Fiquei sentada em silêncio e percebi que ele me observava, eu nunca imaginaria que pudesse ficar tão sem jeito perto de uma pessoa como eu ficava quando ele me observava, era estranho pelo fato de eu estar na casa dele — um estranho — e também pelo fato que eu estava me sentindo incrivelmente bem e estava gostando de ficar ali.

Ele tinha um olhar hipnotizante e encantador, não imaginaria que o Veni fosse assim, ele sempre ficava naquele estilo dele todo fechado, rosto escondido e às vezes sendo grosso.

Escutei uma buzinada do lado de fora, meus pais já tinham chegado, mas não tinha como eu sair com eles vendo, não queria nem saber o que eles iriam pensar. Levantei do sofá e esperei até que eles entrassem e depois abri a porta para sair.

— O vestido eu...

— Pode ficar com ele. Ficou bonito em você. — Disse ele e eu corei

— Ah! Obrigada. E... obrigada por ter me ajudado hoje. — Disse eu e ele sorriu virando-se e voltando para a sala

Sai e entrei em casa, minha mãe estava sentada na sala com alguma coisa na mão, pareciam papeis e meu pai estava falando no celular.

— Onde você esteve? Por que está com essa roupa e toda machucada? — perguntou minha mãe vindo para meu lado e me olhando da cabeça aos pés

Meu pai ficou mudo no celular me observando

— O que aconteceu com você? — perguntou ele e depois balançou a cabeça voltando a falar com a pessoa no celular — Não... não, eu não estava falando com você, estava falando com a minha filha.

— Pode começar a explicar, mocinha. O que aconteceu?

— Mãe eu...

— Por que saiu com uma roupa e voltou com outra?

— Olha a minha roupa aqui. — Eu disse mostrando — Só coloquei este vestido porque minhas roupas tinham molhado

— Eu quero saber onde você estava. — Disse ela colocando a mão na cintura e fazendo uma expressão de advertência

— Na casa das meninas.

— Não estava não.

— Eu concordo com a sua mãe. Onde estão suas coisas? — Perguntou meu pai desligando o celular

Com certeza estava falando com alguém da empresa onde trabalhava.

— Minhas coisas?

Ótimo... Eu tinha esquecido as coisas da escola na casa da Alycia, tinha saído correndo na intenção de ver o diário e acabei pegando só o celular.

— É! Suas coisas. Onde estão?

— Esta na casa da Alycia... É... eu decidi deixar lá.

— Deixar lá? Por quê? — perguntou meu pai — Por que está toda machucada? Olha seu braço... sua cabeça... seu joelho. O que está acontecendo? — A expressão dele mudou de calmo para preocupado.

— Se estivesse namorando alguém me diria? — Perguntou minha mãe

— O que? Por que esse assunto agora?

— Eu não sei! Você está muito estranha, eu duvido muito que tenha vindo da casa de uma amiga. Não está namorando né?

— Não iremos aceitar isso. Por enquanto não. — disse meu pai

— Não! Eu não estou namorando ninguém. Acha que eu faria isso escondida?

Eu tinha mentido pra eles quando cheguei ali, mas se tivesse um namorado com certeza não iria esconder isso deles.

— Tá bom. Não vou insistir. Mas pode ter certeza. Estou de olho em você. — disse mamãe

—Ah! Não brinca. — Disse eu de forma sarcástica

— É serio. — Falou ela, observando-me mais uma vez

— Mostra para ela os convites. Ela não teria motivos para mentir para a gente. — Disse meu pai

— Que convites? — perguntei confusa

— Os do baile. Sua mãe vai fazer um baile à fantasia para o pessoal da empresa.

— Por quê?

— Recebemos promoção. E vamos promover uma festa. Temos que tentar agradar um empresário que chegou

— Empresário?!

— É. E eu quero você lá.

— Porque tenho que ir em um lugar que só vai ter empresários?

Eu não conseguia entender a logica deles, o baile não seria só par o pessoal da empresa?! Ou outras pessoas poderiam comparecer? Talvez sim, porque eu com certeza não me encaixava na primeira opção, mesmo sendo filha deles.

— Porque sim. E quero você bem bonita lá. Comprei um vestido pra você.

— Ah! Mãe...

— Vai ter que ir. Não adianta insistir no assunto.

Eu não discuti, apenas subi para o meu quarto colocando minha roupa molhada no cesto de roupas e depois peguei o diário da Melissa. Quando abri percebi que uma coisa caiu dele. Era um colar e tinha o formato de um coração e era prateado.

Fiquei na duvida se devia abrir ele ou não, as garotas tinham falado do amuleto da Melissa, mas já que estava ali não iria amarelar. Eu abri e foi ai que vi. A garota da foto era muito parecida comigo, até a marca de nascença. Isso não poderia ser possível, não mesmo.


Toque de SeduçãoLeia esta história GRATUITAMENTE!