; as metidas; enfim, as pessoas de todos os dias, nenhuma novidade.

Faço um grande esforço para entender a aula de química, e outro ainda maior para suportar a de cálculos. Então depois de mais algumas aulas e de um almoço com um dos meus livros favorito, chega a tão esperada última aula.

Antes de ir para a aula de história, passo no meu armário e pego alguns livros. Encontro um papel com a programação de aulas que estarão disponíveis no próximo semestre e começo a ler a caminho da sala de aula. Não estarei aqui no próximo semestre pois esse é o meu último, mas estou curioso para saber se a escola evoluiu na programação.

Matérias

Cálculo avançado
Música
Teatro
Robótica
Astronomia

Isso não é justo, só porque eu amo astronomia eles tem que colocar a matéria quando eu não vou está mais na es...

Eu sem perceber, entretido com o papel da programação, acabou esbarrando em alguém e meus livros vão direto para o chão.

A baixo de imediato para recolhe-los.

- Me desculpe - o garoto diz enquanto pego os meus livros.

- Você pelo menos poderia ter me ajudado - reclamo me levantando.

Fico de frente para o garoto, meu coração dispara, ele está diferente, mais alto, mais forte, com uma barba bem cerrada, mas é o mesmo cabelo escuro, os mesmos olhos azuis.

- James? - eu pergunto ainda sem acreditar.

- Joe? - ele pergunta também surpreso, abrindo um lindo sorriso.

A minha vontade é de abraça-lo e aperta-lo, ter certeza que ele realmente esta aqui, mas a única coisa que eu consigo e dizer:

- Quando tempo.

Eu observo os seus olhos, apesar deles parecerem iguais, eles estão diferentes, James olha na minha direção, mas não diretamente para mim.

- Sete anos, para ser mais exato. Me desculpe de novo, foi muita burrice minha tentar andar pela escola nova sem a bengala - ele comenta.

- Bengala? - eu deixo escapar.

Então olho a sua mão, ele segura uma bengala dobrável e antes que eu possa concluir qualquer coisa ele me diz:

- Eu fiquei cego há três anos atrás.

- Nossa!Sinto muito - digo quase sem voz, surpreso e triste ao mesmo tempo.

O sinal toca.

- Tudo bem. Tenho que ir para aula de história - ele diz sem jeito.

- Eu também tenho aula de história agora. Você é da minha turma?

- Sr. Sullivan? - ele me pergunta se referindo ao professor.

- É ele mesmo, você pode vir comigo se você quiser - eu fico meio sem graça.

- Eu aceito a sua carona - ele sorri - Posso segurar no seu braço?

- Claro - ele coloca o seu braço envolta do meu - Só por segurança, eu acho melhor você usar a bengala também, eu não sou lá a uma pessoa muito hábil.

- Um desastrado e um cego, que bela dupla formamos - ele ri e abre a bengala.

É bom saber que ele ainda tem o mesmo senso de humor. Chegamos na sala do Sr. Sullivan, e como eu esperava, ela já esta cheia, e todos olhos observam a nossa entrada. Nos sentamos nas primeiras cadeiras.

- Pessoal - o Sr. Sullivan chama a atenção dos alunos que estão conversando - Este é James Cameron, ele é aluno novo e tem deficiência visual, espero que vocês sejam legais com ele.

James solta um sorriso tímido e o professor da seguimento a sua aula.É tão estranho, eu e o James não nos vemos desde dos 10 anos de idade e agora ele esta aqui na minha frente com 17 anos, totalmente diferente, mas ao mesmo tempo igual. Tem tantas coisas que eu quero perguntar pra ele.

A aula desta vez está passando rápida, mesmo sendo um tédio, o que dá indiretamente a oportunidade dos comentários sobre o assunto do momento surgirem. Não estou nem um pouco preocupado com o pensamento das pessoas, principalmente dessas pessoas, mas é inevitável ouvir de vez em quando algo como "Nossa ele é um gato" ou "Agora o viado tem namorado?".

O sinal toca indicando o final da aula. Mais um dia vencido.

- Joe, será que você pode me acompanhar até a minha antiga casa? É que minha mãe teve que sair e só vai poder me buscar mais tarde, só que eu não quero ficar aqui esperando - James explica.

- Claro - eu respondo sem pensar duas vezes - Mas eu estou sem o meu carro hoje.

- Sem problema, isso é bom, assim podemos colocar o papo em dia - ele responde.

Além dos seus olhosLeia esta história GRATUITAMENTE!