Capítulo 129

20K 800 16

  Tava mais do que bolada, no dia seguinte nem fui na aula, fiquei sabendo que rolou uns agarramentos do Matheus com a loira, fiquei mais bolada ainda né? E pra piorar aquela porra me liga.
Bruna - Que foi?
Matheus - Nossa amor
Bruna - Nossa o carai, o que se quer?
Matheus - Falar com minha morena, mas tu ta com uma ignorância.
Bruna - Vai ligar pra tua loira lá.
Matheus - As viaje Bruna.
Bruna - Vai se fuder.
Matheus - Vamo comigo
Desliguei na cara dele. Menino idiota, namoral. Ele ligou de novo mas não atendi, logo chegou uma mensagem dele no wpp.
Matheus - Já é Bruna, vou correr atrás de tu não, fica fazendo suas ceninhas ai que eu vou dar valor pra quem me quer.
Fiquei meia pá né, tava dando ele de bandeja pra loira, mas ele tem que ver que não é assim, comigo o buraco é bem mais em baixo.
No dia seguinte acordei cedo e me arrumei toda bonitinha, fui pra aula com o Léo de moto como sempre, quando cheguei na sala, atrasada, aquela loira me olhou com uma cara tão feliz que meu sangue já ferveu.  

  Na hora do recreio fui uma das últimas a sair da sala, porque aquela ridícula tava lá atrás, o Matheus veio até minha sala e trombou comigo na porta, me olhou da cabeça aos pés com aquela cara de safado, eu não tava boa com ele mas queria irritar um pouco aquela vadia.
Bruna - E aí. - Ergui uma sobrancelha.
Matheus - Oi peitos da Bruna. - Ele tava mó vidrado.
Dei um tapa nele.
Matheus - Pensei que tava bolada comigo.
Bruna - E eu tô. - Pisquei e dei um selinho nele.
Sai andando pra cantina, furei a fila e pá e já sentei do lado das meninas, tava gostosa mas eu tava enjoada então dei meu prato pra Sabrina morta de fome e sai da cantina, tomei água no bebedouro lá e sentei na quadra. Fiquei mexendo no celular e tals, até que apareceu uma menina lá da sala, chamava Natália.
Bruna - Oi?
Nat - Bruna, eu tava lá atrás da escola e vi uma coisa.
Bruna - Que foi?
Nat - Não quero ser fofoqueira, então é melhor você ir lá.
Bruna - Eu odeio mistérios.
Levantei e fui até lá, a princípio não vi nada, mas comecei a ouvir uns gemidos e tal, quando olhei mais no canto vi aquela desgraçada chupando, nossa que ódioooo, o Matheus me paga! Algumas lágrimas surgiram no canto dos meus olhos, saí rápido dali pra eles não me verem, trombei em muitas pessoas mas fui direto pro banheiro, então o choro desceu totalmente, algumas meninas viram e saíram, outras deram umas risadas, porque eram amigas daquela vadia, mas nem me importei. Logo apareceu a Dani, a Sabrina e a Laura loucas atrás de mim.

  Sabrina - Amiga o que houve?
Dani - Como você ta? O que pega? Ta me preocupando.
Laura - Não chora amor, vou chorar também.
Continuei chorando, sabia que não ia conseguir falar. O sinal bateu e pá e nós continuamos lá. Demorei uns dez minutos pra me acalmar, lavei o rosto e limpei o borrado da maquiagem.
Bruna - Aquela vadia tava chupando teu irmão.
Sabrina - O QUE?
Dani - Para tudo! Como assim?
Bruna - A Nat viu e foi me contar, eu fui ver e tal. Peguei os dois.
Laura - Devia ter tirado uma foto explanando a piranha no face.
Bruna - Nem pensei nisso.
Sabrina - Meu irmão não te merece...
Dani - Se bem que ele sempre esteve do lado dela né... Se ela não tivesse com tanto ciúme eles tariam namorando.
Bruna - Pra ele me trair?
Laura- Ta do lado de quem?
Dani - Não tô defendendo ele, sério.
Bruna - Isso não importa, vou pra minha sala.
Sabrina - Ta bem mesmo?
Bruna - Não. Mas vou ficar.
A Dani e eu fomos pra sala, aquela desgraçada tava lá atrás lambendo os lábios e sorrindo com a sua cara de puta, aquela altura suas amiguinhas já tinham contado da minha cena do banheiro. Ouvi algumas indiretas, mas tava muito desconcentrada pra dar importância.

No final da aula eu juntei minhas coisas e saí, lá fora encontrei as meninas, trocamos algumas palavras e de repente senti um empurrão.

  Patrícia - Desculpa flor, não te vi aí. Sabe como é mosca morta né? Ninguém repara.
Bruna - Vai se fuder. - Revirei os olhos e me virei. Mas ela não se calou.
Patrícia - Fiquei sabendo do seu chorinho, deve ser difícil perder o homem pra mim né?
Bruna - Você é só mais uma puta que ele pega por diversão, eu sempre fui a mulher com quem ele quis algo a mais, aquela que é respeitada a cima de tudo.
Patrícia - Então porque ele ta comigo? Você é um resto de aborto, se coloca no teu lugar e vê se fica longe do Matheus, porque agora ele é meu!
Sabrina - OLHA AQUI SUA VADIAZINHA DE QUINTA.. - A Sabrina já vinha pulando e se envolvendo mas a Dani e a Laura seguraram ela.
Patrícia - Ui, precisa das amigas pra te defender.
Virei a mão na cara dela com tanta força que ela virou o rosto, já dei um bicudo na boca do seu estômago que ela ficou sem ar e cambaleou para trás, com isso uma roda já havia se formado em volta de nós e estavam gritando "UH PORRADÃO" bem típico... Ela veio pra cima de mim com as mãos já abertas pra pegar meu cabelo, mas eu dei outro bicudo em seu estômago e ela foi para trás, fui pra cima dela a jogando no chão, ela começou a puxar meu cabelo enquanto eu dava socos na sua cara, não demorou muito pro seu nariz começar a sangrar, apertei meu joelho em seu estômago tirando todo seu ar, dei um soco em seu olho direito e ela largou meu cabelo, me levantei e comecei a dar vários chutes em todo seu corpo, cuspi na cara dela e voltei a dar vários chutes, foi quando senti braços me envolvendo e meu corpo sendo puxado, olhei e era o Léo, enquanto isso o Matheus ajudava aquela vagabunda a se levantar.
Bruna - Da próxima vez eu te deixo careca sua vadia!
Matheus - Nossa Bruna, que criancice.
Bruna - Era com a criança que você queria ter uma relação lembra? Foi a criança aqui com quem tu deitou na cama e levou pro hospital quando precisei e foi da criança aqui que você sentiu ciúmes quando eu tinha outro.

Ele ficou calado e saiu de lá. Minhas amigas e o Léo tentavam me acalmar, enquanto o Thiago, o Henrique, e o Lucas mais o Igor que tinham ido lá na saída falavam de como eu lutava MMA, era foda e tal, seria até engraçado se eu não tivesse com o sangue fervendo.
  


1 NÃO SOU DONA DO MORRO MAS SOU FILHA DO DONO ♔Leia esta história GRATUITAMENTE!