Capítulo 05 - A Coroa

955 138 25

Aprecio o garoto que amadureceu e se tornou um homem, está demasiadamente deslumbrante, seu corpo é esbelto e robusto, seus olhos e cabelos são castanhos escuros, sua pele é bem morena como da minha irmã Júlia, sinto o aroma de seu perfume suave.

—Vitória!

—Ah oi!

—Como você está? —Ele me abraça, noto seus músculos e o cheiro do seu sangue, como nunca senti em alguém antes.

—Estou bem, e vocês? —Pergunto e ele fica constrangido.

—Vamos levando.

—Delegacia é? —Pergunto puxando assunto.

—É eu sou detetive.

—Ah sim. É entre! Certamente as garotas ainda não estão prontas. —Digo nervosa.

—Com licença. Ah propósito você está muito bonita.

—Obrigado você também está. —Ele passa próximo a mim e de novo sinto o cheiro do seu sangue pairar no ar, cravo o olhar diretamente para seu pescoço querendo mata-lo. Acoberto o rosto pois a esta circunstância meus olhos estão vermelhos.

—Já estamos prontas! —Diz Aly.
Não me viro para vê-las apenas saio da casa e os aguardo ao lado de fora. O sangue dele está me propiciando desequilíbrio. O custoso não era Tania e sim isto.

Todos entram ao carro, atrevo pensar em outras coisas para se distrair. Aparecemos ao local do concurso e vejo várias garotas vestidas primordialmente. Fito pescoço por pescoço almejando alimentar-se.

—Muito bem! A eleição está oficialmente aberta. Cavalheiros vocês podem começar a votar nas damas, eu irei apresentar uma a uma. —Diz uma mulher de óculos e cabelos negros no palco.

—Aquela louca copiou o meu vestido! —Diz Aly brava. Percebo que as duas estão iguais.

—Temos aqui a vencedora de três concursos, vestido vinho, com um metro e 69 de altura, pele clara, cabelos loiros e longos, olhos azuis e corpo em forma, Gabriela. —Todos aplaudem a irmã de Tania.

Os homens recebem um papel e caneta nas mãos para votarem. Olho para Jack que está um pouco distante do nosso grupo, percebo que ele já estava me encarando. Mordo os lábios e observo a próxima garota entrar.

—Este ano minha irmã não irá ganhar. Eu vou! —Diz Tania.

—Estas garotas têm muito dinheiro, por que querem este cupom? —Pergunta Júlia.

—Não se trata do dinheiro, se trata de ser popular e querida por todos. —Explica Aly.

—Ela sempre tenta vencer a irmã a anos, vestido bege, um metro e 67, cabelos longos e loiros, olhos verdes, o nome dela é Tania.

—E está aí roubou meu vestido.

—Lamento prima, mas este concurso não é para você. —Diz Júlia.

—Ganhe por nós! —Pede Aly.

—Ela voltou para sua cidade natal, tem um metro e 67, cabelos negros e longos, olhos pretos, pele morena e corpo em forma, Júlia! —Enquanto as garotas são anunciadas viro me para Jack e novamente o pego no pulo. Fixo em seus olhos até ouvir minha irmã pedir para eu ir. Despreendo-me do olhar doce do rapaz e levanto-me para me apresentar como uma princesa, irônico já que Tânia me ridicularizou na frente de sua nova melhor amiga.

Subo ao palco e a mulher começa a expor minhas características, não tiro os olhos de Jack, não sei o que está havendo, quero tomar do seu sangue e saciar minha sede. Todos aplaudem e eu desço. Continuo a olhar para o rapaz e Tânia logo percebe que algo está acontecendo, ela fita os olhos em mim declarando total ciúmes. Após alguns minutos a mulher anuncia o vencedor.

Híbrido - O Despertar Leia esta história GRATUITAMENTE!